O INPE e o Futuro Espacial do Brasil

Olá leitor!

Segue abaixo um pequeno artigo publicado dia (18/06) pelo site do “Jornal de Barretos” destacando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e o futuro do Programa Espacial Brasileiro.

Duda Falcão

O INPE e o Futuro Espacial do Brasil

Mario Eugenio Saturno*
Jornal de Barretos
18 de junho de 2011

Próximo de completar 50 anos, o INPE prepara-se para o ano 2020, planejando as próximas missões. E, dias atrás, aconteceu uma Audiência Pública na Câmara dos Deputados promovida pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, em que foi destacada a necessidade urgente de mais recursos humanos para o Programa Espacial Brasileiro.

O diretor do INPE, Gilberto Câmara, explicou que o programa espacial é importante para a solução de grandes problemas nacionais na agricultura, energia, vigilância das fronteiras, meio ambiente, etc. E propõe lançar um satélite por ano entre 2012 e 2020, contra uma média recente de um a cada quatro anos. Está mais que claro a necessidade de pessoal especializado. O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Marco Antonio Raupp, descreveu o porque da grande preocupação: o INPE conta com apenas 1.150 técnicos (tinha 1.700 na década de 80), e o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) tem tão somente mil (contra 2.500). Se alguém julgar muito, a Índia, um dos BRICS, como o Brasil, tem 16 mil. E, para arrematar, o presidente do Sindicato da Ciência e Tecnologia, Fernando Morais Santos, qualifica o programa espacial como uma “tragédia de desinteresse e omissão” com pessoal muito velho se comparada com a China, por exemplo.

Apesar disso, os cientistas elaboraram o Plano Diretor do INPE para o período de 2011 a 2015. São doze objetivos estratégicos que pretendem consolidar a posição do INPE no Brasil e no mundo. Inclui ainda diversos satélites científicos e de observação da Terra. E a grande novidade é a entrada de um grande parceiro: a Agência Espacial Norte-Americana, NASA, uma incrível oportunidade que não pode ser desperdiçada.

E essa parceria, por incrível que pareça, torna-se possível graças à cooperação com a Argentina. As empresas brasileiras não se entendem de jeito nenhum e estavam provocando um atraso imenso no projeto de satélites de sensoriamento remoto, mais de dez anos, até que o diretor do INPE teve um “insight” e conseguiu contratar a estatal INVAP, fabricante de reatores nucleares e satélites.

E, para corroborar a escolha, foi lançado com sucesso o satélite argentino SAC-D no último dia 10 de junho. Esse satélite foi testado (ensaios ambientais) no Laboratório de Integração de Testes (LIT) do INPE. O SAC-D, Satélite de Aplicações Científicas da Argentina, leva a bordo o Aquarius, equipamento para monitorar a salinidade oceânica do Jet Propulsion Laboratory (JPL) da NASA.

E não custa divulgar que Pesquisadores do INPE (Walter D. Gonzalez e Ezequiel Echer) e da NASA (Bruce Tsurutani) desvendaram as causas do último “mínimo solar”: fatores na velocidade do vento solar e na intensidade e direção de seus campos magnéticos ajudaram a produzir estes valores anomalamente baixos, conforme devidamente relatado na revista “Annales Geophysicae”.

*Mario Eugenio Saturno é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), professor do Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva e congregado mariano.


Fonte: Site do Jornal de Barretos - 18/06/2011 - http://www.jornaldebarretos.com.br/

Comentário: Tudo passa pela efetiva ação do governo, se houver, resultados serão obtidos, se não houver, continuaremos nessa mesma situação. O prazo para definiçao é dezembro desse ano e quanto mais cedo vier, melhor.

Comentários

  1. So quero saber se e verdade quando diz:

    (As empresas brasileiras não se entendem de jeito nenhum e estavam provocando um atraso imenso no projeto de satélites de sensoriamento remoto, mais de dez anos)

    Porque se for e muito ruim que isso aconteca

    ResponderExcluir
  2. Para mim é um orgulho saber que existem pessoas da cidade onde me criei comprometidas com assuntos de tão relevada importância. Parabéns á equipe do blog

    ResponderExcluir
  3. Olá Rafael!

    Ele se refere ao caso do "Subsistema para Controle de Atitude e Gerenciamento de Dados (ACDH)" para o satélite Amazônia-1, que na época da escolha da empresa que desenvolveria esse subsistema via concorrência pública deu uma confusão danada e o INPE então resolveu anular a concorrência e contratar a empresa argentina INVAP com transferência de tecnologia. Mas as coisas não acontecem assim normalmente e esse foi um caso isolado junto com o famoso caso da construção da TMI do VLS-1.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  4. Olá Gilsão!

    Agradecemos você pelo reconhecimento ao nosso trabalho e continue nos visitando, e esteja sempre à vontade para opinar sobre os assuntos aqui postados.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial