O Programa Espacial Brasileiro e a Amazônia


Olá leitor!

Segue abaixo um artigo publicado na revista eletrônica Com Ciência do dia 24/07 sobre os benefícios do Programa Espacial Brasileiro para a região Amazônica.

Duda Falcão

Notícias

Programa Espacial Brasileiro em Benefício da Amazônia

Por Ana Paula Morales
24/07/2009


Em 2008, foram detectados aproximadamente doze mil kilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia e, de acordo com o Plano Nacional de Mudanças Climáticas, o Brasil deverá reduzir em 30% as taxas de emissão de carbono por desmatamento nos próximos seis anos. Tanto as coletas desses dados quanto às estratégias de redução de desmatamento dependem do monitoramento da Amazônia via satélites. “Por mais que o Brasil tenha um sistema de monitoramento eficiente, ele não é bom para a necessidade que temos”, afirmou Gilberto Câmara Neto, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), na conferência “Os benefícios do Programa Espacial Brasileiro para a Amazônia”, realizada na sexta-feira (17) na 61ª Reunião Anual da SBPC.

O sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal), utilizado no monitoramento, oferece imagens anuais e detecta somente o corte raso, ou seja, quando houve a retirada total da cobertura florestal de uma área. “O desafio agora é detectar aquilo que antecede a remoção total da floresta, que é o necessário para que se evite a destruição”, diz Câmara. Um segundo sistema de monitoramento desenvolvido pelo Inpe, chamado Deter (Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real), oferece imagens em tempo real, mas com menor resolução. “Está sendo muito útil observar como é que a coisa está evoluindo, sem ter que contar o que já aconteceu”, alega o pesquisador.“O desafio que a gente tem é ver o que está acontecendo na Amazônia com cada vez mais qualidade”, diz Câmara. O satélite usado até a pouco pelo Brasil tinha uma resolução de solo de 20m – ou seja, o ‘pixel’ do satélite corresponde a 20m2. Já o satélite lançado em 2007 em parceria com a China, o CEBRS-2B (China Brazil Earth Research Satellite), apresenta uma resolução bem superior, de 2,5m2. Segundo o pesquisador, o uso combinado dos dois tipos de imagens pode dar muito mais informações.

Planos

“Em 2012 o Brasil espera ter capacidade de obter imagens do planeta com 40 metros de resolução a cada dois dias”, afirma Câmara. Essas condições, que são bem superiores ao que se tem hoje com o sistema Deter, segundo o pesquisador, serão alcançadas com o lançamento do satélite Amazônia 1, previsto para 2011, que servirá para a observação da região. Estão também nos planos brasileiros os lançamentos de outros satélites já em construção: o Amazônia-2, e os CBERS-3 e 4, previstos para 2010 e 2013, respectivamente. Além destes, os CBERS-5 e 6 já estão em fase de negociação com os chineses. O satélite Lattes-1, que terá fins científicos, deverá ficar pronto até 2013.

Com o problema da resolução de imagem resolvido até 2012, faltará somente resolver o problema das nuvens, que impossibilitam a captura de imagens. Segundo Câmara, discute-se, para isso, a construção de um satélite SAR (Sintetic Adventure Radar), por meio do Fundo Amazônia, até 2015. Essa tecnologia, baseada nos radares de avião, oferece a vantagem de obter imagens em quaisquer condições climáticas, inclusive com tempo encoberto. O satélite manda pulsos e, através da respostas recebidas por uma antena, compõem a imagem.

Desmatamento

Os estados onde ocorre mais desmatamento, segundo Câmara, são Mato Grosso, Pará e Rondônia, enquanto o estado do Amazonas tem tido uma contribuição pequena. O Mato Grosso liderou por muito tempo os índices de desmatamento, mas foi superado pelo Pará, que em 2008 apresentou as maiores taxas. “Isso tem a ver com a expansão da consolidação agrícola no Mato Grosso, enquanto que no Pará, a maior parte do desmatamento está associada ao binômio madeira e pecuária”, comenta.

Segundo declarado na reunião da SBPC pelo ministro do meio ambiente, Sérgio Minc, o Brasil terá a menor taxa de desmatamento neste ano em relação aos anos anteriores. No entanto, Câmara revela que o Inpe ainda não pode confirmar essa estimativa, já que “o sistema Deter só conseguiu ver o Mato Grosso, que apresenta uma tendência de queda no desmatamento”. No entanto, ainda não existe informação sobre o Pará, que para Câmara é o estado mais crítico.

Planeta em Foco

Os quarenta anos do pouso do homem na Lua, comemorados esta semana, significaram um grande marco para a ciência. No entanto, Câmara afirma que “vôos tripulados não são os aspectos mais importantes do trabalho científico no espaço”. O pesquisador alega que o trabalho relevante feito no espaço pode ser feito com satélites, de forma que o enorme esforço gasto para levar o homem até lá não compensa. “Por mais interessante que possa parecer, o vôo de astronauta não traz ciência. Nós temos um programa espacial cujo objetivo é observar o planeta”, afirma.

O Comitê de Satélites de Observação da Terra (CEOS), formado pelos Estados Unidos, China, Europa e países do Pacífico, do qual o Brasil faz parte, representado pelo Inpe, definiu alguns problemas científicos que precisam de satélites e que não podem ser atendidos por um único país. Dessa forma, dados obtidos por satélites independentes podem ser comparados com uma finalidade em comum. “Um satélite só não resolve o problema, mas vários satélites operando em conjunto, com a política de dados abertos, são mais úteis que esforços separados”, diz Câmara.

Nesse sentido, Câmara afirma que existem tentativas de fazer do CBERS um satélite realmente global. Para cobrir toda a área tropical, seriam utilizadas três estações na África e outras que ainda estão sendo negociadas no Japão, Quênia e Ásia. “A idéia é fazer do CBRES o satélite do sul para o sul”, conclui.


Fonte: Site da revista eletrônica Com Ciência

Comentário: Os planos de satélites que a AEB tem para a Amazônia são louváveis, necessários e exeqüíveis até 2015, apesar do artigo conter algumas informações que não são corretas. A autora do artigo se equivoca quando diz que o Amazônia 2 se encontra em construção. Na verdade os satélites que atuarão na região amazônica e que já se encontram em construção são o CBERS 3 e o Amazônia 1. O CBERS 4 que será uma cópia do CBERS 3, não esta em construção ainda e o Lattes 1 é um satélite científico que eu não acredito que atue na região Amazônica. Já o SAR (Sintetic Adventure Radar) existe um projeto que esta sendo negociado com os Alemães da DLR desde o início desta década, porém ainda não foi confirmado pelas partes envolvidas. Trata-se do satélite radar MAPSAR que para o caso de não ser confirmado já se visualiza um projeto alternativo chamado CBERS-SAR ou CBSAR que seria desenvolvido com os chineses. No entanto, para que esses projetos sejam levados em frente o PEB necessitará de um apoio político mais consistente e mais objetividade por parte dos órgãos que comandam o programa, evitando assim a falta de foco que tem imperado até agora no Programa Espacial Brasileiro.

Comentários

  1. Como vc disse, os planos para a Amazônia, são louváveis. Um dos grandes problemas do nosso programa Espacial, é ter que receber informações de fora (Americanos e Europeus), sobre a NOSSA AMAZÔNIA. Estes dados, temos que comprar de fora. E como não temos a tecnologia necessária, os países do primeiro mundo, ficam fazendo cobranças com relação a Amazônia. Mas, o espaço para uso do Brasil, não deve ser apenas AMAZONIA. Existe também nossos mares (A Amazonia azul), que por causa do pré-sal, ganhou posições mais extratégicas. Existe um problema de controle e planejamento urbano, que pode ser executado via sátelites e outros fatores como controle de fronteiras contra ações de criminosos, drogas e contrabando. Tudo isto deveria ser pensado também, fazendo com que a verba para o PEB, seja 10 vezes maior que a atual. Somos um país de proporções continentais e gastamos o mínino necessário para manter nosso PEB.

    ResponderExcluir
  2. Olá Ricardo!

    Você tem toda a razão, no entanto já existem projetos que cuidarão dessas necessidades que só precisam deixar o bla-blá-blá de lado e partir para a ação. Tratam-se dos Satélites SGB (Satélite Geoestacionário Brasileiro) e o Sabia-Mar (antigo Sabia 3) que deverá ser desenvolvido com os argentinos.

    Forte abraço

    Duda Falcão

    ResponderExcluir
  3. o sistema espacial brasileiro recebe verba insuficiente para se quer lançar satelites simples como por exemplo de monuteraçaõ do clima

    ResponderExcluir
  4. Verdade Felipe!

    E não é só isso amigo. O PEB na realidade padece por diversos problemas e não só a falta de verbas adequadas.

    Forte abraço

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes