Saiba Mais Sobre o 8º SePP&D

Olá leitor!

Como já anunciado aqui no BLOG em 01/10 foi promovido pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), este ligado ao Comando da Aeronáutica (COMAER), um evento de grande importância para o PEB na área de veículos lançadores e tecnologias associadas.

Tratou-se da oitava edição do “Seminário de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento em Veículos Espaciais e Tecnologias Associadas (8º SePP&D), evento este realizado anualmente pelo IAE e que este ano contou com a participação do Sr. Paulo Gontran Ramos (presidente do CEGAPA - Centro Gaúcho de Pesquisas Aeroespaciais) e o Prof. Júlio César Guedes Antunes (Prof. do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – IFNMG, e idealizador do Projeto AERIS. Lembra desse projeto leitor?), ambos leitores do BLOG.

Em relato sobre o evento do Sr. Paulo Gontran, enviado ao BLOG via e-mail pelo Sr. Carlos Cássio Oliveira (presidente do Centro Experimental de Foguetes Aeroespaciais da Bahia - CEFAB) tomamos conhecimento de que o evento contou com a participação de empresas, entidades de pesquisa e de profissionais do setor, cujo o mote foi a divulgação dos últimos progressos ocorridos em nosso país no ramo espacial, suas tendências, desafios e evidentemente as suas históricas dificuldades.

Segundo o Sr. Paulo Gontran vários importantes pesquisadores do cenário nacional e internacional fizeram suas exposições, e entre eles o Dr. Thyrso Villela que apresentou uma proposta de programa de domínio de tecnologias críticas para o setor espacial e o diretor do Laboratório de Integração e Testes (LIT) do INPE, o Dr. Carlos de Oliveira Lino (INPE), que falou das melhorias em ampliações previstas e necessárias para este laboratório, uma vez que, segundo ele, o mesmo atingiu o limite para todos os testes que faz principalmente aqueles em satélites, mas também em antenas de telecomunicações encomendadas por diversos órgãos, até mesmo de telefonia comercial. O diretor do LIT destacou ainda os testes de ruído e de vibrações para artefatos espaciais e o regime de trabalho que hoje está muito grande, perfazendo até 12 horas diárias, visando atender os clientes contratantes dos testes do LIT.

O VLS-1 evidentemente também foi tema do evento em palestra apresentada pelo coordenador do projeto, o Maj. Almeida, que apresentou aos participantes o estágio de desenvolvimento do veículo para breve lançamento (coisa que não acreditamos que aconteça numa provável vitória da DILMA e talvez até mesmo se o AÉCIO vencer a eleição). O coordenador do projeto destacou também as melhorias introduzidas no VLS-1 após o acidente de 2003 e apresentou vídeos de teste estático em banco e de separação dos boosters.

Outra informação destacada no relato do Sr. Paulo Gontran foi à obtenção pelo IAE de uma pequena escala de um produto (até aqui guardado como segredo pela Rússia e pelos EUA), que pretende-se usar no futuro como substituto do “Perclorato de Amônio” em foguetes a propelente sólido. Segundo o que foi divulgado no evento o tal produto que atende pela sigla de ADN, em média custa R$ 50mil por quilo, para compra e transporte especial em navio, já que o contêiner é projetado especialmente para isso. O IAE comprou uma amostra da Rússia e conseguiu, em laboratório próprio, sintetizar uma pequena quantidade desse componente, cuja molécula foi patenteada pelos EUA e vem sendo pesquisada desde 1942 pelos Russos. Slides do laboratório do IAE e fotos da amostra foram apresentadas durante o evento. Ponto para o IAE.

O Sr. Paulo Gontran informou também que durante o evento críticas ao baixo aporte financeiro do Governo para as pesquisas, em comparação com a Índia e até mesmo a Argentina, foram levantadas, sendo que um pesquisador revelou que há no Governo Brasileiro políticos de alto destaque contrários a que se faça pesquisa espacial no Brasil, coisa que não é nenhuma novidade e que o BLOG BRAZILIAN SPACE já explicou por diversas vezes o porquê isto acontece.

Finalizando seu relato o Sr. Paulo Gontran traz uma boa notícia quando divulga que o IAE pretende realizar parcerias com os fogueteiros amadores, acadêmicos, hobbystas e profissionais, sendo que para que isto aconteça uma das possibilidades destacadas no evento foi o Programa UNIESPAÇO da AEB.

As palestras realizadas no evento foram as seguintes:

* A Expansão do Laboratório de Integração e Testes (LIT) e Sua Contribuição Para o Programa Espacial - Carlos de Oliveira Lino - INPE;

* Status e Perspectivas do VLS – Maj. Almeida (Gerente do VLS) – IAE;

* Capacitação e Desenvolvimento de Metodologias para Cálculo da Confiabilidade de motores de Foguete a Propelente Sólido – Dr. Silvio Fazolli – IAE;

* Uma Proposta de Programa de Domínio de Tecnologias Críticas Para o Setor Espacial - Dr. Thyrso Villela Neto – CGEE;

* Elaboração de rotinas computacionais para análise vibro-acústica de estruturas aeroespaciais submetidas à excitações acústicas aleatórias - Carlos D’Andrade Souto – IAE;

* Pesquisa e Desenvolvimento de Extração e Purificação de ADN - José Irineu Sampaio de Oliveira – IAE; e

* Abordagem para Verificação Formal de Software Crítico Espacial - Rovedy Aparecida Busquim e Silva – IAE.

E os posteres apresentados durante o evento foram:

* Rede de Antena Adaptativa de Recepção do Sistema GPS para Aplicação Embarcada - Cynthia Junqueira – IAE;

* Estudo Teórico Experimental do “Sloshing” em Tanques Cilíndricos Verticais - Carlos D’Andrade Souto – IAE;

* Infraestrutura de uma Rede Elétrica de Controle para Veículos Aeroespaciais Baseada em Barramento de Dados - Adilson Jesus Teixeira - IAE;

* Modernização dos Sistemas de Aquisição de Dados e de Condicionamento de Amostras Relacionados ao Ensaio de Velocidade de Queima de Propelente Sólido Compósito em Bomba Crawford - Luciene Dias Villar - IAE;

* Instrumentação de Equipamento Para Avaliação Térmica de Compósitos Termoestruturais - Ronald Izidoro Reis - IAE;

* Desenvolvimento de Processo de Infiltração, Por Meio de Polímeros de Silicona, Para Produção de Compósitos à Base de C/SiC, Para Utilização em Proteções Térmicas de Veículos de Reentrada Atmosférica (SARA) e Veículos Lançadores (VLM) - Ronald Izidoro Reis - IAE;

* Avaliação da Vida em Fadiga de Compósitos de Fibra de Carbono/Epóxi e de Fibra de Carbono/SiC Submetidos a Esforços de Cisalhamento, Tração e Compressão - Vanderlei de Oliveira Gonçalves - IAE;

* Escomento Atmosférico no CLA Parte II - Ana Cristina Avelar – IAE; e

* Estudo Experimental da Interferência Aerodinâmica de Antenas Embarcadas na Fuselagem de Veículos Aeroespaciais Utilizando-se as Técnicas de Tintas Sensíveis a Pressão (PSP) e a Temperatura (TSP) - Ana Cristina Avelar – IAE.

Abaixo trago algumas fotos do evento enviadas pelo Prof. Júlio César Guedes Antunes, ao qual agradecemos pela gentileza de nos fazer a cobertura fotográfica deste importante evento para o BLOG BRAZILIAN SPACE.

Duda Falcão

O Prof. Júlio César Guedes Antunes em frente
ao prédio da Divisão de Ciências Atmosféricas do IAE.
Os participantes ouvem o Hino Nacional antes do início do evento.
O Brig. Eng. Leonardo Magalhães Nunes da Silva
(diretor do IAE) em seu discurso de abertura do evento.
O Major Almeida realizando sua palestra sobre o Projeto VLS.
O Cel. Santana Júnior (Vice-Diretor do IAE) realizando a sua participação
durante a apresentação da palesta do Major Almeida que é visto ao fundo.
O Dr. José Irineu Sampaio de Oliveira apresentando
sua palestra sobre a Extração e Purificação do ADN.
Coquetel servido aos participantes no intervalo do evento.
O Dr. Thyrso Villela Neto (ex-diretor da AEB)
realizando a sua palestra.
Nesta foto o leitor pode observar a Sra. Janaina Pardi Moreira
da Seção de Comunicação Social  do IAE (do lado esquerdo no
grupo usando um vestido colorido) e a pesquisadora Ana Cristina
Avelar (de frente segurando o programa do evento) responsável pela
apresentação de dois posteres durante o evento.

Comentários

  1. Desculpe mudar de assunto, queria saber que satélite é esse no logotipo do Blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Rodrigo!

      É o Satélite de Coleta de Dados 1 (SCD-1) desenvolvido pelo INPE e que está no espaço funcionando desde 1993.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Duda,

    Seguem uma dúvida e um esclarecimento:

    Sobre o LIT, eu havia entendido por tudo que se tem divulgado, que esses nossos laboratórios estavam ociosos. Agora noticiam que o LIT está sobrecarregado. Seria essa sobrecarga devido à trabalhos não ligados ao PEB?

    Quanto ao ADN, me parece que não tem nada de "segredo". Ele é conhecido dos russos desde a década de 1970, tendo sido "redescoberto" pelos americanos e patenteado pela SRI International na década de 1990. É a dinitramida de amônio, uma alternativa bem menos tóxica de combustível sólido, ideal por isso mesmo até para os foguetes amadores, sobre a qual inclusive, existem trabalhos publicados aqui no Brasil desde 2009:

    Modelagem da combustão da dinitramida de amônio por simulação computacional.

    Quanto ao VLS-1, sou da mesma opinião. Pra mim, esse projeto dificilmente vai andar. E na minha opinião na verdade nossos esforços já deveriam ter sido deslocados para o VLM a muito tempo, pois é um projeto bem mais simples e com real possibilidade de se inserir no mercado internacional de lançamentos.

    Quanto as queixas em relação ao orçamento pífio e os políticos que não tem o menor interesse na área, nada de novo. Podem continuar se queixando que não vai adiantar nada. Insisto que enquanto o pessoal que está dentro do PEB não tomar atitudes firmes e contundentes CONTRA esse estado de coisas, vai ser isso aí. É como diz o grande filósofo contemporâneo Vampeta: "Eles fingem que pagam, agente finge que joga". Ficam todos eles satisfeitos e o idiota que paga os ingressos vê o seu dinheiro desperdiçado num "jogo de compadres"...

    E assim caminha o Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos!

      Respondendo a sua pergunta, sim o LIT está sobrecarregado devido à trabalhos não ligados ao PEB e também não atende mais os parâmetros exigidos para realização dos testes dos satélites de comunicação e meteorologia previstos no PNAE. Vale dizer que felizmente o LIT atende aos projetos das industrias não ligadas ao PEB, pois se assim não fosse ficaria difícil a manutenção deste Laboratório, já que os recursos repassados são insuficientes.

      Agora quanto ao ADN, permita-me discordar de você. Na realidade o ADN é um segredo sim que só existia nos EUA e na Rússia. Sabe-se lá como, o Brasil conseguiu comprar da Rússia uma mostra (talvez devido a acordos internos não divulgados assinados no âmbito do BRICS) o que permitiu este estudo e a sintetização dessa pequena quantidade desse componente no Brasil, permitindo assim que o Brasil se torne em breve a terceira nação do mundo a dominar esta tecnologia. O IAE está de parabéns e este fato lembra um outro fato ocorrido na década de 90 com o sistema de navegação do VLS-1, adquirido junto aos russos numa verdadeira missão alá James Bond que colocou em risco a vida dos servidos que foram a Rússia naquela época e de certa forma ajudou o projeto SIA a ser hoje o que é.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial