Embraer e Telebrás se Unem no Programa do Satélite SGB

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/05) no site “www.defesanet.com.br“, dando destaque a assinatura pela EMBRAER e pela TELEBRÁS do acordo de acionistas para constituição da “Visiona Tecnologia Espacial S.A”, visando atender o Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE).

Duda Falcão

COBERTURA ESPECIAL – ESPECIAL ESPAÇO - TECNOLOGIA

Embraer e Telebrás se Unem
em Programa de Satélite Brasileiro

Defesanet
29 de Maio, 2012 - 15:56 ( Brasília )

A EMBRAER S.A. e a Telecomunicações Brasileiras S.A. (TELEBRÁS) assinaram hoje o acordo de acionistas para constituição da Visiona Tecnologia Espacial S.A., empresa cujo capital social será 51% da EMBRAER e 49% da TELEBRÁS. A Visiona participará do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), conforme Memorando de Entendimento anunciado em novembro de 2011.

O objetivo inicial da empresa é atuar no Satélite Geoestacionário Brasileiro, que visa atender às necessidades de comunicação satelital do Governo Federal, incluindo o Programa Nacional de Banda Larga e um amplo espectro de transmissões estratégicas de defesa.

A Visiona terá sede no Parque Tecnológico de São José dos Campos, São Paulo, onde também assumirá o papel de líder do Centro de Desenvolvimento de Tecnologias Espaciais, atuando em parceria com as mais relevantes entidades de ensino e pesquisa aeroespacial do País e acelerando a capacitação do setor espacial brasileiro.

“Este projeto representa um passo histórico para o avanço da prontidão tecnológica e industrial do setor espacial no Brasil, e a EMBRAER tem satisfação e orgulho de ser a parceira estratégica da TELEBRÁS e do Estado Brasileiro nesse importante desenvolvimento para nossa nação”, disse Frederico Curado, Diretor-Presidente da EMBRAER.

Para o presidente da TELEBRÁS, Caio Bonilha, “o satélite brasileiro permitirá a ampliação do acesso à internet a milhões de lares brasileiros. Além disso, a posse e a operação de um satélite através do Brasil propiciará não somente a segurança necessária às transmissões de informações das redes estratégicas do Governo Federal, mas também a autonomia do processo de desenvolvimento tecnológico aeroespacial”.



Comentário: Concordo que esse é realmente um momento histórico para o Programa Espacial Brasileiro e que agora as coisas poderão ficar mais fáceis. Entretanto, não podemos esquecer que para que essa empresa possa se desenvolver e se solidificar no mercado, desenvolvendo produtos e tecnologias espaciais, será necessário que o governo mude de atitude, se não, não mudará nada, pois o programa é governamental e necessita de recursos adequados e de demanda (projetos), caso contrario tanto faz quem realizará esses projetos, pois levará décadas para algo ficar pronto ou não. Veja o caso desse satélite SGB que falam tanto e que é o primeiro projeto dessa empresa. Quem em sã consciência acredita que esse satélite ficará pronto para ser lançado até dezembro de 2014 como o governo vem anunciando? É claro que pura propaganda política, e para uma empresa que está chegando agora nesse mercado, está diretamente ligada a uma propaganda com essa, certamente não é um bom começo para sua credibilidade perante a opinião publica.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial