Controladoria-Geral da União Investiga Convênio Espacial

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (22/11) no jornal “Folha de São Paulo” destacando que a Controladoria-Geral da União (CGU) está investigando supostas irregularidades em um convênio entre a AEB (Agência Espacial Brasileira) e um instituto em Manaus que visa beneficiar a mal engenhada empresa Alcântara Cyclone Space (ACS).

Duda Falcão

Controladoria Investiga Convênio Espacial

Consultoria para a AEB (Agência Espacial Brasileira) já recebeu
R$ 6,6 milhões, de um total de R$ 40,7 milhões Falta de projeto e
valor acima do de mercado chamam atenção; após saber de
reportagem, agência detém convênio

Claudio Ângelo
De Brasília
Folha de São Paulo
22/11/2010

A Controladoria-Geral da União investiga supostas irregularidades em um convênio entre a AEB (Agência Espacial Brasileira) e um instituto em Manaus.

A parceria envolve consultoria beneficiando a empresa montada por Brasil e Ucrânia para lançar satélites da base de Alcântara (MA).

O convênio foi cancelado pelo presidente da AEB, Carlos Ganem, na mesma semana em que ele soube que o contrato seria objeto desta reportagem. Mas a AEB já repassou R$ 6,6 milhões, de um total previsto de R$ 40,7 milhões, ao Isae (Instituto Superior de Administração e Economia da Amazônia).

Ligado à Fundação Getúlio Vargas, o órgão deveria produzir estudos sobre o "desenvolvimento e acompanhamento do modelo de gestão para a complementação da infraestrutura do complexo espacial de Alcântara".

O complexo consiste na base do foguete ucraniano Cyclone-4 dentro do Centro de Lançamentos de Alcântara, o CLA, da Aeronáutica.

O centro seria gerido pela ACS (Alcântara Cyclone Space), empresa binacional cujo diretor brasileiro é Roberto Amaral, vice-presidente do PSB. O partido controla o Ministério da Ciência e Tecnologia, ao qual a AEB é ligada.

PARECER CONTRÁRIO

O convênio foi firmado em 22 de dezembro de 2008. O dinheiro foi empenhado e liquidado no mesmo dia -algo pouco comum para esse tipo de dispêndio.

Três dias antes, porém, o procurador da AEB, Ivan de Almeida Ferreira Júnior, enviara a Ganem um parecer apontando problemas.

No texto, o procurador afirma que não havia sequer um projeto básico para os estudos e estranha o valor do serviço, sugerindo mais pesquisas de preço.

Uma fonte sênior da área, consultada pela Folha, calculou que, para custar esse valor, os estudos demandariam quase 20 anos de trabalho de um consultor, a US$ 500 por hora -preço acima do valor de mercado- e trabalhando 12 horas ao dia.

Ganem, contudo, formalizou o convênio e designou uma comissão para acompanhá-lo. A comissão apontou irregularidades, mas os desembolsos (mais três) continuaram acontecendo.

Ele diz que os desembolsos ocorreram dentro da lei. Em 16 de setembro de 2010, o presidente da AEB prorrogou o convênio, para cancelá-lo em 12 de novembro. No dia 10, foi informado pela assessoria de imprensa da AEB que a Folha o procuraria para tratar do assunto.

Desde que foi constituído, em 2006, o programa Cyclone-4 já teve uma licitação cancelada e uma escalada de custos. O lançamento inaugural, que ocorreria neste ano, só deve ser em 2012.

O projeto custará quase R$ 1 bilhão ao Brasil, dez vezes mais do que o previsto inicialmente. O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, diz que o gasto vale à pena, já que é estratégico ter um foguete próprio para lançamento de satélites.

Mas especialistas dizem que o Brasil está subsidiando o programa espacial da Ucrânia - país muito afetado pela crise econômica e que tentou até empréstimo do BNDES para finalizar o foguete.


Fonte: Jornal Folha de São Paulo via NOTIMP da FAB - 22/11/2010

Comentário: Grande notícia para o verdadeiro “Programa Espacial Brasileiro” e estamos aqui torcendo fervorosamente (caso seja legalmente possível) para que a Controladoria–Geral da União (CGU) breque todas as atividades dessa mal engenhada empresa até que sejam apuradas todas suas atividades, supostas irregularidades e a possibilidade do contrato assinado com os ucranianos ser político e inviável a nação brasileira. Estou vibrando e sinceramente espero como brasileiro que a CGU não ceda a qualquer pressão. Finalmente um movimento na tentativa de salvar o erário público brasileiro nesta questão. Avante Brasil e que os responsáveis por essa vergonha sejam responsabilizados judicialmente. Só lembrando ao Ministro Rezende de que se as mudanças de infra-estrutura fisica, de recursos humanos e de orçamento fossem introduzidas no PEB e se o acordo com os russos fosse apoiado e acompanhado como deveria durante a governo LULA, o VLS-1 hoje seria uma realidade, o VLS-Alfa muito próximo disso (foguete capaz de atender todos os satélites previstos no atual PNAE, com excessão do SGB e esse é um satélite que nem o Cyclone-4 atende) e certamente diversas tecnologias críticas já teriam sido dominadas. Uma vergonha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial