Brasil e Ucrânia Decidem Intensificar Cooperação

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (23/11) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) destacando que o Brasil e Ucrânia decidem intensificar Cooperação Espacial. 15 de novembro de 2013 (feriado nacional brasileiro) foi à data escolhida pelos dois países para o primeiro lançamento desse trambolho tóxico ucraniano de Alcântara.

Duda Falcão

Brasil e Ucrânia Decidem
Intensificar Cooperação

23/11/2011 - 19:53

Crédito: Gabinete do Ministro da Ucrânia
O ministro Mercadante e o primeiro-ministro Azarov

Brasil e Ucrânia decidiram aprofundar a parceria estratégica e intensificar a cooperação nas esferas espacial, científica e militar. Isso foi discutido na reunião do Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, Aloizio Mercadante, com o primeiro-ministro da Ucrânia, Mykola Azarov.

Mercadante destacou a cooperação estratégica na área espacial entre os países e manifestou interesse em assinar os contratos relevantes para 20-30 anos com a possibilidade de envolvimento do setor privado.

Em particular, ele notou as perspectivas de cooperação bilateral no projeto Cyclone-4. "Nós identificamos cronograma em que o foguete tem que voar em 15 de novembro de 2013. Vai ser um feriado nacional da nossa República. Nesse momento, também haverá um congresso mundial de cientistas no Brasil. E assim, o bom padrão de parceria estratégica com a Ucrânia seria criado ", disse.

Além disso, comentou, o Brasil está interessado em formação profissional em áreas de alta tecnologia e engenharia, em particular no âmbito do Programa Ciência sem Fronteiras.

Aloizio Mercadante sublinhou também que o Brasil está pronto para desenvolver a cooperação na indústria de defesa com a possibilidade de estabelecer produção conjunta: "A Ucrânia tem alta tecnologia e rica história no domínio da defesa, e isso é parceiro que nos dá confiança para o longo prazo".

Mykola Azarov afirmou estar convencido da importância da cooperação bilateral entre a Ucrânia e do Brasil em diferentes direções. "Vemos o Brasil como um parceiro muito sério. O nosso trabalho vai contribuir para o desenvolvimento ambas as nações. E nós, líderes políticos, devemos fazer tudo para essa finalidade", observou.

O chefe do governo sublinhou grandes possibilidades de cooperação na indústria espacial. Afirmou que a Ucrânia é um parceiro promissor na área, por somar desenvolvimentos científicos e tecnologias a resultados práticos.

De acordo com Mykola Azarov, a implementação do projeto Cyclone-4 confirma isso. "Atribuímos grande importância ao projeto. É um dos poucos projetos que levarão à criação de um local de lançamento em seu país", disse Mykola Azarov.

O primeiro-ministro enfatizou que o desenvolvimento da indústria espacial requer um grande número de especialistas, por meio da possibilidade de brasileiros estudarem nas universidades ucranianas. Azarov também comentou a fala de seu interlocutor sobre a oportunidade de brasileiros adquirirem conhecimento na Ucrânia na esfera de tecnologias da informação (TI). "Este é o nível elevado de formação de especialistas. Prova disso é que nosso pessoal está trabalhando em empresas líderes do mundo", ele observou, acrescentando que a Ucrânia e o Brasil podem interagir em várias áreas da ciência e tecnologia.



Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

Comentário: Eu só notei agora a pouco leitores, mas vejam como é o sobrenome do primeiro-ministro ucraniano, rsrsrsrs. Isso não é nada bom amigos, nada promissor.

Comentários

  1. Olá Duda!
    Eu estou curioso pra saber se já tem algum satélite contratado para este lançamento inaugural,ou,se será apenas um vôo de demonstração?
    Abraço a todos do blog!!

    ResponderExcluir
  2. Olá Leo

    Olha, nada foi divulgado nesse sentido e não acredito que venha ser tão cedo. Já que sem o “Acordo de Salvaguardas Tecnológicas” com os EUA, essa empresa é inviável. Na verdade esse foguete deverá ser utilizado para lançar satélites ucranianos e satélites brasileiros a um custo financeiro e ambiental muito alto e um risco grande de acidente. Especificamente para esse primeiro vôo de qualificação, o que está certo e lançar de graça um satélite japonês chamado Nano-JASMINE (veja no blog a nota: “Nano-JASMINE Quase Pronto para VOAR no Cyclone-4”), e como para esse vôo de qualificação foi oferecido um espaço para AEB, é possível que se o satélite Amazônia-1 ou o ITASAT-1 estiverem prontos em 2013 um deles seja lançado nesse vôo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Por favor, Brasilian Space me corrija se eu estiver errado pretendem-se lançar o foguete cyclone 4 com um satélite em novembro de 2013 no que eu li a matéria não especifica que antes desse lançamento vai haver lançamentos de qualificação do projeto, pois o mais que correto seria o lançamento de foguetes com carga inerte ou vazios para que se avalia-se o cyclone 4 posteriormente ia-se colocando cargas sem qualquer valor nos lançamentos para fazer peso e avaliar melhor o transporte dos equipamentos verificando possíveis erros para corrigimos e quando ouve-se certeza e confiabilidade para o lançamento de um satélite este seria lançado eu não confio nos ucranianos para min., eles são fantoches dos Americanos podemos correr o risco que no dia do tão aguardado lançamento ocorra algo parecido com o do VLS, algo saia errado o foguete exploda aos olhos de milhões de Brasileiros e de vários cientistas do mundo inteiro, e na desculpa para se descobrir o que aconteceu ocorra uma nova auditoria, um novo projeto ai talvez ocorra à ruptura do acordo com os ucranianos e vamos ter que novamente buscar um novo parceiro na área espacial ai se vai outra década perdida quer continuar com os ucranianos eu não faço objeção querem desenvolver o VLS-X alguma coisa, tudo bem contanto que se reavalie a intenções do Brasil, querem lançar um foguete prá ontem contratem os russos com seu foguete soyuz ate os Europeus estão lançando seus satélites da Guiana com o foguete Russo, além da frança já ter acertado um parceria para que esse foguete lançar seus satélite com certeza vai ser um espetáculo o soyuz partindo de Alcântara levando o nosso satélite, vai trazer com certeza respeito e admiração ao projeto espacial Brasileiro e quando os Russos vierem lançar daqui o soyuz ninguém vai i querer sabotar pois sabem a quem pertence e quando vierem só pra garantir que tragam uma bateria de S-300 e alguns partsir-s1 e um submarino akula pois não queremos que nenhum pára-quedista ``perdido´´ pouse em Alcântara ,nem que nenhum avião Americano envada nosso espaço aéreo e nem queremos ver bóias-radiosonicas bem perto de nosso litoral.

    ResponderExcluir
  4. Olá Eduardorc!

    Veja bem, o vôo de qualificação do foguete é esse que eles querem lançar em 15/11 e vai ser um único vôo de qualificação. O segundo vôo já será comercial. Para esse primeiro vôo, eles assinaram com o Observatório Nacional Astronômico do Japão (NAOJ), com a Universidade de Tóquio e com a Universidade de Kyoto para lançarem de graça o nanosatélite Nano-JASMINE que está sendo desenvolvido por essas instituições, e deverão lançar também um satélite brasileiro também de graça que deve ser ou o Amazônia 1 ou o ITASAT-1.

    Desculpe-me amigo, mas não compartilho dessa sua idéia de que os ucranianos estão com os americanos para sabotarem o programa brasileiro. Até porque não faz sentido, talvez faça para os americanos.

    O problema do acordo com a Ucrânia é que o mesmo foi feito de forma equivocada, com o parceiro equivocado, sem qualquer transferência de tecnologia, utilizando-se de uma tecnologia ecologicamente incorreta já que é altamente tóxica, constituindo uma empresa inteiramente estatal quando deveria ser uma empresa de capital misto sobre a direção de executivos da área e não por políticos, além de existirem dois problemas cruciais que dificultam ainda mais o sucesso da operacionalidade dessa empresa, que são a capacidade de carga do foguete que não atende o mercado que pretende atingir (o de satélites geoestacionários) e a falta de um acordo de Salvaguardas Tecnológicas do Brasil para com os EUA, que impedirá o lançamento de mais de 75% das cargas úteis disponíveis no mercado de lançamento comerciais, já que as mesmas ou são americanas ou se utilizam de equipamentos (subsistemas) americanos.

    Estes são os grandes problemas da ACS, em resumo um desastre anunciado capitaneado por políticos irresponsáveis e pelo incompetente Roberto Amaral.

    Quanto aos russos, sempre disse que era a opção correta que deveria ter sido tomada pelo governo e era a opção do Ministério da Defesa (MD), mas infelizmente em 2003, para dar sustentação política à parceria entre o PSB e o PT (precisavam encontrar um lugar para o Roberto Amaral que havia saído do Ministério da Ciência e Tecnologia por incompetência, mas era e ainda é um dos homens fortes do PSB), foi infelizmente assinado esse acordo em detrimento ao acordo que estava sendo elaborado pelo Ministério da Defesa e a ROSCOSMOS.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  5. Eu vo fala para vocês isso ai é furada, o Brasil deveria ter acertado com os Russos.

    ResponderExcluir
  6. Olá Lucas!

    Endosso suas palavras acrescentando ainda que é uma das grandes e que você está certo, já que os russos era a opção que deveria ter sido adotada.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  7. Um dia eu assumo a presidência do Inpe ou da AEB e boto ordem na casa, brincadeiras a parte em meu ponto de vista com os Russos o Brasil tinha muito mais a ganhar e creio que ja estaríamos mais avançados em projetos nacionais.

    ResponderExcluir
  8. Pois é Lucas,

    Mais os energúmenos de Brasília não quiseram assim. Uma pena, mas fazer o que?

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial