Projeto Estava Certo, Diz Engenheira do VLS Destruído

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (22/08) no “Portal TERRA” destacando que segundo engenheira do VLS o projeto estava certo.

Duda Falcão

ESPAÇO

Projeto Estava Certo, Diz Engenheira
de Foguete Brasileiro Destruído

Para Raquel Cristina Freitas, o acidente que matou 21 técnicos
e engenheiros no Maranhão há exatos 10 anos foi uma fatalidade

GHX Comunicação
22 de Agosto de 2013 - 09h26
Atualizado às 10h03

A engenheira química Raquel Cristina Freitas ingressou no Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) sob os auspícios da Missão Espacial Completa Brasileira, no início da década de 1980. Entre os objetivos do programa, estava a construção de um veículo lançador de satélites. Com formação em propelentes sólidos, ela seria uma peça essencial no desenvolvimento dos foguetes. Mas, trinta anos depois, Raquel ainda não viu seu “filho”, como chama carinhosamente o VLS-1, cumprir sua missão.

Essa jornada teve um capítulo trágico há exatos 10 anos, em 22 de agosto de 2003. Em três dias, Raquel receberia, em seu aniversário, o maior presente que poderia pedir: a decolagem do VLS-1, o terceiro protótipo, que ajudara a conceber. Mesmo assim, ela não se sentia bem. “Tinha algo errado”, lembra.

No horário do almoço, ao voltar para casa, em São José dos Campos (SP), Raquel telefonou para o seu então marido, Renato Madeira Branco, também pesquisador sênior, hoje chefe da Usina Coronel Abner – uma subdivisão de fabricação de propelentes da Divisão de Química do IAE. Ele estava no Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, esperando um chamado para ir até a plataforma do VLS-1.

Após poucos minutos de diálogo, a conversa foi interrompida por um barulho. “Se eu não soubesse que o lançamento seria só três dias depois, pensaria que era a queima do motor”, conta Raquel. Ele largou o telefone para ver o que acontecia. Naquele momento, encontrava-se em um prédio em frente à torre de lançamentos, a 500 metros de distância. Para observar o que era aquele barulho todo, abriu uma porta. A verdade estava lá, pavorosa. Era mesmo a queima do motor. Um grande sonho consumido pelo fogo. Segundos depois, voltou ao telefone. Gritando.

“Quem ficou perdeu o chão. Quem estava lá...
Foi um baque. Afetou todo mundo.”

Raquel Cristina Freitas
engenheira química

Raquel conta que o marido, desesperado, queria sair do prédio e socorrer os colegas. Mas era impossível. “Fecha a porta e espera”, apelou, com medo. Inalar aquela fumaça tóxica poderia lhe ser fatal, como foi para 21 técnicos e engenheiros que dedicaram seus últimos instantes ao projeto de autonomia espacial ainda hoje perseguido pelo Brasil.

Assim, o desenvolvimento do lançador, que já enfrentava tantos obstáculos – como a verba irregular e a dificuldade de obter componentes estrangeiros – encontrou mais um: a depressão. Equipes de psicólogos e psiquiatras foram mobilizadas. “Quem ficou perdeu o chão. Quem estava lá...”, lamenta Raquel. “Foi um baque. Afetou todo mundo. Tivemos dois anos de acompanhamento psicológico. Meu marido entrou em depressão. Ficava deitado olhando para o teto.”

Como ele, muitos pesquisadores tiveram dificuldade de retomar o trabalho. Ainda era preciso avaliar todos os detalhes técnicos do acidente, definir o que dera errado e reformular os processos para que as próximas tentativas fossem bem-sucedidas. Para isso, uma reestruturação completa na equipe foi necessária.

"Foi uma fatalidade. Não teve um erro responsável pelo problema.
É uma área em que sempre há a possibilidade de um acidente"

Raquel Cristina Freitas

Até hoje, porém, ninguém sabe explicar por que houve um acendimento intempestivo de um dos motores. “O projeto estava correto”, diz Raquel. “Foi uma fatalidade. Não teve um erro responsável pelo problema. É uma área em que sempre há a possibilidade de um acidente, como também houve nos programas russo e americano.”

Em 2011, ela se aposentou sem ver novas tentativas de lançamento. Manteve-se, mesmo assim, “à disposição” do IAE. “Acredito e tenho total confiança no Programa Espacial Brasileiro”, afirma Raquel. “Mas o lançador é um caso de soberania. Por enquanto, estamos nas mãos dos outros. A sensação é frustrante. A Índia (que já tem seu lançador) começou junto com a gente. A diferença é que lá, por exemplo, tinha em torno de 1,3 mil pesquisadores em 2004, e aqui, o IAE tinha em torno de 500”, conclui.


Fonte: Portal Terra - 22/08/2013 - http://noticias.terra.com.br/ 

Comentários

  1. Ótima reportagem, e bem esclarecedora. Essa sim foi a fonte e entrevistou pessoas ligadas ao programa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial