IAE Divulga Vídeo da Campanha da Operação Raposa

Olá leitor!

Finalmente na tarde de ontem o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) divulgou como prometido o vídeo da campanha de lançamento da “Operação Raposa”.

O vídeo apresenta várias cenas desta campanha e vale a pena dar uma olhada mais de perto no VS-30/EPL/L5. Solicitamos aos nossos leitores que deem suas opiniões sobre o vídeo, para que assim quem sabe possam no futuro ajudar de alguma forma ao IAE a melhorar a qualidade do material de divulgação.

Duda Falcão

Vídeo da Campanha de Lançamento da Operação Raposa


Fonte: Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE)

Comentários

  1. Muito bom! Parabens pelo sucesso, que eh tambem o sucesso de todos os brasileiros. Que venham mais lancamentos!

    ResponderExcluir
  2. Até que ficou legal a cobertura...

    Parabéns a todos os envolvidos na missão!

    ResponderExcluir
  3. O vídeo ficou bom!

    Minha sugestão é apenas para que o IAE melhore suas filmagens em dois pontos: 1) obter melhores imagens de segmento dos foguetes com uso de câmeras de grande teleobjetiva/zoom (isso é obrigatório, já que são filmagens de objetos a grandes distâncias) e, 2) quando forem missões noturnas, o melhor modo de captação de imagens é o uso de câmeras de infravermelho.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!

    Concordo com Pedro. O CLA precisa de câmeras de melhor qualidade, com estabilização de imagens e alta resolução, isso em solo.

    No caso deste veículo faltou a imagem onboad do EPL. Talvez até colocaram a câmera, porém optaram por não divulgar o vídeo por questões estratégicas.

    No caso do VLS-1, acredito que as câmeras e transmissores onboard já são aptos a capturar e transmitir imagens em HD.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo, se você olhar o vídeo com atenção vai ver que existem cenas que foram tiradas da câmera on-board. Acredito que foi mostrado o que podia ser mostrado.

      Excluir
  5. Muito legal o vídeo, curti! Por ser à noite, realmente dificulta o registro do vôo per se, mas compensaram bem mostrando várias etapas da montagem e preparação. Muitas vezes é difícil adquirir material para divulgação, como câmeras infravermelho, porque os orçamentos são engessados e pode não haver dinheiro naquela rúbrica específica. Aposto que várias desses imagens foram feitas com câmeras pessoais dos interessados. Mas gostei bastante. Só mudaria, numa próxima operação, essa música de fundo, parecendo aquelas de videogame antigo. Me lembrou do saudoso Chrono Trigger e deu uma cara muito anos 80 ao vídeo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma câmera de infravermelho profissional custa cerca de R$500. O IAE já a possui, já vi gravações de testes com mísseis pela Divisão de Sistemas de Defesa (ASD do IAE) no CLBI que eles usam essas câmeras. O Laboratório de Registro de Imagens (LRI) têm equipamentos hoje modernos para esse tipo de aquisição, eles já têm teleobjetivas de grande zoom como as de 1200mm, câmeras de utra-alta velocidade digitais, etc. Os vídeos estão bons, mas poderiam ser melhores e mais interessantes para o público!

      Sds.

      Excluir
  6. Olá leitor!

    O Blog também não poderia deixar de se manifestar quanto a qualidade do vídeo que consideramos de boa a ótima. Devemos salientar que o objetivo desses vídeos é unicamente apresentar a Sociedade Brasileira as imagens sobre as campanhas de preparação e lançamentos realizadas tanto no CLA como no CLBI. Portanto as imagens que dizem respeito as pesquisas ou a testes tecnológicos de novos equipamentos em voo (como neste caso) não são e não devem ser apresentadas abertamente por questões de segurança nacional. Parabéns ao IAE pelo vídeo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  7. Gostaria de salientar apenas que o lançamento não foi previsto, inicialmente, para ser feito a noite. Isso foi uma modificação que ocorreu durante a campanha.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial