INPE e USGS Discutem Aplicações do LANDSAT-8


Olá leitor!

Segue uma notícia postada hoje (25/02) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o mesmo e a United States Geological Survey (USGS) discutirão nessa quinta-feira (25/02) aplicações do satélite LANDSAT-8.

Duda Falcão

INPE e USGS Discutem Aplicações do LANDSAT-8

25/02/2010

As cooperações futuras em missões de Sensoriamento Remoto, aplicações nas áreas de florestas, desmatamento e uso da terra, agricultura, monitoramento de águas interiores e política de dados são temas que serão discutidos nessa quinta-feira (25/02), em reunião bilateral entre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e a United States Geological Survey (USGS). O encontro dá prosseguimento à reunião realizada em Washington em novembro de 2009.

O USGS e o INPE mantêm intensa colaboração no Programa LANDSAT. O USGS é responsável por receber, arquivar e distribuir os dados gerados pelo satélite. A instituição já reafirmou seu compromisso de que os dados do próximo satélite da família (LANDSAT-8) continuarão livres e que o INPE terá acesso a eles por meio de sua estação terrena em Cuiabá. O USGS e o INPE também demonstraram interesse comum em desenvolver programas de aplicação dos dados de satélite de sensoriamento remoto para questões de interesse social.

Os temas de Saúde, Ecossistemas e Água foram mencionados no encontro, como assuntos potenciais de uma cooperação USGS-INPE na área de Aplicações.

Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: O que acrescentar a mais sobre o grande trabalho que esse instituto de pesquisa realiza desde a sua fundação? Nada há meu ver o que acrescentar, a não ser que o mesmo só não foi ainda mais longe pelos próprios entraves que afligem o desenvolvimento do “Programa Espacial Brasileiro”. Parabéns ao INPE por essa nova iniciativa que certamente trará novos benefícios a sociedade brasileira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial