INPE Seleciona Bolsista para Desenvolv. de S. de Estrelas

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (22/03) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que a “Divisão de Eletrônica Aeroespacial” do instituto está selecionando bolsista para atuar no desenvolvimento de “Sensor de Estrelas”.

Duda Falcão

Divisão de Eletrônica Aeroespacial
Seleciona Bolsista para Atuar em
Desenvolvimento de Sensor de Estrelas

Quinta-feira, 22 de Março de 2012

A Divisão de Eletrônica Aeroespacial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP), está selecionando profissional de nível superior para trabalhar no desenvolvimento de um sensor de estrelas, principalmente na parte de planejamento, preparação e execução de testes.

Os interessados devem ter formação em Engenharia Elétrica/Eletrônica ou Engenharia de Computação ou áreas correlatas.

A duração da bolsa é de 24 meses, com carga horária de 40 horas semanais. A remuneração é de R$ 4.000,00 (Bolsa DTI-A do CNPq) ou R$ 3.000,00 (Bolsa DTI-B do CNPq), dependendo da experiência do candidato.

Requisitos

Experiência profissional de no mínimo 2 anos (desejável 6 anos ou mais);
Experiência em desenvolvimento de hardware e software embarcado;
Experiência nas atividades de validação, verificação e testes de sistemas embarcados;
Experiência em linguagem de programação C ou C++ ou Java ou C#;
Desejável experiência com lógica programável (CPLDs ou FPGAs) e VHDL;
Desejável conhecimento em elaboração de documentação associada ao desenvolvimento de software (Especificação de Requisitos de Software, Plano de Testes);
Inglês: habilidade de leitura de textos técnicos;
Dedicação ao projeto: tempo integral.

Contato

Currículos devem ser enviados para maaf@dea.inpe.br, com cópia para mario@dea.inpe.br. Outras informações pelos telefones (12) 3208-6145 ou 3208-6222.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial