Brasil Planeja Lançar Foguetes ao Espaço Nos Próximos Anos

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (22/08) no “Portal TERRA” dando destaque ao cronograma para os próximos lançamentos de veículos brasileiros de Alcântara.

Duda Falcão

ESPAÇO

Brasil Planeja Lançar Foguetes ao Espaço
Nos Próximos Anos; Veja Cronograma

GHX Comunicação
22 de Agosto de 2013 - 11h45
Atualizado às 11h50

Foto: Agência Espacial Brasileira / Divulgação
O VLS-1 na torre durante a Operação Salina,
que marcou o o reinício das atividades relacionadas
ao veículo lançador de satélites nacional.
Desde o acidente de Alcântara (MA), que em 22 de agosto de 2003 causou a morte de 21 pessoas, nenhuma outra tentativa de lançamento com o VLS-1 (Veículo Lançador de Satélites) foi realizada no Brasil. No entanto, os dois centros de lançamento nacionais (o segundo fica em Barreira do Inferno, em Natal) têm sido constantemente exercitados com o lançamento de missões suborbitais e foguetes de treinamento. Com o objetivo de obter autonomia em lançadores de satélites, a Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) estão trabalhando em conjunto para lançar o VLS-1 com uma carga útil real nos próximos anos.

A Operação Salina marcou o reinício das atividades relacionadas ao VLS-1 em 2012. O objetivo da operação foi realizar o transporte, a preparação e integração mecânica da estrutura inerte do VLS-1 – a estrutura real do veículo, porém sem combustível a bordo. A próxima missão, denominada MIR, fará a verificação elétrica completa do veículo em abril do ano que vem. Outras missões semelhantes estão programadas antes do lançamento do veículo completo. Está programado para meados de 2014 o voo tecnológico do chamado VSISNAV, que está em fase de montagem e vai ser constituído por parte do VLS-1, o primeiro e o segundo estágios ativos.

Cronograma previsto para lançamento do VLS-1:

Abril de 2014

Operação Santa Bárbara

Na base de Alcântara, campanha de testes de componentes e redes elétricas, incluindo os sistemas de controle, telemetria, telecomando e apoios de solo. Será feita a simulação completa da sequência de lançamento e todos os meios serão avaliados.

Entre julho e agosto de 2014

Voo tecnológico XVT-01

Veículo também chamado VSISNAV, tem apenas os dois primeiros estágios ativos. Esse veículo está em fase de ensaios de qualificação dinâmica dos componentes, módulos e pirotécnicos. Os motores já estão sendo carregados e preparados, e os demais sistemas, montados.

É um protótipo do VLS-1, que será lançado com objetivo de qualificar em voo: o sistema de separação entre os motores do primeiro e segundo estágios; as novas redes de comando, controle, telemetria e pirotécnica; o sistema de navegação inercial – SISNAV; a estabilidade de queima e acendimento, sob aceleração, do motor S43 do segundo estágio; e ainda, realizar medições diversas das condições de voo e de vibração do veículo, avaliar os meios de solo do CLA e aferir as estações de monitoramento remoto. Para executar essa missão, somente os propulsores da parte baixa desse veículo serão ativos.

Até 2016 (sem recursos garantidos)

Voo tecnológico XVT-02

Será um veículo completo, que executará um voo tecnológico, com todas suas funcionalidades e com todos os estágios ativos. Serão qualificados: a nova arquitetura da rede elétrica em malha fechada, com computador de bordo nacional; sistema de separação e queima dos motores do terceiro e quarto estágios; a atuação do sistema de rolamento e estabilização e inserção em órbita de uma carga tecnológica. O SISNAV, sistema inercial autônomo desenvolvido no IAE e avaliado no voo do VSISNAV, será a plataforma de navegação principal do veículo.

2017 (sem recursos garantidos)

VLS-1 V04

O V04 será o protótipo do VLS-1 em sua versão final, visando à qualificação de tipo do veículo. Todos os sistemas serão baseados na configuração derivada do XVT-02. O objetivo macro do V04 é o de cumprir voo completo, colocando um satélite brasileiro em órbita equatorial terrestre.

* Com informações obtidas em entrevista com o tenente-coronel Alberto Walter da Silva Mello Junior, atual gerente do VLS-1, e com o presidente da Agência Espacial Brasileira, José Raimundo Braga Coelho.

Outros Projetos

O VLS-1 não é o único projeto de lançador em desenvolvimento no Brasil. No Programa de Atividades Espaciais, o Veículo de Lançamento de Microssatélites (VLM) aparece com previsão de qualificação em 2015. Em sua primeira versão, o foguete de três estágios a propelente sólido teria capacidade de lançar cargas de 150 quilos em órbita baixa. Há ainda o VLS-ALFA, para satélites de até 500kg, previsto para 2018, e o VLS-BETA, para satélites de até 800 quilos, previsto para 2020. É importante lembrar que essas datas constam de um cronograma sujeito a limitações orçamentárias, como a do VLS-1.

Também em desenvolvimento, o Cyclone-4 é um foguete ucraniano que tem previsão de ser lançado em 2014 da base de Alcântara, em uma parceria binacional. O Brasil oferece o Centro de Lançamentos, e a Ucrânia, o foguete - sem transferência de tecnologia.


Fonte: Portal Terra - 22/08/2013 - http://noticias.terra.com.br/

Comentário: Bom leitor, antes de analisar essa notícia, eu gostaria de parabenizar o Portal Terra e a GHX comunicação pela realização dessa série de reportagens que em muito contribuirão na ajuda ao esclarecimento da Sociedade Brasileira quanto ao acidente de 2003, e também sobre os novos passos do programa. Dito isso, vamos deixar claro que esse cronograma foi apresentado pelo o IAE e não exatamente pelo Governo, apesar de ter sido confirmado pelo presidente da AEB que não manda em nada, e é só, como o IAE, apenas um gestor/executor de ações que depende da liberação de recursos pelo MPOG e pela Presidência da Republica. Note que na matéria acima aparentemente tanto a “Operação Santa Bárbara”, prevista para abril do ano que vem, quanto o voo do VLS-1 VSISNAV/XVT-01, previsto para julho/agosto de 2014, parecem não enfrentar mais problemas com recursos financeiros. Entretanto, minha vozinha de sabedoria simplória e interiorana costumava dizer que dinheiro seguro é dinheiro na mão, o que me faz lembrar que quando entrevistei no semestre passado o Dr. Luis Eduardo Loures da Costa, gerente dos projetos SARA e VLM-1 no IAE, ele me disse que: “O voo do Sara Suborbital 1 não está ameaçado. Ele teve a dotação orçamentária possível e suficiente para o lançamento ocorrer em 2013”. Ora leitor, isso vem demonstrar que no PEB nada, nada, nada mesmo é garantido antes de ser realizado, e a verdade é que nos últimos anos muito pouco foi realizado de concreto. Quanto ao resto, por enquanto, está tudo no campo da ficção científica, com exceção talvez do VLM-1, por ter o envolvimento dos alemães no projeto.

Comentários

  1. Provavelmente o voo do VLS-1 será uma das maiores homenagens que poderá ser feita a esses 21 tecnicos.

    Espero que todos os familiares possam ter a oportunidade de assistir um lançamento em breve.

    ResponderExcluir
  2. Esses títulos vagos contendo palavras como "nos próximos anos" são sempre uma agonia. "Próximos anos", para mim, são um periodo que vai de 1 até 9 anos, senão teriam que falar "nas próximas décadas". Mas o Brasil tem um incrível talento de fazer o que se julga impossível, tranformando várias vezes os "anos" em "décadas". Pela a experiencia tirada com o nosso PEB o bêbe poderá, "nos próximos anos", sofrer de reumatismo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022