Defesa Receb. R$ 2,9 Bi em Programa de Apoio a Inovação

Olá leitor!

Trago para você leitor uma nota, essa publicada ontem (17/05) no site do “Ministério da Defesa (MD)” que explica melhor os objetivos do tal do Edital Inova Aerodefesa lançado ontem pelo governo em São José dos Campos (SP).

Duda Falcão

Notícias do MD

Setor de Defesa Receberá R$ 2,9 Bi em
Programa de Apoio a Inovação

Assessoria de Comunicação Social (ASCOM)
Ministério da Defesa
61 3312-4070
17/05/2013

São José dos Campos, 17/05/2013 – Uma nova modalidade de financiamento, com recursos provenientes de empresas públicas federais, vai beneficiar o setor de defesa e aeroespacial com um orçamento de R$ 2,9 bilhões para o desenvolvimento de iniciativas voltadas à inovação.

Foto: Tereza Sobreira
O pacote, intitulado Inova Aerodefesa, faz parte do programa Inova Empresa, plano de investimento do Governo Federal que prevê a articulação de diferentes ministérios e o apoio financeiro por meio de crédito, subvenção econômica, investimento e o financiamento a instituições de pesquisa.

Os recursos são oriundos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

O marco inicial do Inova Aerodefesa foi lançado nesta sexta-feira, com a assinatura do protocolo de intenções entre os ministérios da Defesa, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e do MCTI. O documento tem vigência de cinco anos, podendo ser prorrogado por igual período. No entanto, os R$ 2,9 bilhões a serem liberados referem-se apenas aos anos de 2013 a 2017.

O programa prevê apoio a empresas brasileiras e instituições científicas tecnológicas no ciclo produtivo de diversos equipamentos, desde as fases de pesquisa e desenvolvimento até a industrialização. Serão contemplados quatro setores: aeroespacial, de defesa, de segurança e de materiais especiais. Cada uma dessas áreas corresponde ao desenvolvimento de produtos específicos.

A parte aeroespacial inclui tecnologias para foguetes de sondagem e veículos lançadores de satélites, plataformas espaciais e produtos da indústria aeronáutica. A de defesa contempla sensoriamento remoto, sistemas de comando e controle e inovação tecnológica em projetos e programas prioritários. Na área de segurança, os produtos referem-se a sistemas de identificação biométrica e de informações, além de armas não letais. O último setor, o de materiais especiais, reúne fibras de carbono e ligas metálicas, resinas e propelentes sólidos, tubos e demais equipamentos.


No evento, que aconteceu no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), esteve presente o secretário-geral do Ministério da Defesa (MD), Ari Matos Cardoso. Para ele, a ocasião representa “um marco para o conjunto de políticas públicas voltadas para a tecnologia e inovação”. O secretário lembrou também que, dentro da linha de ação para estimular as empresas nacionais do setor, o MD já conta com o Plano de Articulação e Equipamentos de Defesa (PAED), que norteia a execução de projetos inovadores e de fomento.

Inova Empresa

Lançado em março deste ano, o Inova Empresa irá destinar R$ 32 bilhões para as empresas em diversos setores, visando torná-las mais produtivas e competitivas. Dentro da iniciativa já estão em funcionamento os Inova Petro, Energia e Saúde. Na próxima semana, está prevista a apresentação do Inova Agro, completando todos os segmentos estratégicos no Plano Brasil Maior.

O AeroDefesa tem como objetivo fomentar atividades de pesquisa, desenvolvimento, engenharia e/ou absorção tecnológica, produção e comercialização de produtos, processos e serviços inovadores em suas áreas de interesse.

Participaram do evento o diretor do BNDES, João Carlos Ferraz; o presidente da FINEP, Glauco Arbix; o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho; e a secretária de Desenvolvimento da Produção do MDIC, Heloisa Menezes, que assinou o protocolo de intenções pelo órgão.


Fonte: Site do Ministério da Defesa (MD)

Comentário: Veja bem leitor, eu trouxe para o blog essa nota do Ministério da Defesa não só para explicar melhor os objetivos do Edital Inova Aerodefesa, mas também para estimular entre os nossos leitores o debate sobre o mesmo, já que um comentário de um leitor anônimo postado em uma das notas aqui no blog sobre esse edital (veja aqui) me chamou a atenção. Segundo ele esse edital é de fachada, já que foi o meio que o Governo encontrou para passar dinheiro público para poucas empresas de São José dos Campos, excluindo empresas pequenas de participarem ha não ser associadas. Em outras palavras, empresas como a EMBRAER, AVIBRÁS, MECTRON entre outras, seria beneficiadas e empresas como AIRVANTIS, ACRUX, ARION, AXIS, Edge Of Space, e INOTECH ficariam de fora, há não ser que se associem com uma grande empresa do setor. Entretanto á sabido que a tal inovação, objeto que intitula o próprio Edital, ocorre muito mais facilmente em pequenas empresas de alta tecnologia do que em empresas grandes. Mas enfim, fica aberto o debate.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Ouviu o Barulho no Céu? Entenda o Fenômeno Que Assustou os Brasileiros no Último Final de Semana

Operação CRUZEIRO: Primeiro Ensaio em Voo de um Motor Aeronáutico Hipersônico Brasileiro