Militares Concluem Primeira Etapa de Transferência de Tecnologia do SGDC na França

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada ontem (24/06) site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que militares da Aeronáutica concluíram nessa quinta-feira (19/06) em Cannes, na França, o curso avançado do programa de absorção de tecnologia do “Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC)”.

Duda Falcão

SATÉLITES

Militares Concluem Primeira Etapa de
Transferência de Tecnologia na França

Profissionais se preparam para operar o primeiro satélite de
comunicações militares brasileiro a ser lançado em 2016

24/06/2014 - 09:48h


Militares da Força Aérea Brasileira (FAB) concluíram nessa quinta-feira (19/06) em Cannes, na França, o curso avançado do programa de absorção de tecnologia do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas. Esta é a primeira etapa de preparação dos militares que devem operar o primeiro satélite de comunicações militares brasileiro.

Com lançamento previsto para 2016, o satélite atenderá às necessidades do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) e uma ampla área comunicações estratégicas nos âmbitos civil e militar.

De acordo com o chefe do Núcleo do Centro de Operações Espaciais Principal (NuCOPE-P), unidade da FAB que vai operar todos os satélites militares brasileiros, Tenente-Coronel Helcio Vieira Junior, o projeto vai mais que dobrar a capacidade de comunicação satelital nacional. “Vamos operar aqui do Brasil com domínio de comando e controle”, afirma.

Entre as novas capacidades, estão o aumento de cobertura das comunicações das Forças Armadas, principalmente em apoio ao SISFRON (Sistema de Monitoramento das Fronteiras Terrestres), ao SISGAAZ (Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul) e ao SISDABRA (Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro).

Ao longo de dez semanas de aulas, os militares participaram de instruções nos diversos sistemas que envolvem o planejamento, o projeto, a construção, a operação e a validação de Sistemas Espaciais, abordando tecnologias, sistemas e gerência de sistemas.

Além da operação de maneira eficaz, eficiente e segura, garantindo o sigilo das informações trafegadas pelo satélite, a preparação dos militares permite conhecimento para a especificação da constelação satelital para sensoriamento, previsto para 2018. “Estamos participando da construção e aprimorando conhecimento sobre satélites em geral pensando na próxima etapa do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais, o PESE”, explica.

Equipe Multidisciplinar – Além dos futuros “pilotos satelitais”, participam da capacitação militares do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI) e da Marinha do Brasil, além de representantes da Empresa Visiona e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, especificamente a Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

O programa de absorção de tecnologia tem o objetivo de construir competência nacional para promover a maior qualificação e inserção das empresas brasileiras no mercado de manufatura e serviços de satélites geoestacionários.

Para o curso de Engenharia Espacial do ITA, por exemplo, é uma oportunidade de atualização, com abertura de novas linhas de pesquisa com o objetivo de disseminar os conhecimentos na indústria espacial brasileira. Para o IFI, permitirá cursos de certificação e confiabilidade de produtos, colaborando com a capacitação do Instituto nas áreas de garantia do desempenho, da segurança e da disponibilidade de produtos e sistemas espaciais.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: Caro leitor se tem uma instituição nessa história toda do SGDC (além do INPE é claro) que merece o meu respeito, admiração e um grau de confiabilidade bem acima da média brasileira, esta instituição é a Aeronáutica, mesmo que aparentemente o seu comandante venha demonstrando está deslumbrado com os bastidores de Brasília. Deslumbramento este caro leitor que há meu ver tem contribuído significamente para a atual situação do Programa Espacial Brasileiro (leia-se atividades espaciais do DCTA/IAE), já que o Comandante Juniti Saito só diz amém para esses energúmenos. Entretanto, mesmo torcendo que essa iniciativa venha dar certo (apesar de não acreditar) em conversas com profissionais do setor tenho ouvido de que transferência de tecnologia só acontece quando há desenvolvimento conjunto, ou seja, quando todas as partes envolvidas participam conjuntamente de todas as fases de desenvolvimento do satélite, e não através de cursos semelhantes a este citado na nota acima. Esclarecendo: Para operar satélites cursos como esse podem ajudar e realmente ajudam, porém leitor desenvolvimento já é um outro departamento. Mas enfim... tá aí a notícia.

Comentários

  1. Na prática essa tal "transferência de tecnologia" vai ser mais ou menos assim: eles nos entregam uma caixa preta e nos ensinam à operá-la. Tá feita a "transferência".

    Lamentável...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial