Diretor da ACS Apresenta "Projeto Cyclone-4" ao Senado


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (25/02) no site da Alcântara Cyclone Space (ACS), destacando que o diretor-geral da parte brasileira da empresa bi-nacional, Roberto Amaral, apresentou o “Projeto Cyclone-4" ao Senado Federal na manhã desta quarta-feira (24/02).

Duda Falcão

Diretor-Geral Brasileiro da ACS Apresenta Projeto Cyclone-4 ao Senado

25/02/2010

O diretor-geral brasileiro da empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), Roberto Amaral, participou, na manhã desta quarta-feira (24), de audiência pública convocada pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Também participou do encontro o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Ganem. Oleksandr Serdyuk, diretor-geral ucraniano da ACS, esteve na Casa para prestigiar a palestra do colega brasileiro.

A participação de Roberto Amaral deu-se graças ao convite do Presidente da Comissão, Senador Flexa Ribeiro, feito a partir de requerimento apresentado pelo Senador Antonio Carlos Valadares. Durante quase duas horas, Amaral falou sobre a importância da empresa binacional Alcântara Cyclone Space para a economia do Brasil.

Ele ressaltou os benefícios para o Brasil que serão alcançados por meio da parceria com a Ucrânia. “Não falo apenas de ganhos comerciais ou tecnológicos, que serão muitos e importantes”, disse. “Refiro-me ao fato de transformarmos nosso país em um país que passe a não mais depender do humor de outras nações no trato das questões mais estratégicas, como nosso controle aéreo, nossas fronteiras e nossas riquezas.”

Projeto Estratégico

Roberto Amaral defendeu a necessidade de se transformar o Projeto Cyclone-4 em estratégico para o país. “Precisamos tratar com mais atenção os nossos projetos estratégicos”, disse Amaral. “Não basta apenas dizer que é estratégico. É preciso tratá-lo como tal, dar a ele um tratamento diferenciado.”

O diretor-geral brasileiro da ACS voltou a lembrar a escassez de recursos que atinge em cheio o Programa Espacial Brasileiro. E cobrou, também, maior empenho no sentido de dar mais e melhores condições de trabalho ao setor. “Somos o 23º país do mundo que, em relação ao PIB, mais investe no Programa Espacial. Não podemos aceitar isso, principalmente porque temos tantas vantagens para fazer desse setor um dos principais de nosso país”, destacou Amaral.
Na platéia, além dos senadores Antonio Carlos Valadares, Wellington Salgado e Lobão Filho, que presidiu a sessão, estavam o embaixador da Ucrânia no Brasil, Volodymyr Lakomov, os deputados federais Ribamar Alves, presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Programa Espacial Brasileiro, Domingos Dutra e Gonzaga Patriota, além de diretores e vice-diretores da própria ACS.


Fonte: Site da Alcântara Cyclone Space (ACS)

Comentário: Tudo que o senhor Roberto Amaral defende na opinião do blog tem fundamento, apesar de termos sérias duvidas quanto ao sucesso da ACS no mercado internacional e não termos nenhuma dúvida quanto ao seu despreparo administrativo na condução dessa empresa. É sabido que o Brasil precisa urgentemente investir e organizar o seu programa espacial para que a sociedade brasileira possa não só colher os benefícios dessa tecnologia que se espalha cada vez mais através do mundo, mas principalmente por uma questão de segurança, agora ainda mais exigida devido a grande exposição internacional atingida nos últimos anos pelo país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial