Plataforma da AEB Reúne Ações de Educação e Tecnologia

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (09/10) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que plataforma da AEB reúne Ações de Educação e Tecnologia.

Duda Falcão

Plataforma da AEB Reúne Ações
de Educação e Tecnologia

Coordenação de Comunicação Social

Fotos: Valdivino Jr/AEB
Presidente da AEB, José Raimundo Coelho na abertura do evento.

Brasília, 10 de outubro de 2014 – Com a participação de autoridades, especialistas das áreas de ciência, tecnologia e educação e estudantes de engenharia a Agência Espacial Brasileira (AEB) apresentou nesta sexta-feira (10) o E2T – Espaço Educação e Tecnologia, que consiste em um instrumento online que reúne todas as ações da sua Diretoria de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento.

O espaço é um ponto de união das informações dos projetos das universidades e outras instituições que exercem o ensino e execução das atividades aeroespaciais. Ele está orientado para auxiliar a qualificação de recursos humanos e o desenvolvimento tecnológico para o segmento espacial, com apoio do sistema educacional.

O evento foi aberto pelo presidente da Agência, José Raimundo Braga Coelho, que disse que a iniciativa está em conformidade com as diretrizes do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE). Ressaltou que um dos seus objetivos é o de impulsionar a qualificação de recursos humanos para a área e contribuir para a instalação de inovações tecnológicas nas atividades aeroespaciais do país.

São parceiros nesta ação os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Educação (MEC), que foram representados na solenidade pelos respectivos secretários executivos Álvaro Toubes Prata e Luiz Claudio Costa.

Na opinião de Prata, o E2T é de fundamental importância, pois há mais de meio século o homem entendeu que o desenvolvimento humano passa pela ocupação e domínio do espaço. Para Costa, o instrumento lançado contribuirá em muito com o incremento das atividades educacionais, uma vez que “o país já provou reunir competência na área espacial”.

Aprimoramento – O diretor de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da AEB, Carlos Gurgel, informou que com o E2T o programa AEB-Escola, que desde 2004 tem desempenhado importante papel na divulgação e popularização do setor espacial, se direciona para atuar na linha da educação continuada.

Nesse sentido, a AEB está estruturando com o MCTI e com o MEC o primeiro Centro Vocacional Tecnológico da área espacial, o CVT-Espacial. Ele será instalado no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), em Natal (RN), no início de 2015. Segundo Gurgel, esse é o primeiro de uma série de espaços que devem vir a ser instalados em regiões com vocação tecnológica espacial.

Além da vertente educacional, o CVT-Espacial também terá a função de ser um polo de atração turística para a localidade onde for implementado, bem como de capacitação de pessoas da comunidade com vistas ao mercado de trabalho.

Constou ainda da programação do evento apresentações sobre o Sistema Espacial para Realização de Pesquisas e Experimentos com Nanossatélites (SERPENS), pelo engenheiro bolsista da AEB, Pedro Nehme; sobre o projeto Ubatubasat, nanossatélite desenvolvido por estudantes da Escola Municipal Tancredo Neves de Ubatuba (SP), e a tecnologia de lançamento de pequenos satélites a partir da Estação Espacial Internacional (ISS. na sigla em inglês), ambas a cargo de Jean Robert Batana, coordenador de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da AEB, e sobre a instalação da Rede Integrada Brasileira de Rastreamento de Satélites (RIBRAS), feita pelo professor Cedric Salotto, do Instituto Federal Fluminense (IFF).

Salotto entregou ao presidente Raimundo Coelho uma maquete do RIBRAS, confeccionada por um grupo de bolsistas de engenharia da Agência. A AEB também entregou aos representantes das universidades federais de Minas Gerais (UFMG), do ABC (UFABC), de Santa Catarina (UFSC), da Universidade de Brasília (UnB), do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e do IFF, 250 licenças, por três anos, do código STK. Trata-se de uma importante ferramenta no planejamento, estudo e acompanhamento de missões aeroespaciais, que muito contribuirá para o aprimoramento dos cursos de Engenharia Aeroespacial, conforme frisou o diretor Gurgel.

Presidente José Raimundo recebe do professor
Cedric Salotto maquete da RIBRAS.
O diretor Carlos Gurgel, da AEB, foi um dos
palestrantes no lançamento do E2T.


Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Não obstante as notícias sobre o CVT-Espacial que como já disse são relevantes, veja você leitor que para um bom entendedor meia palavra basta. Quando todos os esforços possíveis deveriam está neste momento sendo realizados para permitir que o DCTA/IAE possa dar ao Brasil um veículo de acesso ao espaço para picos, nanos, micros e minissatélites, como em parte já está acontecendo na Argentina, um diretor da AEB esteve empenhado neste evento em apresentar uma tecnologia estrangeira de acesso ao espaço para esses tipos de satélites via estação espacial. Ora Santa Maria do Pau Oco (recordando a minha vozinha) tá tudo errado e isto deixa ainda mais claro a falta de interesse da AEB nos projetos de veículos lançadores do país. É como eu venho dizendo leitor, não há por parte desse governo desastroso qualquer intenção e compromisso de construir um Programa Espacial sério, completo, estratégico, rentável e eficiente e as razões disto todos conhecem. Continuamos brincando de fazer programa espacial. Lamentável.

Comentários

  1. Dizer mais o que?

    Se mesmo quem está dentro do, ainda chamado por alguns de, PEB assistem a isso e se calam, apoiando tacitamente todos esses descalabros, o que podemos esperar?

    É desesperadora a situação, e ninguém faz nada !!!

    Mas isso TEM um significado. E a conclusão única a qual podemos chegar é que: está todo mundo satisfeito com isso tudo.

    Nós é que devemos estar errados de ainda reclamar. Parece que estamos discursando num deserto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial