UFSC Conquista Nova Estrutura para Pesquisar Gás Natural

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (21/03) no site da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), destacando que UFSC conquista nova estrutura para pesquisa com gás natural.

Duda Falcão

Notícias da UFSC

UFSC Conquista Nova Estrutura
Para Pesquisa com Gás Natural

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom
21/03/2011 - 15:28

Fotos: Paulo Noronha
Agecom
A pesquisa com gás natural é foco de um conjunto de laboratórios recém-inaugurado na UFSC. Construído com apoio financeiro de R$ 1,5 milhão da Petrobras, o complexo localizado no campus da Trindade integra os esforços da Rede Temática de Gás Natural. Faz também parte das iniciativas de eficiência energética do Programa Tecnológico para Mitigação de Mudanças Climáticas (Proclima), coordenado pelo Centro de Pesquisas & Desenvolvimento da Petrobras (Cenpes).

A estrutura de 800 metros quadrados nasceu preparada para ampliações e já abriga uma série de experimentos. “Estamos terminando de instalar uma bancada de testes de trocadores de calor que é adequada para desenvolvimento da tecnologia de tubos de calor e é uma das quatro únicas em universidades no mundo”, comemorou na inauguração realizada na última sexta-feira, 18 de março, a professora do Departamento de Engenharia Mecânica da UFSC e coordenadora do espaço, Márcia Barbosa Henriques Mantelli.

Segundo ela, com apoio financeiro da Petrobras, a UFSC tem produzido tecnologia pioneira no Brasil no campo de tubos de calor. Essa tecnologia permite o desenvolvimento de trocadores de calor compactos, de fácil manutenção, sem partes rotativas e sem a necessidade de energia elétrica para seu funcionamento. Os trabalhos desenvolvidos na Universidades estão, ressaltou, no mesmo nível daqueles desenvolvidos em países como China e Austrália, recentemente Estados Unidos e nações da Europa.

As atividades de pesquisa em tubos de calor e termossifões iniciaram na UFSC na década de 1990, a partir da necessidade da Agência Espacial Brasileira (AEB) e da indústria espacial nacional para o desenvolvimento de sistemas de controle térmico dos satélites brasileiros. A partir da infraestrutura laboratorial adquirida ao longo dos anos, a pesquisa se voltou para aplicações de tubos de calor e termossifões para as indústrias. Diversos convênios e contratos foram firmados. Os esforços são refletidos nas parcerias nacionais e no reconhecimento internacional da equipe formada por professores, pós-graduandos e estudantes de graduação em Engenharia Mecânica.

A pesquisa nesse campo resultou em quatro prêmios recebidos pelo grupo nos últimos seis anos. O avanço pode também ser exemplificado com representações da UFSC nas principais sociedades internacionais de pesquisa voltadas à área de tubos de calor e nas equipes editoriais das mais conceituadas revistas internacionais. Em 2007, com apoio da Petrobras, o grupo organizou, em Florianópolis, a 13ª Conferência Internacional em Tubos de Calor.

A preocupação com as aplicações também tem vários exemplos. A partir de pesquisas básicas em novas tecnologias de termossifões foi projetado um trocador de calor construído pela indústria nacional e instalado na Unidade de Negócio da Industrialização do Xisto (SIX), da Petrobras, em São Mateus do Sul, no estado do Paraná. A unidade está em operação há cerca de quatro anos ininterruptos.

Com o Departamento de Engenharia Química, a equipe trabalha em destiladores compactos e eficientes, que usam tubos de calor e atenderão plataformas de petróleo. Outras frentes de investigação atuais são os projetos voltados à produção de equipamentos térmicos flexíveis, para operar com mais de um combustível, e os estudos voltados à recuperação de vapor em torres de resfriamento. Em sua fala durante a inauguração, a professora Márcia Mantelli lembrou que no caso da Refinaria de Paulínia, pertencente à Petrobras e localizada em Paulínia, São Paulo, uma quantidade de água suficiente para atender uma cidade de 250 mil habitantes é retirada de rios, para reabastecer os processos industriais. Grande parte dessa água é perdida na forma de vapor para o ambiente em torres de resfriamento.

O avanço do conhecimento sobre tubos de calor também auxilia padarias a produzir pães com qualidade e economia de combustível. Graças ao trabalho em parceria com a UFSC, a Petrobras detém a patente de fornos de cocção de pães para uso de gás natural. Na universidade diferentes modelos são projetados e testados e no mercado já são comercializados equipamentos que podem representar economia de mais de 50% de energia, quando comparados com fornos a gás tradicionais.

“Esperamos que a Petrobras continue investindo e apoiando as atividades de pesquisa e desenvolvimento em nossa universidade, mantendo as nossas equipes coesas, para que possamos utilizar de forma produtiva o espaço construído e continuar a desenvolver tecnologias de interesse da empresa e da nação”, compartilhou com a platéia Márcia Mantelli. E antes de convidar para o ato de descerramento da placa de inauguração o reitor, professor Álvaro Prata, o gerente geral de Pesquisa & Desenvolvimento de Gás, Energia e Desenvolvimento Sustentável do Cenpes, Luis Fernando Mendonça, o gerente geral de Tecnologia para Processos de Gás e Energia da Petrobras, Mozart Schmitt de Queiroz, o diretor do Centro Tecnológico da UFSC, Edison da Rosa, e o pioneiro das pesquisas em Engenharia Térmica na UFSC, Sérgio Colle, ressaltou que o investimento nas universidades brasileiras só tem sentido se resultar na formação de pessoas – objetivo primeiro e maior de uma instituição de ensino superior.

“Esperamos que novas empresas na área de tecnologia de gás natural, gerenciadas por nossos jovens e competentes engenheiros resultem dessa empreitada, possibilitando à Petrobras usufruir dos resultados de seus investimentos, assim como permitindo o desenvolvimento, a autonomia e a independência tecnológica de nossa nação. Assim estaremos contribuindo para um futuro promissor para o nosso país, que certamente necessita de tecnologias de uso do gás natural, um combustível limpo, ecológico, que pode cooperar com o esforço de preservar a natureza”, complementou.

Mais informações na UFSC:  Profª. Márcia Barbosa Henriques Mantelli
marcia@emc.ufsc.br / (48) 3721-9937, ramal 214.


Fonte: Site da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Comentário: Veja você leitor um exemplo do por que o desenvolvimento da tecnologia espacial em todo mundo ser a mola impulsionadora do desenvolvimento da ciência e tecnologia como um todo. A necessidade de desenvolvimento de sistemas de controle térmico para os satélites da AEB resultou em tudo isso que foi exposto na matéria e ainda resultará em muito mais. Infelizmente o nosso governo e nossa sociedade ainda são completamente ignorantes quanto aos benefícios gerados pela tecnologia espacial, mesmo convivendo diariamente com os produtos gerados diretamente ou indiretamente por essa mesma tecnologia. Lamentável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial