Empresas Brasileiras e Belgas Reunem-se no INPE


Olá leitor!

Segue uma notícia postada hoje (26/02) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que empresas brasileiras e belgas se reúnem no INPE visando identificar oportunidades empresariais de interesse mútuo, assim como o fortalecimento do setor.

Duda Falcão

Empresas Aeroespaciais Belgas e Brasileiras Reúnem-se no INPE

26/02/2010

A Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) realizam no dia 1º de março (segunda-feira), em São José dos Campos, o Encontro de Empresas do Setor Aeroespacial Brasil-Bélgica. O objetivo é promover uma aproximação de empresas dos dois países que atuam na área e divulgar o Programa Espacial Brasileiro, visando a identificação de oportunidades empresariais de interesse mútuo, assim como o fortalecimento do setor.

O encontro contará com a participação de representantes de 12 empresas brasileiras e 10 empresas belgas. Cada empresa fará uma breve apresentação de suas atividades. Nos dias 2 e 3 de março, serão realizadas visitas individuais às empresas, organizadas pela Embaixada da Bélgica no Brasil.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Apesar da Bélgica ser um dos países integrante da ESA (Agência Espacial Européia) não vejo como essa aproximação pode ser benéfica ao Brasil. No entanto, vamos aguardar para observar melhor o que sai desse encontro. O blog não acredita que quantidade signifique qualidade como pensa o presidente da AEB, Carlos Ganem. Na realidade o blog acredita que se deva sim fazer acordos, mas com países que realmente tenham algo a oferecer ao PEB, como os EUA, Rússia, França, Alemanha, Japão, China, Índia, Canadá e mesmo assim em áreas específicas que o país ainda não domina. Dá forma que a coisa está sendo conduzida pela AEB, a perda de foco apresentada até o momento é algo que não pode ser contestada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial