INPE de Cachoeira Paulista Comemora Amanhã 42 Anos

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (27/09) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o instituto irá comemorar amanhã 28/09, em evento conduzido pelo diretor Leonel Perondi, os 42 anos da Unidade de Cachoeira Paulista do INPE.

Duda Falcão

Cachoeira Paulista Reúne Atividades
de Propulsão, Geração de Imagens,
Monitoramento Solar e Meteorologia

Quinta-feira, 27 de Setembro de 2012


Nesta sexta-feira, 28 de setembro, a Unidade de Cachoeira Paulista do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) comemora 42 anos. Conduzida pelo diretor Leonel Perondi, uma solenidade irá homenagear servidores e destacar as principais realizações do último ano. O evento começa às 14 horas no auditório do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC).


Em Cachoeira Paulista, o INPE mantém, entre outros experimentos e atividades, o CPTEC, o Laboratório de Combustão e Propulsão (LCP), as divisões de Geração de Imagens (DGI) e de Satélites e Sistemas Ambientais (DSA), além do Projeto BDA para monitoramento da atividade solar.

Propulsão e Combustão

Os ensaios do subsistema propulsivo completo da Plataforma Multimissão (PMM), realizado na câmara principal de vácuo do Banco de Testes com Simulação de Altitudes (BTSA), é um dos destaques do ano. O BTSA é parte do Laboratório Associado de Combustão e Propulsão (LCP) que, há três meses, foi responsável pela qualificação do primeiro subsistema de propulsão nacional para satélite, que estará a bordo do Amazônia-1.

O LCP construiu um sistema de compatibilidade de materiais para o desenvolvimento de um tanque de hidrazina nacional, em parceria com a Fibraforte, empresa brasileira envolvida no subsistema de propulsão da PMM.

A equipe do LCP participou também da elaboração de normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para o setor espacial, incluindo normas de segurança e compatibilidade de materiais e normas de características, amostragem e métodos de análise de fluidos.

O LCP deve inaugurar em novembro o seu Laboratório de Aplicações em Combustão e Gaseificação (LACG), que conta com financiamento da Petrobras. Este laboratório servirá para estudos de processos de combustão e gaseificação, visando a mitigação do efeito estufa, com a redução das emissões de poluentes e de consumo de combustíveis.

No LCP são realizadas atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação nas áreas de combustão aplicada, combustão teórica e meio ambiente, que envolvem desde queimadas experimentais (quando se incendeia uma área controlada, para fins de pesquisa) na Amazônia a testes de materiais poliméricos do veículo lançador de satélites (VLS) e o desenvolvimento de injetores de biocombustíveis. Outra área atendida pelo LCP é a de catálise e materiais, que inclui produção de combustível sintético, catalisadores para propelentes espaciais e transportadores de oxigênio para combustão limpa.

Geração de Imagens

Receber, armazenar, processar e distribuir imagens de satélites nacionais e internacionais é a missão da Divisão de Geração de Imagens (DGI), que recentemente atingiu a marca de 2.000.000 de imagens fornecidas sem custo para o usuário, através de seu catálogo online.

Em Cachoeira Paulista está o Centro de Dados de Sensoriamento Remoto (CDSR), que possui um dos acervos mais antigos do mundo, pois registra imagens de satélite desde 1973 (o primeiro satélite de sensoriamento remoto, o Landsat-1, foi lançado em 1972). O catálogo do INPE possibilita o acompanhamento das mudanças ambientais, urbanas e hídricas no país através do registro por satélites.

Além de satélites de sensoriamento remoto, para observação da Terra, a DGI também trabalha com imagens de satélites meteorológicos. Neste ano, foi instalado um novo sistema de armazenamento de imagens de satélites e, desde maio, a divisão recebe e processa dados do satélite britânico UK-DMC-2. Em agosto foi instalada uma nova antena para aquisição de dados dos satélites NOAA.

Atualmente, estão sendo recebidos dados dos satélites Aqua, Terra, Resourcesat-1, GOES-12, GOES-13, UK-DMC-2, Landsat-7, NOAA-15, NOAA-16, NOAA-18 e NOAA-19 e Mateosat. A DGI se prepara receber os dados dos satélites Landsat-8, NPP, METOP-B, Resourcesat-2 e CBERS-3.

BDA

Para estudos de Clima Espacial, o INPE terá o primeiro monitor com mapas da atividade solar, um instrumento de grande porte que será único no mundo. Para isso, em Cachoeira Paulista está o Arranjo Decimétrico Brasileiro (BDA, na sigla em inglês), projeto que reúne o maior conjunto de telescópios já instalado no Brasil para observação de objetos celestes.

Esse radiointerferômetro em ondas decimétricas possui 26 antenas para rastreio do Sol, sendo que 10 delas já estão completas, com seus receptores instalados e conectados a central de operação. O projeto é desenvolvido pelo pesquisador Hanumant Sawant, da Divisão de Astrofísica do INPE, com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e FAPESP.

No mundo existem apenas 13 centros de alerta para Clima Espacial, entre eles o do INPE, para monitorar tempestades magnéticas e evitar que seus efeitos provoquem danos em sistemas tecnológicos nas áreas de comunicações, geoposicionamento, linhas de transmissão de eletricidade, aviação civil, satélites e outros.

O BDA é um projeto que se utiliza de tecnologias na fronteira do conhecimento e será capaz de mapear o Sol em detalhe, com pelo menos dez imagens por segundo, o que constituirá num grande avanço para o monitoramento de Clima Espacial do INPE.

Meteorologia

O Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) é responsável por um dos serviços mais conhecidos do INPE. No centro está instalado o Tupã, que está entre os mais poderosos supercomputadores do mundo para previsão de tempo e estudos em mudanças climáticas.

No último ano, um aprimoramento da previsão foi possível graças à melhoria de modelos para a descrição da dinâmica atmosférica. Também foi implementado modelo de previsão numérica regional com escala espacial de cinco quilômetros e previsão de cinco dias para toda a América do Sul.

Antena do BDA. Dez das 26 antenas já estão prontas,
sendo que todas estarão operacionais até dezembro

Nova antena da DGI para recepção de dados meteorológicos NOAA

Subsistema de propulsão para satélite em teste no BTSA/LCP


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentário: Sou fã incondicional do trabalho que esse instituto e suas unidades vem realizando desde os meus sete anos de idade, ou seja, há 42 anos acompanho com grande interesse as atividades desse instituto e sou testemunha do muito que foi feito e do que poderia ter sido feito se nossos pseudos governantes nos últimos 42 anos não fossem uma mistura de jumentos (peço desculpa a Associação Brasileira Protetora dos Animais - ABPA) com de...loides, motivados que são unicamente pela luta pelo poder e outras coisitas a mais muito menos nobres. Hoje, o reconhecimento internacional alcançado por esse instituto, transformou-o certamente na instituição de pesquisa brasileira mais conhecida em todo o mundo. Assim sendo, não poderia deixar de prestar a minha homenagem a essa unidade do INPE e a seus servidores pela passagem dos 42 anos de fundação dessa importante e crucial unidade desse instituto que é hoje uma referencia mundial. Parabéns ao INPE de Cachoeira Paulista e aos seus servidores, vocês são "Gente que Faz".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial