UNIVAP/INOTECH Desenvolvem Motores-Foguetes Líquidos

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (30/03) no site da Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), destacando o convênio assinado a dois anos pela universidade com a empresa mineira INOTECH - Inovação & Tecnologia para desenvolver e construir micro-motores de foguetes, propelidos a biocombustível e oxigênio, bem como seus respectivos equipamentos auxiliares.

Duda Falcão

Notícias

Cooperação Técnico-Científica
em Tecnologia Aeroespacial

30/03/2011

A Fundação Valeparaibana de Ensino (FVE), mantenedora da UNIVAP assinou há dois anos um convênio de natureza técnico-científica e educacional com a empresa INOTECH – Inovação & Tecnologia, uma organização de sociedade civil de interesse público (OSCIP). O convênio foi celebrado para desenvolver e construir micro-motores de foguetes, propelidos a biocombustível e oxigênio, bem como seus respectivos equipamentos auxiliares. O motor foguete a combustível líquido utiliza propelentes líquidos injetados sob pressão em uma câmara de combustão. Os propelentes são, geralmente, um oxidante e um combustível, líquidos. Uma grande quantidade de componentes, coordenados entre si, por meio de sistemas complexos, são necessários para o funcionamento do motor-foguete e todos eles devem funcionar em harmonia para garantir o sucesso da operação. A INOTECH, idealizadora do projeto, por intermédio do Engenheiro Mecânico Aeronáutico Rene Nardi, que realiza trabalho voluntário nesse convênio, ficou responsável de orientar uma equipe de alunos do curso de Engenharia Aeronáutica e Espaço da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo (FEAU), como uma atividade de extensão, para o desenvolvimento dos produtos.

Rene Nardi é formado em engenharia mecânica-aeronáutica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre em Ciências pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e Master in Business Administration pela Hult University (ADL), em Cambridge. Trabalhou na Embraer e na Parker Aerospace.

Atualmente, atua na INOTECH no desenvolvimento de componentes para sistemas de propulsão, e também como responsável pelo programa voluntário.

De acordo com o engenheiro, a fase artesanal relacionada ao projeto e de construção de motores-foguetes a propelentes líquidos aconteceu durante os anos 30, principalmente na Europa. As décadas de 40 e 50 trouxeram a consolidação das informações e a conseqüente transformação da arte em ciência.

“Os atuais foguetes são, portanto, fruto de pelo menos 80 anos de evolução, e com segurança podemos dizer que atualmente a tecnologia está devidamente dominada e em estágio avançado de amadurecimento. Aqui no Brasil, as iniciativas de projeto e construção de motores-foguetes a propelentes líquidos estão começando a dar bons frutos, com trabalhos resultantes pela Agência Espacial Brasileira (AEB), em parceria com o IAE, o INPE e a indústria nacional”, enfatiza.

Para ele, os estudantes da UNIVAP aceitaram o desafio de aplicar na prática a teoria que aprenderam na sala de aula e já possuem dois projetos concluídos. Um dos motores foi projetado com o intuito de produzir 50 kgf de empuxo. A sua construção foi feita nas oficinas da Universidade, no Campus Urbanova. Este motor está no momento em fase de preparação para testes no solo. Já o segundo, cujo sistema é bem mais complexo e potente, está na fase de construção. Devido ao alto grau de complexidade dos sistemas, a construção foi feita pela UTEC, uma empresa de São José dos Campos, especializada em usinagem aeroespacial. A equipe deve iniciar nos próximos meses, os testes do motor, esperando obter 200 Kgf de empuxo.

Para o Pró-Reitor de Integração Universidade-Sociedade, Prof. Dr. Antonio de Souza Teixeira Júnior, responsável pela elaboração e aceitação de parcerias e convênios na Instituição, “estuda-se a possibilidade de futuramente construir bancadas de testes de solo para a injetora de propelentes e para o motor completo”.

Fazem parte da equipe, os estudantes, Atalita, Anacleto Zonzini, Victor Alves Barros Galvã (9º período semestral/5º ano), Luth Silva Ramos,(7º período Semestral/4º ano), Marco Aurélio Barros Fortes (7º período semestral/5º ano), Alex Gabriel Siqueira (9º período semestral/5º ano e Éder Monteoliva (10º período semestral/5º ano).

Os trabalhos desenvolvidos neste projeto são supervisionados pelo coordenador do curso de Engenharia Aeronáutica e Espaço (FEAU), Prof. MSc. Moacir Sousa Prado.


Fonte: Site da Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP)

Comentário: Já havíamos postados anteriormente duas matérias que citavam o envolvimento do Engenheiro Mecânico Aeronáutico Rene Nardi e da UNIVAP com a empresa mineira INOTECH nessa área de desenvolvimento de motores-foguetes líquidos (veja as notas “Faculdades e Iniciativa Civil Produzem Motores-Foguetes”,”Entrevista com o Engenheiro Aeroespacial René Nardi”) e é gratificante notar que o projeto aparentemente continua seguindo seu rumo normal de desenvolvimento que levará em breve o Brasil ter a disposição dois novos motores-foguetes a propulsão líquida (apesar de serem ainda de pequeno porte) e principalmente qualificando novos profissionais nessa área tão carente do nosso programa espacial. Parabenizo a UNIVAP, a INOTECH e ao engenheiro Rene Nardi por essa iniciativa e nos colocamos a inteira disposição para ajudar na divulgação quando assim vocês acharem conveniente. Aproveitamos também para parabenizar a UFMG e a PUC de Belo Horizonte que estão também envolvidas com essa iniciativa da INOTECH. O Brasil precisa de mais pessoas e instituições que tenham iniciativas como essa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial