Anexo do Hospício

Olá leitor!

Pois então, dando sequência com os seus ‘causos’ postados em seu novo "Blog Memórias de Um Pesquisador", o Dr. Waldemar Castro Leite Filho recentemente postou outro interessantíssimo artigo que é mais um exemplo dos absurdos que ocorrem no setor público brasileiro. Conheça um pouco mais sobre essa ‘joça’ chamada BRASIL. 

Duda Falcão

Anexo do Hospício

Por Waldemar Castro Leite Filho
31 de Julho de 2020

Um fato me chamou a atenção já nas primeiras semanas como profissional.  O Campo de Provas da Marambaia tinha um local próprio para almoço – por sinal muito bom.  Eu estava na fila do bandejão e estava à minha frente o Tenente Sena (* nome fictício).  Percebi que o Ten. Sena teve o trabalho de colocar a concha de feijão no rechaud  e coar todo o caldo do feijão e ficar só com os caroços na concha.  Fiquei pensando que ele devia gostar só dos caroços.  Então, ele colocou novamente a concha no recipiente e, dessa vez, pegou apenas o caldo não permitindo a entrada de nenhum caroço.

Não me contive diante daquela cena bizarra e perguntei: porque você está fazendo isso ? Porque está pegando somente caroços e depois somente caldo e misturando tudo novamente.  Ele respondeu:  “É porque gosto de saber exatamente a quantidade de caldo e de caroços que como”.

Imediatamente, me veio à mente: esse homem não é normal.  Isso se confirmou posteriormente quando eu soube que ele havia dado carona a um funcionário e quando o carona o avisou que ele estava tomando o rumo errado, ele parou no meio de um grande cruzamento, tirou as mãos do volante e pôs na cabeça gritando: “pare de falar, assim não consigo pensar”.  Ou seja, o sujeito era doido mesmo.

Isso seria apenas um episódio pitoresco se não fosse recorrente.  Não consigo enumerar a quantidade de gente doida que encontrei ao longo da minha carreira profissional.  Alguém que começa a comer apenas alho e depois de uma semana ninguém podia mais trabalhar perto dele devido ao cheiro insuportável.  Alguém que, quando foi cobrado por não entregar o equipamento na data prevista, jogou o equipamento dentro de um lago.  Pessoa que, quando foi proibida de entrar em um prédio, colocou um enorme torno na porta para que ninguém pudesse entrar ou sair.  O motivo da proibição é que achavam que ele era doido, então tiveram certeza.

O caso mais gritante foi o do Alan Delon (* nome fictício).  Os colegas o chamavam de Alan Deloko.  Sem aviso prévio ou motivo conhecido, ele entrava em surto psicótico e era internado no hospício.  Os dirigentes do instituto solicitaram, mais de uma vez, a aposentadoria do Alan por incapacidade ao trabalho.  Entretanto, o setor de Saúde Mental do governo não aceitava e indicava que ele deveria retornar ao trabalho pois faria bem pra ele.  Na verdade, estavam considerando um instituto de pesquisa e desenvolvimento como o anexo do hospício. 

Porque o serviço público tem esse comportamento?  Não se importa em manter um ambiente de trabalho sadio?  Será que é porque não há cobrança de resultados?  Será que não se percebe o quanto desmoraliza e desanima trabalhar em um ambiente onde gente sem noção interfere e atrapalha?

Perto de me aposentar, um colega da alta gerência do DCTA, indignado com situações semelhantes, mencionou um antigo adágio: se cobrir vira circo, se murar vira hospício.  Eu repliquei: quem disse que precisar murar ?

Comentários

  1. Os loucos que criaram todas as coisa que os intelectuais usam .... existe um força no mundo que ainda não é usada e só um louco que vai dispertar para o uso ....aguarde ....

    ResponderExcluir

Postar um comentário