MCTI Assina Termo de Cooperação com o INPE Para o Desenvolvimento de Motores Iônicos

Olá leitor!

Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) publicou no Diário Oficial da União (DOU) do dia de ontem (09/06) um “Extrato de Termo de Cooperação”  entre o MCTI e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) descentralizando recursos financeiros para apoiar o desenvolvimento do projeto intitulado: "Desenvolvimento de Propulsores Iônicos para o Controle de Atitude e Órbita de Satélites". Abaixo segue o extrato como publicado no DOU.

Duda Falcão

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

SUBSECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS UNIDADES DE PESQUISA

EXTRATO DE TERMO DE COOPERAÇÃO

Processo Nº: 01200.002390/2014-72;
Espécie: Termo de Descentralização firmado entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação - MCTI e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE;
Convenentes: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – CNPJ 03.132.745/0001-00 e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais -INPE - UG: 240106;
Objeto: Apoio ao Projeto "Desenvolvimento de Propulsores Iônicos para o controle de atitude e órbita de satélites".
Crédito Orçamentário: Funcional Programática 19.571.2021.20V7.0001.000V - Desenvolvimento de Novas Linhas de Pesquisa e Inovação nos Institutos de Pesquisa;
Código da UG: 240113;
Gestão: 00001;
Fonte: 0100;
Natureza de Despesa: Custeio Valor R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais);
O referido termo tem a vigência de: 09/06/2014 à 31/12/2014;
Data da Assinatura: 05/06/2014;
Assinam: André Tortato Rauen - Subsecretário de Coordenação das Unidades de Pesquisa CPF: 006.119.529-47 e Leonel Fernando Perondi - Diretor do INPE - CPF: 212.451.260-91.


Fonte: Diário Oficial da União (DOU) - Seção 3 - pág. 11 - 09/06/2014

Comentário: Bom leitor, qualquer projeto de desenvolvimento de equipamentos para satélites e foguetes é realizado pensando no uso desses equipamentos em várias missões. Entretanto, pelo que sei a única missão do INPE (e ainda não oficial) que prevê o uso de motores iônicos é a fantástica Missão ASTER, onde se pretende usar motores iônicos desenvolvidos no INPE e na Universidade de Brasília (UnB), projeto este que já conta com o devido apoio do Programa UNIESPACO da Agência Espacial Brasileira (AEB).

Comentários

  1. Opa, mais um:

    "R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais)"

    Tem certeza que essa grana toda não vai fazer falta na Copa ???

    Os cientistas brasileiros "são tão bonzinhos"...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial