CLA e Quilombolas

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada dia (18/04) na coluna “Estado Maior” do jornal “O Estado do Maranhão”, destacando o imbróglio do governo com os Quilombolas na questão do CLA.

Duda Falcão

ESTADO MAIOR

CLA e Quilombolas

18/04/2011

Deu na coluna Holofote, da Revista Veja, sob o título “Foguetes e quilombolas”:

O governo está prestes a fechar um pacote de compensações para os quilombolas que impedem a expansão do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão. Para ampliar a área da base de foguetes até o mar, o governo construirá casas, escolas e hospitais para os moradores do local. Também aceitou criar corredores entre a base e o litoral, através dos quais os quilombolas poderão se deslocar até a praia, onde pescam. A concessão incomoda o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que alega que os tais corredores comprometem a segurança das operações.

Apesar de alguns exageros – como a de anunciar a construção de “hospitais” para os “moradores do local”, a nota confirma informações que O Estado já divulgou inúmeras vezes. Seu conteúdo desmente, de maneira cabal, o discurso de alguns “defensores” dos quilombolas – como o deputado federal Domingos Dutra (PT), por exemplo -, que insistem em afirmar que o Centro de Lançamento de Alcântara é o desenho do inferno e que os descendentes de escravos estão sendo maltratados.

A verdade é que depois de muitas marchas e contra-marchas, propostas e contra-propostas, visitas de ministros, vários relatórios sobre a situação e muitas rodadas de negociações - quase todas dificultadas pela interferência, às vezes danosas, dos tais “defensores”, o Governo Federal finalmente encontrou o caminho para remover de vez os obstáculos à expansão – necessária e imediata – da área do Centro de Lançamento.

E com certeza as supostas restrições do ministro Nelson Jobim à criação dos tais corredores para acesso dos quilombolas ao mar não dificultarão a solução final do problema.

O CLA vai mesmo ocupar seu lugar no cenário internacional da corrida ao cosmos.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág 03 - 18/04/2011

Comentário: Temos analisar o que disse do colunista do jornal “O Estado do Maranhão” em partes. Em primeiro lugar não é uma questão de se estar maltratando os Quilombolas e sim de não se ter cumprido o que foi prometido a essas comunidades desde a implantação do centro. Portanto a reivindicação dessa gente é para que o Governo cumpra o que foi prometido, e não é por acaso que existe a desconfiança das comunidades, pois vale lembrar que o CLA começou a ser implantado no início dos anos 80. Além disso, não acredito que o deputado Domingos Dutra tenha dito que o CLA é o “Desenho do Inferno”, mas se assim foi, o mesmo disse uma tremenda de uma besteira perdendo a oportunidade de ficar calado. Quanto às supostas restrições do ministro Nelson Jobim, se elas existem e eu acredito que existam, tem uma boa razão para isso. Se não vejamos: Imagine se seu vizinho tivesse que diariamente passar por dentro de sua sala de estar para chegar a casa dele que fica no fundo de sua casa, estaria ou não você e sua família perdendo a privacidade e aumentando o risco de ser assaltado? É o mesmo caso da área do CLA cortada por corredores de acesso ao mar. Com esses corredores além de permitir o acesso físico em uma área de segurança nacional a qualquer pessoa que poderia ser recrutada para fazer macacada por dinheiro, da mesma forma pode permitir a entrada de equipes militares estrangeiras preparadas para indeferirem nas atividades espaciais brasileiras. Isso não é ficção científica é uma real possibilidade e o ministro Nelson Jobim está coberto de razão. Portanto, nesta questão, da mesma forma que possa ter ocorrido com o deputado Domingos Dutra, o colunista do “O Estado” perdeu sua oportunidade de ficar calado. Aproveito para agradecer ao leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio dessa coluna.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes