Brasil Pagará € 250 Milhões para Participar do ESO

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada dia (24/12) no site “Folha.com” do “Jornal Folha de São Paulo” destacando que o Brasil pagará € 250 milhões em 11 anos para participar do “Observatório Europeu do Sul (ESO)”.

Duda Falcão

Brasil Pagará € 250 Mi para Participar
de Observatório Astronômico

SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
24/12/2010 - 06h30

Papai Noel foi generoso com a comunidade astronômica brasileira. O Ministério da Ciência e Tecnologia e o ESO (Observatório Europeu do Sul) chegaram a um consenso para a entrada do país no consórcio, a um custo de cerca de €250 milhões (o equivalente a quase R$ 555 milhões) em 11 anos.

O acordo, ao qual a Folha teve acesso, está no momento sendo analisado pelo Ministério do Planejamento (de onde sairá à verba) e passará por pequenos ajustes de texto na pasta das Relações Exteriores, antes que a versão definitiva possa ser assinada pelo ministro Sérgio Rezende (MCT) e pelo diretor-geral do ESO, Tim de Zeeuw.

Se tudo correr bem, a cerimônia de assinatura deve acontecer na próxima quarta-feira, dia 29, em Brasília.

A partir daí, o Brasil será o primeiro país que não faz parte da Europa a fechar com o consórcio (excetuando-se naturalmente o Chile, que hospeda as instalações).

A negociação tinha esfriado depois que os termos originais apresentados pela organização européia foram rechaçados pelo governo brasileiro, em setembro.

Mas, num movimento surpreendente, o ESO decidiu ceder e suavizar um pouco o custo para o Brasil, viabilizando o negócio.

CIFRAS

A organização européia tem interesse no ingresso de novos membros para ajudar a financiar o seu futuro superobservatório, o E-ELT (Telescópio Extremamente Grande), que terá 42 m de abertura e deve ser inaugurado em uma década.

O resultado foi celebrado pelos envolvidos na negociação. Num e-mail trocado internamente no MCT, um assessor descreve o sentimento: "As equipes negociadoras comemoram como se tivéssemos conquistado a Copa do Mundo. Com gols até no último minuto".

CUSTO REDUZIDO

"Foi uma redução de quase 50% no custo original", disse à Folha, por telefone, o ministro Sérgio Rezende.

O Brasil ficou isento de uma contribuição adicional que está sendo imposta aos outros membros, no valor de €250 milhões, para a construção do E-ELT , próximo grande projeto do ESO.

Outra grande vitória foi o abatimento da anuidade a ser paga pelo país como membro do consórcio.

Normalmente o ESO usa o PIB (Produto Interno Bruto) de cada país como critério para determinar quanto é preciso pagar.

O governo brasileiro, no entanto, mostrou que a riqueza nacional não guarda a mesma proporção que a dos outros países do grupo quando se leva em conta a divisão per capita e o fato de que a comunidade astronômica brasileira não é, proporcionalmente, tão numerosa.

Como resultado dessa argumentação, o ESO decidiu promover um aumento gradual da anuidade brasileira.

Em 2012, por exemplo, o país pagará 25% do valor calculado com base no PIB. A porcentagem vai subindo até chegar aos 100%, em 2021.

Apesar dessas condições especiais, o país preserva na integralidade seus direitos como membro regular da organização.

Isso inclui a submissão de projetos de pesquisa para uso de toda a infraestrutura do observatório (trata-se da maior instituição de pesquisa astronômica do mundo).

VAI E VOLTA

Outra grande vantagem celebrada pelo governo é a possibilidade de empresas brasileiras disputarem as licitações ligadas à instituição.

"A Queiróz Galvão, por exemplo, está terminando um grande empreendimento no Chile com 2.000 funcionários. Está pronta para começar a obra de preparação do terreno para a construção do E-ELT, cortar o cume do morro e fazer uma estrutura plana", disse Rezende.

"As empresas brasileiras têm muito interesse e vão ter acesso, com a vantagem competitiva de estar muito mais perto do Chile [que as concorrentes européias]."

O ministro destaca que haverá benefícios em outros setores, além da construção civil. "Na área técnica e de alta tecnologia, as empresas também terão grandes oportunidades. Lembre-se de que o Soar [telescópio brasileiro e americano construído no Chile] teve diversas peças fabricadas no Brasil”.


Fonte: Site Folha.com - 24/12/2010

Comentários

  1. Não consigo ver isso como um ganho para a astronomia brasileira, não está claro os beneficios, deveriam investir esse dinheiro na astronomia aqui dentro do Brasil, e não lá fora, reduzir por exemplo o imposto sobre telescopios "amadores" com custo até 7 mil dolares, por exemplo, fomentar o estudo e pesquisa cientifico alem do campo das universidades.

    O governo deveria pegar esse dinheiro e investir em infraestrutura para pesquisa astronomica aqui dentro, e não lá fora, ou isentar a carga tributaria para produtos cientificos importados, como telescopios, sendo que a comunidade astronomica amadora faz grande contribuição para a ciencia!

    ResponderExcluir
  2. Olá Deiverson,

    Eu entendo o seu posicionamento amigo, mas como não tenho maiores informações prefiro aguardar.

    O que sei é que quando essa idéia foi lançada pelo ministro Sérgio Rezende, houve uma resistência de uma pequena parte da classe astronômica brasileira alegando que o custo previsto devido às exigências da organização européia era muito alto e poderia atrapalhar os projetos astronômicos já em curso no país.

    Entretanto, com o abatimento e a flexibilização deste custo, parece-me inicialmente que devido ao que representará para a astronomia mundial o superobservatório E-ELT, a participação do Brasil inclusive com possibilidade da participação da indústria brasileira na construção e desenvolvimento de equipamentos para o observatório, ser algo muito benéfico para o país.

    No entanto, depois que essa notícia foi publicada ainda não houve qualquer manifestação na mídia contraria ou a favor da parte que inicialmente ficou insatisfeita com o acordo. Assim sendo, vou aguardar por maiores informações para pode opinar com mais propriedade.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial