Novo Presidente da AEB Quer Verba para PEB

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (25/03) pelo site do jornal “O VALE” destacando que ó novo presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), o físico Marco Antônio Raupp, quer mais verba para o Programa Espacial Brasileio. Abaixo segue uma interessante entrevista relaizada com o Raupp pelo jornal "O VALE".

Duda Falcão

REGIÃO

Novo Presidente da AEB Quer Verba
para Programa Espacial

Marco Antônio Raupp assume cargo com
desafio de enfrentar falta de recursos para
projetos e evasão de pesquisadores

São José dos Campos
25 de março de 2011 - 08:47


Divulgação/AEB
Manter os projetos em andamento, melhorar a eficiência e conseguir mais recursos para investimento em desenvolvimento e pesquisa. Esses são os planos do novo presidente da AEB (Agência Espacial Brasileira), Marco Antônio Raupp, que assumiu o cargo na última segunda-feira.

Ex-presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) e ex-diretor do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e do Parque Tecnológico de São José dos Campos, Raupp pretende ampliar o protagonismo do Vale do Paraíba, especialmente de São José, na conquista tecnológica do espaço.

Para ele, empresas como a Embraer deveriam se envolver mais com projetos na área espacial. "São companhias integradoras que podem participar do setor, não só como fornecedores, mas desempenhando outros papéis".

Em entrevista a O VALE, Raupp falou dos planos e da meta de concluir o VLS (Veículo Lançador de Satélites) e o foguete Cyclone 4 em 2012, ano considerado pelo governo como um "divisor de águas para o programa espacial".

Quais serão suas primeiras medidas à frente da AEB?

Apoiar os projetos em desenvolvimento e não atrasar nenhum deles. A orientação do ministro é fazer uma reunião de avaliação crítica das atividades e da performance do SINDAE (Sistema Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais). Saber como operam os participantes e as dificuldades de entrosamento e de gestão. A meta é evitar burocracia e buscar um desempenho mais eficiente.

Isso exigirá mais recursos para o setor espacial?

Sem dúvida. Vamos buscar mais recursos para o setor dentro das possibilidades do governo federal, que está cortando custos [o orçamento da AEB para 2011 é de cerca de R$ 280 milhões]. Precisamos definir uma nova agenda para a AEB. Não negar o que já foi feito, mas aprimorar e criar novos compromissos.

Como conseguir mais dinheiro, então?

É uma decisão política. E não falo só de dinheiro, mas de recursos humanos, marco legal dos órgãos executores e infraestrutura. Com as avaliações que faremos dos projetos, saberemos qual a real demanda por recursos. Porém, como o governo está apertando o cinto, teremos que fazer o máximo com o mínimo.

Que medida o sr. tomará com relação ao VLS?

Defendo projetos de lançamentos intermediários, com satélites que operam em órbita baixa. Equipamentos menores e que possam ser feitos com maior rapidez. Outros órgãos concordam com essa perspectiva. Vamos promover lançamentos de produtos da família VLS para o final de 2012 e começo de 2013.

Que papel terá a região na sua gestão?

Pode esperar plena e total colaboração de todas as questões do programa espacial. Quero criar uma comissão no campo técnico da agência para atuar junto às empresas da região, antecipando problemas e trabalhando para a solução. Esse corpo técnico não precisa ser formado por funcionários da agência, mas por contrato de serviço. A região tem muita mão-de-obra para isso, como os tantos funcionários que estão se aposentando.

A experiência no Parque Tecnológico de São José será importante para a atuação na agência?

O período no Parque Tecnológico ampliou meu contato com empresas, a minha visão dessa área. Hoje, defendo um incremento da participação das empresas no setor espacial. Não só como fornecedores, mas desempenhando outros papéis importantes, como entidades integradoras em associação ao INPE e ao CTA. A Embraer, por exemplo, é uma empresa integradora, que congrega diversos fornecedores para seus produtos. Pretendo atrair a Embraer para uma participação na área espacial.

Como o sr. enfrenta as críticas ao programa espacial?

Com exemplos. Como ficaria a agricultura brasileira sem o uso de satélites para a previsão do tempo? E a preocupação ambiental? Se não fossem os satélites, como ficariam as transmissões dos meios de comunicação? As críticas vêm de uma discussão desinformada do assunto.

SAIBA MAIS

Formação

Raupp é graduado em física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, PhD em Matemática pela Universidade de Chicago e livre-docente pela Universidade de São Paulo.

Carreira

Pesquisador do Laboratório Nacional de Computação Científica e do INPE e professor da USP e da UnB.

Cargos

Diretor do INPE e do Parque Tecnológico de São José e ex-presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência).


Fonte: Site do Jornal “O VALE” - 25/03/2011

Comentário: Grande e esclarecedora entrevista do físico, pesquisador e presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Marco Antônio Raupp, demonstrando que o mesmo entra com todo gás na luta pelo programa espacial. Gás esse já demonstrado ontem, quando esteve em São José dos Campos para conversar com a Equatorial Sistemas e Orbital Engenharia, a fim de estreitar a relação da AEB com as indústrias da área espacial do País. Posteriormente embarcará (segunda-feira - 28/03) para Alemanha para participar das discussões da força tarefa do Ministério da Defesa (MD), comandada pelo Brigadeiro Ailton Pohlmann (diretor do DCTA) com o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) sobre os projetos em andamento entre as duas instituições. Avante Raupp, a comunidade espacial acredita muito no trabalho que você pode realizar a frente de nossa ainda desorientada agencia espacial. Entretanto, continuo achando que infelizmente nada de significativo será realizado no reino da ACS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022