A MECTRON e a Missão VLS-1 VSISNAV

Olá leitor!

Finalizando a série de artigos apresentados no blog sobre os projetos espaciais do governo contratados junto à empresa brasileira MECTRON, empresa essa integrante da Organização Odebrecht, trago agora para você leitor as atividades dessa empresa ligada a Missão VLS-1 VSISNAV.

O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), através do seu Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) contratou a MECTRON para o desenvolvimento e fabricação das redes elétricas (equipamentos eletrônicos de bordo) do VLS-1 VSISNAV (Veículo Lançador do SISNAV – Sistema de Navegação do VLS-1), que anteriormente era nomeado de VLS-1 XVT-01.

Vale dizer que o VSISNAV é uma versão do VLS-1 que será utilizado para ensaios em voo do SISNAV (Sistema de Navegação), sistema esse originário do Projeto SIA (Sistemas de Navegação Inercial para Aplicação Aeroespacial), sendo na realidade uma 'plataforma inercial' que utiliza girômetros ópticos e acelerômetros desenvolvidos pela equipe do Laboratório de Identificação, Navegação, Controle & Simulação (LINCS) do IAE, coordenado pelo valoroso Dr. Waldemar Castro Leite.

Leitor, plataformas inerciais são um dos componentes mais importantes dos veículos lançadores de satélites, de plataformas orbitais e de mísseis. É esse sistema que permite o controle da trajetória do veículo sem o auxílio de qualquer sinal externo, o que torna o conhecimento de como fazê-lo extremamente estratégico para qualquer país do mundo.

Participação da MECTRON na Missão VLS-1 VSISNAV

Como o leitor mesmo pode notar na imagem acima a MECTRON nessa missão ficou responsável pelo desenvolvimento, fabricação e testes das redes elétricas do VSISNAV, ou seja, todos os computadores e equipamentos eletroeletrônicos de bordo que compreendem as seguintes redes:

* Controle;
* Serviço;
* Segurança; e
* Telemetria.

Além disso, a MECTRON ficou responsável pelo equipamento APDT (Aquisição e Processamento de Dados de Telemetria) e pelo Banco de Controle do Veículo, além de ter sido contratada também para prestar serviços de apoio à campanha de lançamento do foguete e análise pós-voo.

Vale lembrar leitor que a entrada da MECTRON no seleto e sofisticado ramo de equipamentos espaciais ocorreu em 1992, quando então a empresa foi contratada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), para realizar o desenvolvimento dos Módulos de Eletrônica de Tratamento de Dados e das Fontes Chaveadas do Satélite de Coleta de Dados 3 (SCD-3), da antiga e saudosa Missão Espacial Completa Brasileira (MECB). Satélite esse que infelizmente não saiu do papel, tornando-se assim, mais uma das frustrações do PEB (leitor, a lista é longa e diversificada, e um dia quando tiver disposto, postarei aqui no blog).

No entanto, vale dizer que este desenvolvimento, que durou aproximadamente 'um ano e meio', foi muito importante para capacitar a empresa nos procedimentos de montagens eletrônicas e mecânicas de sistemas de alta confiabilidade, com requisito espacial.

Duda Falcão


Fonte: Com informações do site da MECTRON

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes