Existe Um Planeta-Destruidor no Sistema Solar, Dizem Cientistas Ingleses

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (24/12) pelo site “Sputnik News Brasil”, destacando que segundo cientistas da Universidade de Durham (ING), existe um Planeta-Destruidor no Sistema Solar.

Duda Falcão

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Existe Um Planeta-Destruidor no
Sistema Solar, Dizem Cientistas

Sputnik News Brasil
24/12/2018 - 13:38
Atualizado em 24/12/2018 - 13:39

© Foto : Jacob A. Kegerreis/Durham University

Cientistas da Universidade de Durham, na Inglaterra, provaram que alguns bilhões de anos atrás um planeta desconhecido, duas vezes maior que a Terra, colidiu com Urano. Isso explica por que o eixo de Urano ficou “de lado”, ao contrário de todos os outros planetas do Sistema Solar.

O corpo celeste pode se, nesse caso, o nono planeta que se tem procurado. Isso foi relatado em um comunicado de imprensa no Phys.org.

A hipótese sobre a colisão de Urano com um grande planetesimal foi proposta há várias décadas, mas nem todos os pesquisadores concordam com isso. Foi expressa uma versão diferente, segundo a qual o seu eixo de rotação foi "balançado" por um grande satélite que depois desapareceu.

Os resultados da simulação mostraram que a colisão com um objeto grande e a mudança final no eixo de rotação ocorreram em poucas horas. Entretanto, os astrônomos consideram uma colisão com vários corpos celestes menores como menos provável. De acordo com os cientistas, o planeta que bateu em Urano ainda pode estar presente no Sistema Solar e estaria muito além da órbita de Plutão, ou seja, seria o nono planeta que os astrônomos buscam há vários anos.

A catástrofe planetária ocorreu há 3-4 bilhões de anos atrás, possivelmente antes dos satélites de Urano se terem formado. Então o gigante de gelo era um protoplaneta com um disco de gás e poeira, do qual surgiram subsequentemente suas luas. A inclinação do eixo de Urano afetou a inclinação das órbitas de rotação dos satélites e a orientação de seus próprios eixos. A colisão também levou à formação de uma camada externa que mantém o calor dentro do planeta (a temperatura da tropopausa do gigante gasoso é de 216 graus Celsius negativos).

São chamados de gigantes de gelo uma classe de planetas que são compostos de amônia, metano e sulfeto de hidrogênio na forma de líquidos supercríticos. No Sistema Solar, eles são representados por Urano e Netuno. Hidrogênio e hélio correspondem a 20% da massa, o que os distingue dos gigantes gasosos como Júpiter e Saturno (nestes a proporção de hidrogênio e hélio representa 80%).


Fonte: Site Sputniknews Brasil - http://br.sputniknews.com/

Comentário: Pois é leitor, e a comunidade cientifica continua arrogante como sempre. Só porque eles elaboram seus modelos planetários e os rodam em seus computadores obtendo possíveis respostas para suas duvidas, saem fazendo afirmações sem o menor constrangimento até sobre algo que eles supõem ter acontecido há alguns bilhões de anos atrás. Enfim... na verdade leitor, pode até existir realmente um planeta, uma estrela anã, ou qualquer outro tipo de objeto nos confins do nosso sistema solar que esteja interferindo no comportamento dos planetas nesta vizinhança, mas dai afirmar que o mesmo colidiu com o planeta Urano ha 3-4 bilhões de anos atrás só por causa de sua estranha trajetória não passa de pura especulação e não de uma certeza como esses cientistas da Universidade de Durham estão afirmando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes