ACS Fará Três Reuniões com a Comunidades Quilombolas


Olá leitor!

Recebi informações do colaborador maranhense Edvaldo Coqueiro (ao qual mais uma vez agradeço), que em contato com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alcântara, por telefone, no dia 13/08, o mesmo informou-lhe que serão três as audiências públicas (uma delas já ocorrida) que estão previstas para serem realizadas com as "Comunidades Quilombolas", e que a Alcântara Cyclone Space (ACS) irá realizá-las até o dia 31/08, para agilizar o mais rápido possível o processo de concessão das licenças ambientais, visando o início das obras do sítio de lançamento do foguete Cyclone 4.

Segundo o sindicalista, a primeira reunião foi realizada no dia 14/08 no povoado de Mamuna, a 30 km de Alcântara e a segunda e terceira audiência, não tem ainda datas definidas, mas uma delas esta marcada para acontecer na cidade de Alcântara e a última na cidade de São Luís, capital do estado.

“O povoado de Mamuna foi escolhido para ser o local da primeira audiência, por que, juntamente com o povoado de Baracatatiua, terão as suas populações atingidas, caso haja expansão da Base. Essas populações vivem do extrativismo. Coletam seu alimento na floresta e no mar. Não produzem nada além da farinha de mandioca. Saindo do seu habitat natural encontrarão dificuldades para sobreviverem caso o seu novo ambiente não reúnam as mesmas condições do ambiente primitivo”, afirma o sindicalista.

Duda Falcão

Comentário: O pior dessa confusão toda é que o problema só foi gerado por pura incompetência gerencial na conduta da instalação da base desde o seu início. Agora só resta sentar com as "Comunidades Quilombolas" e negociar um acordo que seja bom para ambas as partes. No entanto, para que isso aconteça será necessária uma certa habilidade em conduzir essas negociações, habilidade essa que as autoridades do PEBdemostraram não possuir. Só resta aguardar e torcer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial