CENIC Entrega Modelo de Qualificação do SARA

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (16/12) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), destacando a empresa brasileira CENIC Engenharia entregou ao instituto, no mês de dezembro, o "Modelo de Qualificação Mecânica do Sara Suborbital".

Duda Falcão

CENIC Entrega Modelo de Qualificação do SARA

16/12/2010

A Cenic Engenharia entregou, no mês de dezembro, o Modelo de Qualificação Mecânica do Sara Suborbital. A entrega ocorreu na sede da empresa no bairro Chácaras Reunidas em cumprimento do contrato com o IAE.

Após uma apresentação da empresa, as comissões receberam os volumes de documentação correspondentes à etapa cumprida e puderam vistoriar o Modelo de Qualificação.

A principal estrela da apresentação foi o Modelo do Subsistema de Recuperação. Composto de um conjunto de pára-quedas divididos em aba piloto, pára-quedas de arrasto e dois pára-quedas principais, o Modelo ainda conteve o container para abrigar os pára-quedas durante o vôo e um Bloco de Separação que comanda a abertura. Este subsistema envolve uma inovação tecnológica do projeto, pois não é acionado por sistemas pirotécnicos.

Os ensaios de qualificação do Subsistema de Recuperação ocorrerão no Prédio de Integração de Lançadores (PIL) do IAE após o término dos ensaios de separação do VLS-1. O Modelo de Qualificação entregue nesta etapa será utilizado durante estes ensaios, sendo que a seqüência de abertura dos pára-quedas será repetida várias vezes para se chegar à qualificação do subsistema. Todo o processo será filmado com câmeras de alta velocidade.



Fonte: Site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE)

Comentário: Grande noticia para O PEB. O Brasil precisa de resultados positivos nas suas próximas atividades espaciais como ocorreu com o vôo da “Operação Maracati II”. Para o ano de 2011 a expectativa é que a SARA seja lançada com sucesso, que seja bem sucedida a “Operação Uirapuru” (queima em banco de teste da usina “Coronel Abner” do motor-foguete S43 do primeiro e segundo estágios do VLS-1), que o VS-40 seja lançado com sucesso da Europa com o experimento alemão SHEFEX II abordo (o sucesso dessa missão poderá significar a comercialização desse foguete para o mercado europeu e mundial que seria muito compensador para o IAE e para a indústria brasileira), a finalização dos testes com a Torre Móvel de Integração (TMI) do VLS, a preparação para o vôo tecnológico do VLS-1 XVT-01 no início de 2012, o lançamento do primeiro foguete de médio porte FTA (Foguete de Treinamento Avançado) da Avibrás entre outras surpresas que poderão ocorrer no LPL/APE. No entanto, tudo dependerá do governo DILMA ser efetivo e competente neste setor durante todo o ano. Vamos aguardar.

Comentários

  1. A couraça térmica de reentrada do veículo SARA é tecnologia sensível, não? Esse escudo é vital no caso de se utilizar ogivas cabeça-de-guerra/warhead (leia-se termonucleares) em mísseis militares. Os yankees tem demonstrado preocupação quanto à todo o PEB. Quer eles gostem ou não, vamos ter nossos vetores de lançamento.

    ResponderExcluir
  2. Uma pergunta: os alemães, italianos e japoneses (aliados que constituíram o Eixo, na Segunda Grande Guerra) ainda enfrentam restrições quanto ao desenvolvimento de seus programas espaciais?

    ResponderExcluir
  3. Olá Antônio!

    Sim, é verdade a proteção térmica de reentrada da SARA é realmente um tecnologia sensível dominada por poucos países do mundo. Assim sendo tem aplicação dual (civil e militar), não resta dúvida quanto a isso. No entanto Antônio, não vejo esse projeto com este objetivo, e sim como um projeto cívil que quando estiver finalizado trará grandes benefícios ao Programa Espacial Brasileiro. Quanto a sua pergunta, não sei lhe responder com certeza, porém acredito que sim.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  4. Falcão, sabemos que o país que dispõe desta tecnologia pode convertê-la p área militar sem tanto trabalho. Com tantas nações já desenvolvendo seus vetores (Iran) de lançamento, e, o mais importante, com tecnologia própria, não escondo minha satisfação em constatar a impotência dos EUA (que tanto sabotaram o Brasil) diante desta realidade.

    "Aqui no continente americano (pelo menos), EU posso ter. VOCÊ não!"

    ResponderExcluir
  5. Olá Antônio!

    Eu entendo o seu posicionamento amigo, mas não gostaria de ver o espaço militarizado e nem de ver e incentivar essa corrida armamentista pelo mundo. Ninguém ganha com isso e na verdade na guerra todos nós somos perdedores, já na paz a humanidade se desenvolve. Um dos grandes problemas da humanidade hoje é justamente a opção por viver em conflito, seja interiormente ou exteriormente. Se começamos a pensar que é possível viver em paz um dia a humanidade não precisará de armas. Tecnologia sim, mas visando melhorar vida do ser humano e não incentivar a guerra entre pessoas e povos, entende?


    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  6. Por que os EUA sabotam o Brasil, que é aliado, mas não consegue sabotar o Irã e a Coreia do Norte, que estão com desenvolvimento espacial em termos de misseis e lançadores, muito maior que o Brasil ?

    ResponderExcluir
  7. Bom Ricardo, essa resposta é simples. No Brasil o setor não teve o apoio do governo para desenvolver as tecnologias necessárias para que o PEB se tornasse auto-suficiente nesses quase 50 anos do nosso programa espacial. Assim sendo, só restou aos profissionais da área buscaram durante todos esses anos outras opções para que alcançassem esse objetivo o mais rapidamente possível sendo boicotados pelos EUA e pelos países que sofrem da sua forte influência. Já na Coréia do Norte e no Iran, o caminho adotado foi outro. Se valendo do apoio incondicional de seus governos e da tecnologia que estava à disposição através dos mísseis russos adquiridos durante a guerra-fria, foi iniciado em ambos os países um programa sério de desenvolvimento das tecnologias necessárias para seus programas espaciais que na verdade tem como objetivo maior o desenvolvimento de mísseis. É aquela coisa, quem quer, sempre alcança. No Brasil, fizemos de conta que queríamos e continuamos fazendo o que nos leva ao resultado alcançado até hoje. Lamentável, mas é a realidade dos fatos.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  8. Amigos, o que desejo com sinceridade, é o projeto SARA viajando ao espaço agora em 2011(apesar de não saber como anda o desenvolvimento do foguete S40). Com o fim dos testes em terra, poderemos tentar o primeiro lançamento que deve ser suborbital, mas mesmo assim se obtiver sucesso, sera um grande passo para termos no futuro a nossa NAVE ESPACIAL.
    Abraços
    Fernando Molina

    ResponderExcluir
  9. Olá Fernando!

    Seja bem vindo ao blog. Olha, o que se tem noticiado é que a "SARA Suborbital" tem seu primeiro vôo previsto para o segundo semestre de 2011. No entanto, é apenas uma previsão e infelizmente muito raramente as previsões são cumpridas no PEB. Quanto ao foguete VS-40, as modificações estão sendo realizadas e uma versão deste foguete deverá ser lançado da base de Woomera, que fica no sul da Austrália, no primeito trimestre de 2011 com o experimento alemão SHEFEX II abordo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial