Chuvas Prejudicaram Ontem o Lançamento do FTB

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (15/03) no jornal “O Estado do Maranhão”, destacando que as chuvas prejudicaram ontem o lançamento do Foguete de Treinamento Básico (FTB) do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

Duda Falcão

Geral

Chuvas Prejudicam Lançamento de
Foguete de Treinamento Básico

Como parte da Operação Falcão I, veículo foi lançado ontem
do Centro de Lançamento de Alcântara, após duas interrupções;
condições meteorológicas desfavoráveis impediram o levantamento
de dados, como a altura máxima atingida pelo foguete

Jock Dean
Enviado especial
O Estado do Maranhão
15/03/2012

ALCÂNTARA - Mesmo sob condições meteorológicas desfavoráveis, o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) testou, na tarde de ontem, um Foguete de Treinamento Básico (FTB). No entanto, as chuvas que caíram durante toda o dia na cidade prejudicaram a Operação Falcão I, pois um problema com os radares do CLA impediu o levantamento de dados como a altura máxima atingida e o alcance do veículo. As informações são importantes para a obtenção da certificação do foguete. Apesar disso, segundo o diretor do Centro, o tenente- coronel engenheiro César Demétrio Santos, a operação foi válida e os resultados permitirão possíveis melhorias no projeto.

O foguete foi lançado às 15h35, após duas interrupções no lançamento. A primeira delas aconteceu quando o cronômetro marcava 4 segundos restantes para o início da partida. Após alguns minutos, o procedimento foi retomado, mas novamente interrompido 4min54s antes do lançamento. As situações ocorreram porque as condições meteorológicas não estavam ideais para o lançamento do veículo aeroespacial. Durante todo o dia de ontem, choveu forte na cidade de Alcântara, e a operação, que estava marcada inicialmente para as 11h, teve que ser adiada para as 15h15min, sendo efetivada poucos minutos depois do novo prazo estabelecido.

O veículo foi lançado sem carga útil científica. Após o lançamento, os técnicos do CLA conseguiram monitorá-lo durante 1min30s por meio do sistema de telemetria de banda S. Após esse tempo, a comunicação com o radar foi perdida e dados como o apogeu e o alcance não puderam ser obtidos.“ Essas informações são importantes, pois é por meio delas que se obtém a qualificação e a certificação do veículo. Por essa razão, não podemos certificar o veículo lançado hoje [ontem]”, informou César Demétrio Santos. O FTB foi o primeiro foguete lançado este ano pelo CLA.

Douglas Júnior
O foguete foi lançado ontem às 15h35, após duas interrupções

As equipes do CLA e da Avibrás, empresa responsável pela fabricação do FTB, irão investigar as possíveis falhas. A hipótese mais provável é que as condições meteorológicas, que permaneceram desfavoráveis durante toda a operação, tenham causado o problema. Mas segundo o diretor do Centro a operação foi válida.

“Há algum tempo nós já vínhamos querendo lançar um FTB sob condições adversas para saber como ele se comportaria durante o experimento, por isso insistimos no lançamento, como uma forma de testar a robustez do projeto.Diante dessas falhas, vamos verificar o que deu errado e talvez isso nos leve a aprimorar o nosso projeto, melhorando a qualidade das nossas operações”, afirmou César Demétrio Santos.

Operação Falcão – Realizada ontem, a Operação Falcão I tem como objetivo realizar a análise experimental do comportamento balístico do veículo durante a trajetória de voo; cumprir as atividades previstas no Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), em coordenação com a Agência Espacial Brasileira (AEB); manter a capacidade operacional dos meios técnicos e logísticos do Centro de Lançamento e treinar as equipes de lançamento e rastreio do CLA.

O FTB é o primeiro veículo desenvolvido pelo Projeto Foguete de Treinamento (Fogtrein), do Comando da Aeronáutica (COMAER) em conjunto com a Avibrás, e objetiva colocar no mercado mundial um foguete de baixo custo.

MAIS

Dados de um FTB
Comprimento total...........3,05m
Tempo de queima..................4 s
Peso total .....................68,3 Kgf
Capacidade de Carga útil....5kg

Delegação Argentina Conhecerá Hoje
Centro de Lançamento de Alcântara

CLA poderá fazer parte de um projeto
envolvendo o Brasil e a Argentina, que tem
como meta desenvolver programas espaciais

Uma delegação de alto nível da Argentina visita hoje o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). A visita atende ao convite formulado, em 2011, pelo então presidente da Agência Espacial Brasileira, Marco Antônio Raupp, hoje Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, durante reunião no Itamaraty sobre a cooperação entre os dois países para o uso pacífico do espaço exterior. O CLA pode vir a ser parte importante da cooperação espacial Brasil-Argentina

A comitiva visitante será presidida pelo embaixador Luis-María Kreckler, representante do Governo da Argentina, em Brasília. Acompanharão a comitiva argentina representantes dos ministérios das Relações Exteriores e da Ciência, Tecnologia e Inovação, bem como da Agência Espacial Brasileira (AEB).Os visitantes vão conhecer as instalações já existentes e as que estão em construção no CLA, além de participar de um sobrevoo panorâmico em helicóptero sobre Alcântara para ter uma visão ampla da região e do projeto como um todo.

Entre os espaços a serem visitados pela comitiva argentina estão o prédio principal. No local, encontra-se o Centro Técnico, com 10.000 m² de área, em três pavimentos. Ele é o epicentro do conjunto completo de estações. Ali serão feitas, para os argentinos, apresentações sobre a história, a evolução e o potencial do CLA, revelando dados, imagens e perspectivas dos programas e projetos em andamento.

Segundo o diretor do CLA, Brasil e Argentina estão firmando parcerias com o intuito de desenvolver seus programas espaciais, por isso a visita. “O CLA pode vir a ser parte importante da cooperação espacial Brasil-Argentina, se objetivos mais ambiciosos e arrojados forem adotados mutuamente. Lançadores e satélites do programa espacial argentino certamente terão ganhos e benefícios consideráveis ao serem lançados do CLA, a começar pelas vantagens da própria geografia do local, que permite lançamentos tanto equatoriais quanto polares, com alto nível de segurança”, afirmou o coronel César Demétrio Santos.

Testes com o Veículo Lançador de
Satélites Começarão Este Ano

Uma explosão no CLA, que matou 21 pessoas,
interrompeu testes de lançamento do VLS

O diretor do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), coronel César Demétrio Santos, informou que ainda este ano devem começar a ser realizados testes com protótipos do Veículo Lançador de Satélites (VLS). Desde 2003, quando 21 pessoas morreram em uma explosão no CLA durante uma operação de lançamento de um veículo do tipo, o Centro se prepara para voltar a realizar a atividade. O treino realizado ontem foi mais uma etapa para a concretização do projeto.

Durante o incidente ocorrido há quase 9 anos, a Torre Móvel de Integração (TMI), que possibilita o lançamento de Veículos Lançador de Satélites, foi completamente destruída e outra teve que ser erguida no local. A nova TMI já está na fase final das obras e a direção do CLA planeja para 2013 o lançamento do VLS. “Estamos recebendo a TMI de forma parcial, mas as obras já estão bastante adiantadas e a previsão é que ela seja concluída ainda em 2012”, afirmou o diretor do Centro.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág. 05 - 15/03/2012

Comentário: Caro leitor sou totalmente favorável que o Brasil negocie com os argentinos um acordo amplo no setor espacial, envolvendo pesquisas suborbitais, projetos de satélites conjuntos, sondas espaciais conjuntas, entre outros objetivos, inclusive envolvendo o desenvolvimento de um veículo lançador de satélites de grande porte que utilize combustível ecologicamente mais correto. Entretanto não posso concordar com as palavras do diretor do CLA, o Cel. César Demétrio Santos, quando o mesmo diz: “Lançadores e satélites do programa espacial argentino certamente terão ganhos e benefícios consideráveis ao serem lançados do CLA, a começar pelas vantagens da própria geografia do local, que permite lançamentos tanto equatoriais quanto polares, com alto nível de segurança”. Segurança para quem coronel? Só se for para missão especifica e para os Argentinos, pois certamente não será seguro em nada para a população da região de Alcântara. Ou o senhor desconhece que o foguete TRONADOR II argentino também é movido a hidrazina? Já não basta a m... que o Roberto Amaral fez trazendo esse trambolho tóxico ucraniano para ser lançado do Brasil e o senhor quer ainda estimular o lançamento de outros trambolhos desse tipo. Desculpe-me coronel, mas não posso concordar contigo e lhe chamo a atenção para ter cuidado com essas suas ideias, pois as raposas de plantão, sangue-sugas que vivem de oportunidades nos bastidores de Brasília podem tirar proveito e por motivos não tão nobres colocarem novamente os interesses e a segurança do Brasil e do povo brasileiro em cheque. Cuidado coronel com as suas declarações, muito cuidado mesmo. Outra coisa que eu chamo atenção do leitor é para a situação da TMI. Algo de muito estranho está acontecendo com a plataforma, ou seja, ou o COMAER está tendo algum problema técnico para sua finalização ou é a forma que eles encontraram para dizer: Esta faltando dinheiro. Aproveitamos para agradecer ao leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio dessa matéria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial