Projeto REDD-PAC é Lançado no INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (24/05) no site do “Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)” destacando que o INPE promoveu o lançamento do projeto Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD-PAC)”.

Duda Falcão

Projeto REDD-PAC é Lançado no INPE

Quinta-feira, 24 de Maio de 2012
Site do IPAM

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) promoveu o lançamento do projeto REDD-PAC (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal), uma parceria internacional com IIASA (Instituto Internacional para Análises de Sistemas Aplicados, Áustria), COMIFAC (Comissão de Florestas da África Central), UNEP-WCMC (Programa das Nações Unidas para Ambiente - Centro Mundial de Monitoramento da Conservação) e IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

O projeto, que tem o apoio do escritório internacional do Global Land Project (GLP), sediado no INPE, foi lançado durante workshop realizado de 22 a 24 de maio.

O REDD-PAC visa o desenvolvimento de know-how técnico e capacidade na concepção eficiente, eficaz e ambientalmente relevante de estratégias de REDD+ (veja abaixo). Além disso, o projeto funcionará como um fórum global para compartilhar e melhorar os dados globais sobre as florestas e as forçantes do desmatamento, e desenvolver metodologias de referência para modelagem de REDD+, bem como de ordenamento do território.

O projeto irá se beneficiar da experiência já existente nas organizações parceiras. O IIASA contribuirá com sua capacidade de modelagem global. INPE e COMIFAC irão contribuir fornecendo dados de alta resolução sobre o Brasil e países da Bacia do Congo, respectivamente. O INPE também contribuirá com resultados espaciais complementares, a partir de seus modelos de alta resolução de desmatamento. O WCMC oferecerá sua experiência na área de indicadores de biodiversidade.

A parte de modelagem do projeto incidirá sobre as florestas tropicais da África Central e do Brasil. A análise será desenvolvida em três fases: descrição espacial das forçantes de desmatamento, recursos florestais, os estoques de carbono, biodiversidade e áreas prioritárias para a conservação das áreas em estudo; descrição quantitativa de um conjunto de REDD+ e cenários de biodiversidade; avaliação dos impactos de cada cenário sobre a economia, usos da terra, reduções de emissão e outros indicadores ambientais.

O site do workshop está disponível em: http://www.inpe.br/redd/index.php

Saiba Mais Sobre REDD

O conceito de REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) parte da ideia de incluir na contabilidade das emissões de gases de efeito estufa aquelas que são evitadas pela redução do desmatamento e a degradação florestal. Segundo este conceito, os países em desenvolvimento detentores de florestas tropicais, que conseguissem promover reduções das suas emissões nacionais oriundas de desmatamento, receberiam compensação financeira internacional correspondente às emissões evitadas. O conceito de redução compensada tornou-se a base da discussão de REDD.

REDD+

Hoje o conceito foi ampliado e é conhecido como REDD+, que se refere à construção de um mecanismo, ou uma política, que deverá contemplar formas de prover incentivos positivos aos países em desenvolvimento que tomarem uma ou mais das seguintes ações para a mitigação das mudanças climáticas:

1. Redução das emissões derivadas de desmatamento e degradação das florestas;
2. Aumento das reservas florestais de carbono;
3. Gestão sustentável das florestas;
4. Conservação florestal.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial