Imagens do INPE são Usadas para Avaliar Vazamento

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (18/11) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que imagens do instituto estão sendo utilizadas pelo IBAMA e pela Petrobrás para avaliar vazamento de Petróleo na Bacia de Campos.

Duda Falcão

Imagens do INPE são Utilizadas
para Avaliar Vazamento de
Petróleo na Bacia de Campos

Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011

Um conjunto de imagens do radar ASAR, a bordo do Envisat, e do sensor MODIS, dos satélites Aqua e Terra, foi entregue ao IBAMA e à Petrobras pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). As imagens estão sendo utilizadas para avaliar o vazamento de petróleo no campo da empresa americana Chevron, situado na Bacia de Campos, no litoral norte do Rio de Janeiro.

“A Petrobras recebeu as imagens 30 minutos após serem gravadas pelos satélites. São informações importantes para o contingenciamento do acidente”, informa Ivan Barbosa, chefe da Divisão de Geração de Imagens do INPE.

Desde 2009, o INPE mantém em sua unidade de Cachoeira Paulista uma Estação de Sensoriamento Remoto Marinho que recebe imagens, em tempo quase real, para a detecção de poluentes na superfície do mar e outras aplicações, como o estudo de ecossistemas e recursos naturais marinhos e a medição da intensidade de correntes e campo de ventos, altura de ondas, entre outros parâmetros.

A estação, que recebe e processa as imagens do satélite Envisat, foi adquirida pelo INPE em parceria com a Petrobras. Suas imagens são ideais para o monitoramento ambiental e identificação de derrames de óleo no mar.

“O fornecimento imediato e contínuo de imagens à Petrobras faz parte da nossa operação regular”, explica Ivan Barbosa. Para acompanhar a situação na Bacia de Campos, enquanto necessário também o IBAMA receberá as imagens dos satélites do INPE.




Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial