Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível Se Reúne no INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (12/06) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que a Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível se reúniu no INPE.

Duda Falcão

Comissão Sino-Brasileira de Alto
Nível Se Reúne no INPE

Quinta-feira, 12 de Junho de 2014

A Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN) reuniu-se no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP), nos dias 9 e 10 de junho, para discutir a viabilidade da missão do CBERS-4A e a continuidade do programa sino-brasileiro de satélites com o desenvolvimento dos CBERS-5 e CBERS-6.

O andamento dos preparativos para o lançamento do CBERS-4, que deve ocorrer na primeira quinzena de dezembro, foi, também, tema da reunião. A perda do satélite CBERS-3, causada por falha do foguete chinês, em 9 de dezembro de 2013, levou ambos os países a decidirem adiantar o CBERS-4.

De acordo com os especialistas brasileiros e chineses, todas as etapas da montagem, integração e testes do CBERS-4 estão sendo cumpridas normalmente. No início de setembro, o satélite deverá passar pela Revisão Final de Projeto (FDR, na sigla em inglês), que antecede o envio do satélite para o lançamento, a partir da base de Tayuan, na China.

Participaram da reunião do Grupo de Trabalho da COSBAN especialistas e dirigentes do INPE, da Agência Espacial Brasileira (AEB) e de órgãos chineses ligados ao desenvolvimento de atividades espaciais, como a Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST, na sigla em inglês), contraparte chinesa do INPE na execução do Programa CBERS.

Intercâmbio

O Brasil aproveitou a reunião da COSBAN para apresentar proposta de plano de cooperação na área de educação e formação de recursos humanos. O objetivo é facilitar o intercâmbio de estudantes entre os dois países. Para o diretor do INPE, Leonel Perondi, é importante que os jovens tenham a oportunidade de participar de atividades não apenas em universidades estrangeiras, mas também em empresas de alta tecnologia no exterior. “Além de instituições de ensino, esse intercâmbio poderia incluir as indústrias”.

Programa CBERS

O Programa CBERS (sigla em inglês para China-Brazil Earth Resources Satellite) foi instituído por Brasil e China para o desenvolvimento conjunto de satélites de observação da Terra. O lançamento do CBERS-4 foi antecipado para dezembro de 2014 após a falha ocorrida com o foguete chinês, no final de 2013, que causou a perda do CBERS-3. Antes, foram lançados com sucesso o CBERS-1 (1999), CBERS-2 (2003) e CBERS-2B (2007).

As imagens obtidas a partir dos satélites da série CBERS permitem uma vasta gama de aplicações – desde mapas de queimadas e monitoramento do desflorestamento da Amazônia, da expansão agrícola, até estudos na área de desenvolvimento urbano.

O Programa CBERS é um exemplo bem-sucedido de cooperação em matéria de alta tecnologia e é um dos pilares da parceria estratégica entre o Brasil e a China.

Graças à política de acesso livre às imagens, uma iniciativa pioneira do INPE, as imagens do CBERS são distribuídas gratuitamente a qualquer usuário pela internet, o que contribuiu para a popularização do sensoriamento remoto e para o crescimento do mercado de geoinformação brasileiro.

O CBERS também é importante indutor da inovação no parque industrial brasileiro, que se qualifica e moderniza para atender aos desafios do programa espacial. A política industrial adotada pelo INPE permite a qualificação de fornecedores e contratação de serviços, partes, equipamentos e subsistemas junto a empresas nacionais. Assim, além de exemplo de cooperação binacional em alta tecnologia, o CBERS se traduz na criação de empregos especializados e crescimento econômico.

Mais informações: http://www.cbers.inpe.br/

COSBAN discutiu continuidade do Programa CBERS.
Participantes da reunião do grupo de trabalho da COSBAN.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial