O Brasil e a Tecnologia de Foguetes - Perspectivas Futuras

Olá leitor!

Como todos nós sabemos quando se fala em foguetes de sondagens e veículos lançadores de satélites no Brasil está se falando no Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e em uma menor escala no Instituto de Estudos Avançados (IEAv).

Acontece que nos últimos anos esse quadro começa a incluir outros importantes players como empresas, grupo de pesquisas e universidades que em minha opinião em breve ajudarão a mudar a cara da área de desenvolvimento de foguetes no país.

O blog tem falado sobre essas iniciativas como a do grupo paulista “Edge Of Space - A Inovadora Iniciativa Paulista” que é coordenado pelo engenheiro aeronáutico José Miraglia, da empresa “Acrux Aeroespace Technologies” que é coordenada pelo engenheiro mecânico Oswaldo Barbosa Loureda, na iniciativa da Universidade de Brasília (UnB)O Motor Foguete Híbrido da UnB” , “A UnB e o Programa Uniespaço” que é coordenado pelo professor Carlos Alberto Gurgel e na iniciativa da Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP)Foguete Híbrido da UNIVAP” que é coordenado pelo pesquisador Silas Camargo de Matos.

Vale salientar que além da tecnologia de motores-foguetes movidos a propulsão sólida, esses pesquisadores estão envolvidos principalmente com o desenvolvimento de motores-foguetes líquidos e híbridos, tecnologias que ainda não são dominadas pelo Brasil.

No entanto, existem atualmente em curso três projetos que com as devidas proporções já rivalizam ou rivalizarão em breve com pequenos foguetes de sondagens desenvolvidos anteriormente pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE).

Esses foguetes que estão sendo desenvolvidos pela empresa Avibrás Aeroespacial S.A. de São José dos Campos (SP) são os seguintes:

Foguete de Treinamento Básico (FTB): O foguete FTB que custa aproximadamente R$ 70 mil é um foguete mono-estágio, não guiado, movido a propelente sólido, com 3,5 metros de comprimento, pesando 67,8 kg, incluindo 20,7 kg de carga útil e apogeu de pouco mais de 30 km. Esse foguete de treinamento que já foi testado em vôo (Operação FogTrein I - 10 à 13 de agosto de 2009) e qualificado (Operação FogTrein II - 20 e 21 de outubro de 2009) tem 90% de tecnologia nacional.

Foguete de Treinamento Intermediário (FTI): Não se tem ainda maiores informações sobre esse foguete de treinamento, mais se espera que o mesmo seja um pouco maior que o FTB e que alcance um apogeu entre 50 e 60 km. O primeiro vôo teste deste foguete esta previsto para ocorrer em 2010.

Foguete de Treinamento Avançado (FTA): Também não se tem maiores informações sobre esse foguete de treinamento, mais se acredita que o mesmo será capaz de atingirá o apogeu de 100 km, o que o torna capaz de fazer sondagens meteorológicas. Existem indicações que esse foguete fará seu primeiro vôo teste em 2011.

Convido você leitor a ver abaixo o vídeo da “Operação FogTrein I” com o foguete FTB, ocorrida entre 10 à 13 de agosto do ano passado no Centro de Lançamento de Alcântara.

Duda Falcão


Vídeo da “Operação FogTrein I” - 10 à 13/08/2009


Fonte: Diversas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022