Participação do Brasil em Obs. Europeu Continua Indefinida

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (17/09) no site do jornal “O Estado de São Paulo” destacando que a adesão do Brasil ao Observatório Europeu do Sul (ESO) e sua participação na construção do “Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT)” continuam indefinidas devido a falta de atitude do governo DILMA ROUSSEFF.

Duda Falcão

Astronomia

Participação do Brasil em Observatório
Europeu Continua Indefinida

HERTON ESCOBAR
O Estado de São Paulo
17 de setembro de 2012 -17:57:41

FOTO: ESO/L. Calçada
Ilustração de como será o E-ELT, nos Andes da
região de Atacama, no Chile.

A adesão do Brasil ao Observatório Europeu do Sul (ESO, em inglês) e sua participação na construção do Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT) continuam indefinidas, quase dois anos após a assinatura de um acordo formal entre o consórcio europeu e o governo brasileiro. A parceria, que garantirá o acesso de pesquisadores brasileiros a vários telescópios de ponta do ESO instalados no Chile, tem um custo estimado de R$ 565 milhões em dez anos.

Os primeiros pagamentos deveriam ter sido feitos em 2011, mas não foram, porque o contrato de adesão não foi enviado ao Congresso para ser ratificado – etapa necessária por se tratar de um acordo entre países. Em janeiro, o diretor-geral do ESO, Tim de Zeeuw, fez várias advertências de que a sociedade com o Brasil poderia ser revista, ou até cancelada, caso o País não ratificasse o acordo até meados deste ano – o que não aconteceu.

Agora, em nova entrevista ao Estado, Zeeuw diz que sua intenção não foi dar um “ultimato” ao Brasil, mas “encorajar” o País a acelerar o processo de ratificação e, assim, garantir a participação da indústria brasileira nas licitações para construção do E-ELT – que deverá ser o maior telescópio do mundo, com um espelho de 39 metros de diâmetro. “A indústria brasileira tem ótimas condições de competir nesse processo, mas só poderá receber contratos se o Brasil for membro pleno do ESO, o que implica em ratificar o acordo de adesão e depositar os pagamentos anuais”, afirma Zeeuw.

Segundo informações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o acordo de adesão foi enviado ao Ministério das Relações Exteriores (MRE) no dia 30 de maio e agora está com a Casa Civil, com a anuência de ambas as pastas. A Casa Civil informou apenas que o documento está “em análise” e não deu previsão de quando (ou se) ele será enviado ao Congresso. Zeeuw, porém, não estipulou nenhum novo prazo para isso, dizendo apenas que “seria melhor” se o Brasil ratificasse o acordo até o fim deste ano, já que os contratos de construção do E-ELT começarão a ser negociados em 2013.

“Nenhum dos 14 sócios europeus tem interesse em ‘expulsar’ o Brasil. Pelo contrário, eles têm uma opinião muito positiva sobre a adesão do País, uma vez que isso permitirá trabalhar em parceria com o Brasil em ciência e tecnologia, com benefícios mútuos”, afirma o diretor.

Mais do que isso, a participação do Brasil é considerada vital, financeiramente falando, para a construção do E-ELT. Fontes próximas ao projeto dizem que os europeus, em meio a uma crise econômica e com seus orçamentos já esticados ao máximo, não têm como bancar o telescópio sozinhos – o que explicaria a inusitada “paciência” europeia com o Brasil. O custo estimado do telescópio é de mais de EU$ 1 bilhão.

A entrada do Brasil no ESO, se confirmada, faria do País o primeiro não europeu a integrar o consórcio. A maior parte da comunidade científica astronômica brasileira é favorável à adesão. Alguns críticos, porém, consideram o preço alto demais – mesmo com o desconto de 30% oferecido pelo ESO, comparado ao que pagam os países europeus.

A bandeira do Brasil já figura no site e em todos os materiais de divulgação do ESO desde o início de 2011, mesmo com o acordo não ratificado. Astrônomos brasileiros, assim como os de qualquer outro país não membro, sempre puderam participar de pesquisas feitas com os telescópios do ESO (todos localizados nos Andes chilenos), mas sempre em colaboração com parceiros europeus. Como membro do consórcio, o País ganharia muito mais acesso e autonomia no uso desses telescópios, que estão entre os melhores do mundo para uma série de aplicações.

FOTO: ESO/G.Hüdepohl
O Observatório de Paranal é a maior “joia” do ESO, com vários telescópios
de alta tecnologia. Abaixo, uma das fotos mais recentes divulgadas de lá, da
galáxia NGC 1187, localizada a 60 milhões de anos-luz da Terra.
A imagem foi feita com o Very Large Telescope, que significa,
literalmente, Telescópio Muito Grande.

FOTO: ESO


Fonte: Site do jornal O Estado de São Paulo - 17/09/2012 

Comentários

  1. Nada de muito novo...

    Para acelerar a construção dos estádios, eles aceitaram um "pé no traseiro".

    Mas para honrar este e outros acordos internacionais de real interesse da nação, é quase impossível.

    É questão de aritmética. Afinal, quantos "eleitores" estão interessados nos estádios em comparação com aqueles interessados em astronomia e programa espacial?

    Lamentável.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto fragmentos de um imenso meteoro atingem a Rússia (e o mundo) de surpresa, o Brasil se nega a participar da construção do maior telescópio do mundo, o que daria um impulso gigantesco à ciência e à tecnologia no país! Claro, uma classe dominante provinciana e atrasada, que não enxerga um palmo diante do nariz, desinteressada no verdadeiro desenvolvimento nacional, que consiste no avanço da cultura e da ciência e sua massificação para o povo, não tem o menor interesse em observar as estrelas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial