IFI Tem Novo Diretor


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (19/02) no site do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) destacando que o coronel-aviador "Nilton Cícero Alves" substituiu o coronel-aviador "Sebastião Gilberti Maia Cavali", no cargo de diretor do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI)".

Duda Falcão

Novo Diretor no IFI

19/02/2010

No dia 2 de fevereiro, o coronel aviador Nilton Cícero Alves substituiu o coronel aviador Sebastião Gilberti Maia Cavali, no cargo de diretor do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI). A cerimônia de transmissão de cargo, ocorrida no pátio de formaturas do órgão, foi presidida pelo diretor-geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), tenente-brigadeiro-do-ar Cleonilson Nicácio Silva, e contou com a presença de diversas autoridades civis e militares.

Em seu discurso de despedida, o coronel Cavali destacou os desafios enfrentados, bem como a importância do apoio que recebeu da direção do DCTA e dos funcionários do IFI, durante a sua gestão. Destacou, com especial ênfase, a consolidação da primeira certificação espacial brasileira, a do veículo de sondagem VSB 30, marco que o fará sempre lembrar, com muito respeito e orgulho, do tempo em que esteve à frente do instituto.

Como parte da cerimônia e no intuito de perpetuar a consciência ecológica e homenagear autoridades do DCTA e amigos do IFI, foi realizado o plantio de árvores nativas pelos homenageados.



Fonte: Site do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)

Comentário: O blog “Brazilian Space” deseja sucesso ao coronel aviador Nilton Cícero Alves no cargo de diretor do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI). Parabéns coronel e agora bola para frente, pois a certificação espacial brasileira do veículo de sondagem VSB 30 já é passado e o país tem ainda outros foguetes para serem certificados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial