CLA Realizará Cronologia Simulada da Operação Maracati II

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (10/12) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) realizará neste sábado (11/12) a cronologia simulada da "Operação Maracati II".

Duda Falcão

Cronologia Simulada da Operação Maracati II
Será Realizada Amanhã no CLA

CCS/AEB
10-12-2010

Será realizado neste sábado (11), às 9h, no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA, no Maranhão, a cronologia simulada do lançamento do foguete VSB-30. A simulação faz parte da Operação Maracati II e tem como objetivo o treinamento da equipe e a análise do tempo previsto para a operação.

De acordo com o coordenador geral da operação, coronel Eudy Carvalhaes, a cronologia simulada do VSB-30 demorará cerca de seis horas. Todos os equipamentos necessários para a operação serão testados e o tempo de cada ação cronometrado. A primeira tentativa de lançamento do VSB-30 será realizada no domingo. No entanto, detalhes técnicos, condições de velocidade e direção dos ventos e outras condições meteorológicas, tanto no local de lançamento como no de resgate da carga útil, podem alterar essa data. Em princípio, o lançamento tem até o dia 15 deste mês para ser realizado.

O VSB-30 é utilizado pelo Programa Microgravidade da Agência Espacial Brasileira (AEB) que tem o objetivo de viabilizar experimentos nacionais em ambiente de microgravidade (com valores de acelerações não-gravitacionais próximos de zero). Sua carga útil terá experimentos embarcados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do Centro Universitário da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e da Secretaria Municipal de Educação de São José dos Campos (SP).

Participam da operação organizações do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), destacando-se o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), que é responsável pela fabricação e montagem do foguete e da parte da carga útil, da integração do veículo ao lançador e por algumas atividades relacionadas com a carga útil e meios elétricos de solo; o CLA que realiza o lançamento e é responsável pelo rastreio do veículo e pela coleta de dados de vôo (radar e telemetria); o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), situado em Natal (RN), que como estação remota também rastreia e coleta dados do vôo na fase de microgravidade. Outras organizações da Aeronáutica também apóiam a operação, sobretudo no que se refere a transportes e ao resgate da carga útil. A Agência Espacial Alemã (DLR, sigla em alemão), desenvolveu o conjunto de carga útil inicial e neste vôo é responsável, principalmente, pelo módulo de serviço e pelo sistema de recuperação, além de uma Estação Móvel de Telemetria que funcionará como redundância às Estações de Telemetria do CLA e CLBI.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: É com muita alegria que observamos finalmente a proximidade do cumprimento desta missão que estava inicialmente prevista para ocorrer em julho de 2008, segundo o 3º Anuncio de Oportunidade (AO) da Agência Espacial Brasileira (AEB). No entanto, é frustrante observar como é desastroso o desempenho do “Programa de Microgravidade” de nossa agência espacial. O 3º AO foi lançado pela AEB em 21/11/2006 com duas etapas a serem cumpridas. A primeira, esta de agora, estava prevista para julho de 2008 e a segunda (lançamento de experimentos brasileiros através de uma nave Soyuz para serem testados na Estação Espacial Internacional – ISS) estava prevista para setembro de 2009. Como sabemos, a primeira parte desse 3º AO estará sendo cumprida nos próximos dias (pouco mais de 4 anos após o lançamento do Anuncio de Oportunidade), já a segunda parte, bom, esta não tem qualquer previsão de quando ou se será um dia realizada como inicialmente prevista. Muito provavelmente deverá ser realizada por outro foguete VSB-30, já que o não cumprimento por incompetência do Brasil do acordo para a construção de partes da ISS, deve ter atrapalhado em muito a realização dessa missão com os russos, fora é claro, o já comentado suposto desconforto que as relações espaciais entre os dois países vêm atravessando nos últimos anos. Apesar disto, não serve de desculpa para AEB a espera de pouco mais de 4 anos para o lançamento desta primeira etapa deste Anuncio de Oportunidade. Um verdadeiro absurdo se compararmos com o que foi realizado neste mesmo período por outras agências espaciais, como as SSC (Suécia) e ARR (Noruega), e pasmem, em algumas ocasiões utilizando-se de foguetes brasileiros. Aqui na Bahia conheci dois pesquisadores que esperaram por dois anos a abertura pela AEB de um 4º AO, para que eles pudessem submeter um experimento projetado por eles ao edital visando ser selecionado para testá-lo em ambiente de microgravidade. Depois de dois anos de espera eles desistiram e abandonaram a idéia, totalmente desmotivados e decepcionados com o andamento deste “Programa de Microgravidade”, classificando-o à epóca como uma verdadeira piada de mal de gosto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial