Família Identificada

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada hoje (30/03) no site da “Agência FAPESP” destacando que o físico e astrônomo Valério Carruba, professor da Faculdade de Engenharia (FEG) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), identificou os 92 corpos celestes que compõem a família de asteróides Tina.

Duda Falcão

Especiais

Família Identificada

30/03/2011

Astrônomo da Unesp calcula
idade e identifica 92 asteroides
da família Tina. Trabalho foi
publicado no periódico Monthly
Notices of the Royal Astronomical
Society (Wikimedia)
Agência FAPESP – O físico e astrônomo Valério Carruba, professor da Faculdade de Engenharia (FEG) da Universidade Estadual Paulista (UNESP) em Guaratinguetá, identificou os 92 corpos celestes que compõem a família de asteróides Tina.

O trabalho foi realizado em parceria com o italiano Alessandro Morbidelli, do Observatório de Côte d'Azur, em Nice, na França. Por meio de simulações, os cientistas obtiveram uma estimativa de idade de 170 milhões de anos para esse grupo de corpos celestes. O estudo foi publicado no periódico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Nascido na Itália, Carruba conduz o projeto de pesquisa Dynamics and origin of asteroid families, apoiado pela FAPESP por meio do Programa Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes e fez o pós-doutorado com Bolsa da Fundação.

Família de asteróides é um grupo de corpos que dividem uma origem comum na explosão de seus progenitores. O conjunto recebe o nome do asteróide com identificação numérica menor, nesse caso, o 1222 Tina, descoberto em 1932 pelo astrônomo belga Eugène Delporte (1882-1955).

A família de Tina está localizada em um ponto do Sistema Solar chamado cintura principal ou cinturão de asteróides. Esse é o nome dado ao espaço compreendido entre as órbitas dos planetas Marte e Júpiter, e é chamado assim porque nessa “faixa” há uma grande concentração desses corpos celestes.

Em 1987, cientistas europeus observaram que o asteróide 1222 Tina orbitava em uma ilha de estabilidade. O trabalho de Carruba não apenas identificou os 92 membros da família e descreveu as características de suas órbitas, como ainda indicou a existência de outros 18 asteróides orbitando nessa mesma ilha.

“Essa é uma nova família de asteróides e a única do Sistema Solar a operar em uma ilha de estabilidade em uma ressonância secular linear”, disse Carruba ao portal da UNESP.

Ressonância secular linear ocorre quando um corpo e um outro de massa maior sincronizam a precessão (eixo de rotação) do pericentro, que é o ponto mais próximo do sol da órbita.

Esse fenômeno físico pode alterar a inclinação do corpo menor e aumentar sua excentricidade, que é a medida da parte mais estreita da órbita elíptica. Quanto maior a excentricidade, mais instável é a trajetória. Perturbações desse tipo podem levar um asteróide a invadir a órbita de um planeta e se chocar com ele.

A ressonância circular linear v6, onde está a família de Tina, é uma das mais desestabilizadoras do Sistema Solar. Ela lança corpos celestes em direção à órbita de Marte. Carruba explica que essa foi à causa da extinção de um grande número dos asteróides que havia na cintura principal quando ela se formou.

“A estabilidade de Tina permitiu que ela se mantivesse como um grupo de asteróides sobreviventes e em razoável segurança”, disse Carruba.

O artigo On the first v6 anti-aligned librating asteroid family of Tina (doi: 10.1111/j.1365-2966.2010.18083.x), de Carruba e Morbidelli, pode ser lido por assinantes da Monthly Notices of the Royal Astronomical Society em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2966.2010.18083.x/abstract


Fonte: Site da Agência FAPESP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial