Capacitação em Tecnologia Espacial para Educadores

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada na Revista Espaço Brasileiro (Abr, Maio e Jun de 2011), destacando o curso de "Capacitação em Tecnologia Espacial para Educadores" realizado entre os dias 30/04 e 01/05, durante a realização do “XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR)”, em Curitiba (PR).

Duda Falcão

Geral

Capacitação em Tecnologia Espacial
Apresenta Resultados

INPE promove curso para educadores no Paraná

Leandro Duarte


Durante o XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), maior evento nacional da categoria, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em parceria com a Agência Espacial Brasileira e a Universidade Federal do Paraná (UFPR) ministraram o curso de tecnologia espacial para educadores dos Ensinos Fundamental e Médio e para alunos dos cursos de licenciatura em todo o Brasil. O evento aconteceu, entre os dias 30 de abril e primeiro de maio deste ano, no auditório do Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba. Esta é a quarta edição do curso que ocorre a cada dois anos nas cidades que recebem o SBSR.

O objetivo do seminário é disseminar a tecnologia espacial entre professores para que eles possam usar o conhecimento adquirido como recurso didático em sala de aula. Segundo uma das organizadoras do curso, a tecnologista sênior do Departamento de Sensoriamento Remoto (DST) do INPE, Elisabete Caria de Moraes, “é essencial popularizar e difundir a tecnologia espacial para sociedade e, em especial, difundir o sensoriamento remoto para que as futuras gerações tenham mais condições de se manterem competitivas frente às inovações do mercado de trabalho, que exige cada vez mais indivíduos preparados e com consciência ambiental, capazes de promover o desenvolvimento do País.

A representante da UFPR, Christiane Gioppo, afirmou que o curso foi enriquecedor para os educadores. “Espero que o curso tenha despertado nos professores o interesse pela tecnologia geoespacial e dê a eles autoconfiança para perceber que eles têm condições de fazer algo similar na sala de aula com os estudantes da Educação Básica. Desta forma, eles podem ir além, aprofundando conhecimentos em novos cursos, ou buscando novos conhecimentos, mesmo que a distância”, disse Christiane.

Nessa edição foram apresentas palestras sobre os fundamentos do sensoriamento remoto, sensoriamento remoto no estudo de fenômenos atmosféricos e de ambientes terrestres, aplicações de sensoriamento remoto na educação, aula prática de interpretação de imagens, escala cartográfica, como adquirir e selecionar imagens de satélites.

Para o estudante de geografia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Christian Lendiuk Carneiro, um dos 75 participantes desta edição, o curso foi excelente. Ele pode entender de forma clara a aplicação dessa tecnologia no bacharelado, como também na licenciatura. Christian explicou que o conteúdo do curso será fundamental para melhorar a interação aluno-professor. “Dominar tal ferramenta facilitará o trabalho, pois nossos jovens respiram informática, vivem num mundo informatizado. Se o professor quer prender a atenção deste aluno tem de fazer parte de seu mundo. Não adianta apenas ter computadores em sala de aula, é necessário que o educador mude a metodologia”, afirma.

Motivado após as palestras e com o intuito de aplicar, futuramente, dentro de sala de aula o conhecimento adquirido, Christian está desenvolvendo uma ferramenta interativa. São vídeos-aula que estarão e poderão ser acessados por meio de celulares, CD-Rom, e redes sociais usando ferramenta específica de compartilhamento de vídeo. “O propósito desse trabalho é facilitar e diversificar o acesso ao conhecimento. Os professores poderão usar esse recurso como suporte para as próprias aulas e os alunos para revisões de prova. É um professor a tira colo”, explicou.

O uso do sensoriamento remoto na educação pode ser aplicado em diversas áreas do conhecimento como geografia, história e até mesmo na música. Ao logo das quatro edições do curso de tecnologia espacial para educadores, o INPE acompanhou diversos projetos escolares desenvolvidos pelos participantes. Alguns chegaram a ser premiados pela Secretaria de Educação de São Paulo, como é o caso da professora Suely Franco Siqueira Lima, da Escola Estadual Marechal Rondon, de São José dos Campos, que recebeu prêmio pelo trabalho intitulado “Estudo do Rio Paraíba no Ensino Médio com utilização de imagens CBERS”. A professora Cláudia Moreira Garcia, do Colégio Estadual Timbu Velho, em Campina Grande do Sul (PR), teve reconhecimento internacional. O projeto intitulado “Análise ambiental da Bacia do Rio Timbu a partir do uso do sensoriamento remoto na escola”, foi premiado na Itália.

Ainda como resultados do curso, destacam-se educadores da área de histórica e música que desenvolveram trabalhos em sala de aula utilizando e explorando as imagens de satélite. O professor Eduardo Menezes da Escola Estadual Henrique Lages, no Rio de Janeiro, mostrou que a diferença na arquitetura de cidades de colonização espanhola e portuguesa se refletia na história do desenvolvimento dos países colonizados. E a professora de música, Suzana Mussi, de São José dos Campos, compôs uma música com alunos do Ensino Fundamental de comunidades carentes para promover o resgate da auto-estima dos alunos.

A professora Rosa Sousant, da Escola Estadual Dinorá P.R. Brito, na região de São José dos Campos (SP), participou do curso em 2004 e acredita que o conteúdo absorvido nas palestras quando aplicado em sala de aula traz resultados até na mudança de atitude dos alunos.”Nos trabalhamos com alunos de baixa renda. Eles dividem a crença de que estudar não dá retorno, não traz novas possibilidades. Não acreditam no seu próprio talento. Esse assunto, que de certa forma é novo para eles, desperta o interesse, podendo, inclusive, atrair alguns deles para, no futuro, trabalharem no Programa Espacial Brasileiro”.

Desde 2009, o programa da AEB Escola da Agência Espacial Brasileira, tem auxiliado na organização deste curso para educadores, contribuindo com a divulgação do curso e disponibilizando todo material didático a ser entregue para os educadores participantes.

SBSR – O Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto é o maior evento no País sobre tecnologias relacionadas a satélites e geoprocessamento. Promovido pelo INPE e pela Sociedade de Especialistas Latino-americanos em Sensoriamento Remoto (SELPER), o simpósio está na 15º edição e ocorre a 33 anos. O encontro reuniu cerca de duas mil pessoas, entre palestrantes, expositores e participantes de todo Brasil e de 27 países.

Foram apresentados 1207 trabalhos científicos em sessões orais e de pôsteres, cursos, workshops, mesas-redondas e sessões especiais. Entre os assuntos abordados este ano estão a agricultura na China, veículos aéreos não tripulados, geotecnologias, radares, monitoramento de queimadas em áreas urbanas, desafios para exploração do pré-sal e formação de recursos humanos.


Fonte: Revista Espaço Brasileiro - num. 11 - Abril, Maio e Junho de 2011 - pág. 30

Comentário: Muito bom, e espero que esse curso continue ocorrendo abrindo assim oportunidades para educadores de todo o território nacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite