IEAv realiza 8º Simpósio de Sensoriamento Remoto de Aplicações em Defesa

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada na edição de Dezembro do ”Jornal do SindCT“ tendo como destaque o  “8º Simpósio de Sensoriamento Remoto de Aplicações em Defesa” do Instituto de Estudos Avançados (IEAv).

Duda Falcão

NOSSA PAUTA

Programa Estratégico de Sistemas Espaciais em Pauta

IEAv realiza 8º Simpósio de Sensoriamento
Remoto de Aplicações em Defesa

Por Shirley Marciano
Jornal do SindCT
Edição nº 75
Dezembro de 2018


O Instituto de Estudos Avançados - IEAv, órgão vinculado ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, realizou, de 5 a 8 de novembro, o Simpósio de Aplicações em Defesa - SERFA, com o tema: “Caminhos para consolidar o segmento espacial no âmbito da Defesa”. O evento aconteceu em São José dos Campos, no IEAv.

Nesta 8ª edição, contou com a participação especial da Comissão Coordenadora de Implantação de Sistemas Espaciais, com o Centro de Operações Espaciais e a Divisão de Inteligência , ambos do Comando de Operações Aeroespaciais, refletindo a abrangência e a importância das Tecnologias de Sensoriamento Remoto no âmbito da Defesa Nacional.

A intenção dos organizadores foi discutir tópicos do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais - PESE, relacionados a novas tecnologias espaciais (ex.: aplicações de micro, nano e pico satélites), e como isto poder contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional. O objetivo foi criar uma oportunidade de aproximação entre a academia, órgãos do governo e empresas que atuam na área de defesa. Este tema está alinhado à Estratégia Nacional de Defesa e às diretrizes e concepções estratégicas do Comando da Aeronáutica.

Além do tema central, foram também abordados os assuntos que seguem:

- Sensoriamento Remoto em operações multidomínios (terra, mar, ar, espaço e cyber espaço);

- Caracterização espectral de alvos e de sensores;

- Fusão de dados a partir de imagens de sensoriamento remoto;

- Aplicações operacionais com imagens SAR, Hiperespectrais e LIDAR; e

- Processamento de imagens em tempo real com alto desempenho.

Em 2018, o SERFA permaneceu com o formato de sua edição anterior: estrutura composta de painéis, apresentações de estudos de caso com abordagem científica, workshops, fóruns para discussões e networking.

“Minha avaliação até o momento [06/11] é que está sendo um sucesso. Está saindo como a gente propôs que acontecesse. Tem representantes da academia, do governo, das forças armadas, das indústrias e das empresas. A gente encerrou as inscrições com uma semana de antecedência e com mais de 400 inscritos. Hoje, nós temos aqui oficiais-generais das três forças [Exército, Marinha e Aeronáutica]. Isso é um grande reconhecimento. O evento é importante e relevante pelo assunto que está sendo tratado, que é a área de espaço, a qual está cada vez mais sendo tratada como estratégica. Destaco também que a importância se eleva pelo próprio IEAv, que é o grande coordenador das ações, que tem o protagonismo e consegue coordenar um evento dessa magnitude. Não estamos discutindo os pontos atuais e sim o futuro do programa espacial, pois essa é vocação do IEAv. É isso que a gente espera nos próximos dias. É estar discutindo essas questões”, explica o diretor do IEAv, Cel Lester de Abreu Faria.

Ele também destacou a importância do sensoriamento remoto para o Brasil.

“O sensoriamento remoto para nosso país é fundamental. Ele vem com uma série de atividades. Hoje, no Brasil, que possui dimensões continentais, não temos braços e energia para estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Então, por que não usar tecnologias, ferramentas e algoritmos computacionais para fechar algum gap de monitoramento. Quando eu falo do espaço, do sistema óptico, falo de uma disponibilização banda larga. Tudo vem no apoio à soberania, que a gente quer ter sobre o país, resguardar nossas fronteiras e proporcionar um bem-estar social para nossa população. Não só nos bons momentos de convívio natural das pessoas, mas também quando houver alguma calamidade, algum resgate que precisar ser feito. O sensoriamento está presente em todas essas ações”, diz o Cel Lester.

De uma forma bem simples, o organizador do SERFA, Major Aviador Rafael Lemos Paes, explica o que é sensoriamento remoto, para que serve e como pode ser utilizado.

“O sensoriamento remoto pode ser utilizado para observação do espaço profundo - como faz a National Aeronautics and Space Administration - Nasa, através do satélite Hubble, para verificar estrelas, buracos negros - quando voltamos esses sensores para a Terra e aí passa a se chamar 'observação da Terra', e ele pode ter uso tanto civil quanto militar. - E nessa área que nos encontramos. Tudo o que nós pensamos que vai proteger a nossa sociedade de algum modo ou que vai agregar valor ao serviço prestado por uma empresa ou por uma instituição, que vai proporcionar algum tipo de crescimento, podemos considerar que é algo de nosso interesse, e é de defesa. Pode ser um problema climático ou de proteção da população, como a questão do narcotráfico”, explica.

Para o presidente do SindCT, Ivanil Elisiário Barbosa “esse tipo de evento é necessário para promover uma troca de ideias, com a finalidade de criar sinergia entre as partes. É algo que deveria acontecer com todas as áreas de Ciência e Tecnologia e, sobretudo, com o setor aeroespacial”.

O evento foi aberto ao público e as inscrições foram realizadas pelo site do IEAv.


Fonte: Jornal do SindCT - Edição 75ª - Dezembro de 2018 – Pág. 03

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial