Pesquisador e Aluno de Pós-Graduação do IEAv Tem Patente Depositada no INPI

Olá leitor!

Segue uma nota postada hoje (22/10) no site do Instituto de Estudos Avançados (IEAv) destacando que pesquisador e aluno de Pós-Graduação, ambos do IEAv, tem patente depositada no INPI.

Duda Falcão

Pesquisador e seu Aluno de Pós-Graduação,
Ambos do IEAv, Tem Patente Depositada no INPI

22/10/2013

O Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães, chefe da Divisão de Energia Nuclear do IEAv e gerente do projeto TERRA, e o Engenheiro Guilherme Moreira Placco seu aluno regularmente matriculado no programa de pós-graduação do ITA “Ciências e Tecnologias Espaciais” – PG-CTE, tiveram uma patente depositada no INPI sob o número BR 10 2013 0262137. Esta patente trata da Turbina Passiva Multi Fluido – TPMF, um trabalho que o Guilherme vem desenvolvendo desde a sua graduação e chegando ao seu mestrado, sob a orientação do Dr.Lamartine Guimarães. Esta turbina é uma evolução da turbina de Tesla convencional. Em princípio,esta turbina está sendo desenvolvida para melhorar a eficiência de ciclos térmicos a serem utilizados para conversão de calor em energia elétrica, em micro usinas nucleares de aplicação em sistemas espaciais. Adicionalmente, surgiu uma aplicação paralela da mesma, nos sistemas de segurança deusinas PWR e BWR antigas, que estejam para passar pelo processo de extensão de vida. Esta aplicação foi reconhecida após o acidente de Fukushima. O fato principal desta aplicação paralela é o seu caráter passivo, expresso inclusive no seu nome. Esta patente foi desenvolvida no âmbito do projeto estratégico TERRA, sendo conduzido pelo IEAv e em especial pelo Laboratório de Sistemas Térmicos da Divisão de Energia Nuclear. Além dos recursos orçamentários do projeto TERRA, contribuíram, também, para este desenvolvimento a FAPESP e o CNPq.

A turbina TPMF em escala reduzida é representada pelo
número 11. Nesta foto a turbina TPMF está montada com
um sistema de controle de rotação e opera com ar comprimido.
Os LEDs representados pelo nº 1 acendem sequencialmente e
o valor de voltagem de 4 V é mantido constante pelo controle.


Fonte: Site do Instituto de Estudos Avançados (IEAv)

Comentário: Poxa Dr. Lamartine, quando vi essa nota no site do IEAv fiquei muito feliz por observar que seu trabalho e de sua equipe no Projeto TERRA já está dando frutos. Da Bahia envio ao senhor, a seu aluno e toda sua equipe, meus sinceros votos de congratulações pelo trabalho well done. Aproveito para convidar o leitor que ainda não teve oportunidade de conhecer o Projeto TERRA a ler a entrevista realizada pelo blog com o Dr. Lamartine Guimarães clicando aqui.

Comentários

  1. Se o PEB não estivesse mais para Palhaçada Espacial Brasileira, esse e outros projetos do gênero voltados a tecnologias inovadoras deveriam estar recebendo recursos na mesma proporção dos estádios da Copa (no mínimo).

    No entanto, como já sabemos, os envolvidos no tal PEB, não tomam nenhuma atitude mais drástica a respeito. Portanto, vão continuar recebendo migalhas e essas realizações vão acabar caindo ou no esquecimento (como o motor L15) ou nas mãos de algum outro país que trate seus programas espaciais com mais seriedade, como Irã ou Coreia.

    Esta é a nossa dura e triste realidade, infelizmente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial