CPTEC/INPE Colabora com o Desenvolvimento de Sistema de Alerta e Risco da Dengue

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (04/06) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o CPTEC/INPE colabora com o desenvolvimento de Sistema de Alerta e Risco da Dengue.

Duda Falcão

CPTEC/INPE Colabora com o Desenvolvimento
de Sistema de Alerta e Risco da Dengue

Quarta-feira, 04 de Junho de 2014

Um sistema de alerta para riscos de casos de dengue foi desenvolvido, com a colaboração do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE), para 553 microrregiões brasileiras, incluindo as 12 cidades que receberão os jogos da Copa do Mundo. Um artigo sobre este trabalho, apresentando uma previsão específica para estas cidades para o mês de junho, foi recentemente publicado na revista científica The Lancet Infectious Diseases, tendo como um dos coautores o pesquisador Caio Coelho do CPTEC/INPE.

De acordo com a FIOCRUZ, que participa deste estudo, apesar de o sistema de alerta indicar maior risco de ocorrência da doença (definido como de 300 casos ou mais para cada 100 mil habitantes) para Recife, Fortaleza e Natal, a probabilidade de uma epidemia é considerada pequena, com 19%, 46% e 48% de chance para estas cidades, respectivamente. Segundo a FIOCRUZ, a possibilidade de previsões com até três meses de antecedência, baseada em informações climáticas, como a apresentada neste trabalho, permite programar medidas locais de controle da população de mosquitos nas cidades indicadas com maior risco.

O sistema de alerta foi desenvolvido por uma equipe internacional e multidisciplinar, envolvendo, além da FIOCRUZ e do CPTEC/INPE, o Ministério da Saúde, a Universidade de Brasília, o Instituto Catalão de Ciências Climáticas (IC3), da Espanha, o UK Met Office e a Universidade de Exeter, da Inglaterra. O sistema utiliza dados climáticos, já que chuvas e altas temperaturas produzem um efeito importante na transmissão da dengue em áreas propensas a epidemia, favorecendo a proliferação do mosquito transmissor Aedes aegypti e a disseminação do vírus da doença. As previsões e alertas são produzidas a partir da combinação de dados climáticos associados a variáveis sociais e ambientais, processados em modelos matemáticos.

Para as previsões geradas para as 12 cidades onde serão realizados os jogos da Copa, foram utilizadas informações sobre a situação da dengue observada no Brasil no mês de março deste ano e também previsões climáticas sazonais de precipitação e temperatura para o período de março a maio do projeto EUROBRISA, liderado pelo CPTEC/INPE. Além das cidades já mencionadas com maior risco de ocorrência da doença, o sistema também aponta um risco médio (de 100 a 300 casos para 100 mil habitantes) para o Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Manaus, e risco baixo (menor do que 100 casos para 100 mil habitantes) para Brasília, Cuiabá, Curitiba, Porto Alegre e São Paulo.

O artigo completo sobre este trabalho pode ser acessado aqui



Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes