FINEP Convida Gestores Para FIP do Setor de Aerodefesa

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (06/09) no site da “Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP)” destacando que esta instituição em parceria com a Desenvolve SP, a BNDESPAR e a EMBRAER convidam gestores para FIP do Setor Aeroespacial e Defesa.

Duda Falcão

FINEP Convida Gestores Para
FIP do Setor de Aerodefesa

06/09/2013


FINEP, em parceria com a Desenvolve SP, a BNDESPAR e a Embraer, acaba de lançar uma chamada convidando gestores a apresentarem propostas de gestão para um Fundo de Investimento em Participação cujo foco serão os setores aeronáutico, aeroespacial, defesa, segurança e integração de sistemas.

Para fins da elaboração de suas propostas, os candidatos deverão levar em consideração o Patrimônio de Referência de R$ 130 milhões, mas o fundo poderá atingir um patrimônio comprometido maior. A gestora selecionada será responsável por captar recursos junto a outros investidores.

O patrimônio de referência é composto por até R$ 10 milhões da Desenvolve SP e até R$ 40 milhões de cada uma das outras três – FINEP, BNDESPAR e Embraer.

O capital efetivamente investido deverá ser destinado a empresas inovadoras com faturamento bruto de até R$ 200 milhões/ano. O perfil da carteira esperado será o seguinte: de três a quatro empresas com faturamento de até R$ 3,6 milhões, no ano imediatamente anterior ao do investimento, e quatro a seis empresas com faturamento entre R$ 3,6 milhões e R$ 200 milhões.

O fundo poderá investir em todo o território nacional. No mínimo 15% do patrimônio comprometido deverá ser destinado a empresas instaladas no Estado de São Paulo.

A duração do fundo será de oito anos, prorrogáveis por mais dois. Os investimentos deverão ser feitos nos quatro primeiros anos, podendo ser prorrogados por mais um ano.

As propostas poderão ser encaminhadas até 4 de outubro.


Fonte: Site da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial