Divisão de Aeronomia do INPE Realiza Experimento Durante a Operação Mutiti

Olá leitor!

Recebemos no dia de ontem (10/11) um pequeno release da Divisão de Aeronomia (DIDAE) do “Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)”.com maiores informações sobre a Sonda de Langmuir desenvolvida pelo DIDAE para ser testada através do voo do VS-30/V14 da "Operação Muititi" realizada com êxito no ultimo domingo (09/12). Veja abaixo.

Duda Falcão

Divisão de Aeronomia do INPE Realiza
Experimento Durante a Operação Mutiti

Como parte das atividades da Operação Mutiti conduzida pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE/DCTA), o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) lançou, às 13h43min (horário de Brasília) do último domingo (09/12), um foguete VS-30 levando a bordo dois experimentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), dentre eles uma sonda de Langmuir  desenvolvida por sua Divisão de Aeronomia (DIDAE).

A carga útil que atingiu um apogeu de 124 km é resultado do aprimoramento das características instrumentais dos sensores para diagnóstico da ionosfera equatorial empregados em outras missões realizadas em colaboração com o IAE. Iniciada no começo dos anos 1980, esta parceria já possibilitou a execução de mais de uma dezena de experimentos de sondagem ionosférica com foguetes, uma plataforma com características únicas que permite obter medidas in situ num intervalo de altitude completamente inacessível a balões e satélites. Espera-se que a atual configuração da sonda de Langmuir proporcione uma determinação mais confiável de parâmetros físicos como a densidade numérica e a temperatura dos elétrons, necessidade imprescindível para que se possa confirmar a natureza geofísica de algumas anomalias que se tem observado na região equatorial de diferentes setores longitudinais. Adicionalmente, medidas in situ de parâmetros ionosféricos nas proximidades do eletrojato equatorial são particularmente importantes no estudo das irregularidades que surgem nesta região, o que pode vir a revelar resultados de especial interesse para a área de Aeronomia.

A DIDAE tem o domínio da construção e do processamento de dados de sondas de plasma destinadas a veículos espaciais, o que habilita esta divisão a tomar parte também em missões que envolvam a instrumentação de satélites científicos voltados ao estudo da ionosfera ou do clima espacial. O monitoramento das condições meteorológicas e ionosféricas sobre a região de lançamento contou ainda com o suporte instrumental do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), do Grupo de Estudos Ionosféricos com Rádio Equipamentos de Superfície (EIRES/DIDAE/INPE), da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), do Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE/INPE), da Universidade do Texas em Dallas e da rede AMBER de magnetômetros.

Foto: Detalhe do sensor metálico da sonda de Langmuir levada
a bordo do foguete VS-30 lançado durante a Operação Mutiti.


Fonte: Divisão de Aeronomia (DIDAE) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes