VLM? Só em 2024, e olhe lá!

Olá, leitor!

O Brazilian Space teve acesso, depois de muito procurar e provocar nossas fontes, à informações sobre o cronograma do VS-50 / VLM-1 que a Agência Espacial Brasileira (AEB) deveria, por obrigação legal, colocar no seu site para que todos nós contribuintes, que pagamos por cada projeto do Programa Espacial Brasileiro (PEB), tivéssemos acesso.

Imagem: Veículo Lançador de Microssatélites (VLM-1): Principais Sistemas.
Fonte: Site do IAE em https://www.iae.cta.br/index.php/todos-os-projetos/projetos-aeronautica/projetos-vlm-1


Em geral, quando questionada, a AEB (Órgão Central do PEB) usa de subterfúgios e do discurso de que "vem divulgando as informações" e "que o contribuinte pode se informar nos sites dos institutos e parceiros da AEB sobre os projetos"....  

PEEEEEEN!!!! (sinal sonoro de resposta errada!!!!) Essas informações sobre os projetos, os cronogramas fisico-financeiros, etapas, roadmaps, orçamentos anuais, execução orçamentária semestral / anual e tudo mais que diz respeito a cada projeto do PEB (exceto o que for sigiloso) deveria estar condensado e reunido em um único local na web para que todos pudessem exercer o direito a consultar e controlar o ente e os programas público e, caso os contribuintes quisessem mais informações ou quisessem conferir o que o Órgão/Empresa executante está fazendo, procurariam nos sites desses outros entes.

Imagem: VS-50: Principais Sistemas.
Fonte: Site do IAE em https://www.iae.cta.br/index.php/todos-os-projetos/projetos-aeronautica/projetos-vlm-1

Tem dúvida de quão rasa é a informação que a AEB fornece (sem ser pressionada a fornecer) sobre o VS-50 e o VLM-1? Então acesse aqui e aqui. Viram que não tem o link para as páginas dos respectivos projetos nos sites dos ente parceiro da AEB (aqui)? Se falarmos em orçamento, custos, e execução orçamentária, vão responder, sem nenhuma vergonha, que "podemos consultar o site da transparência".

Mas aqui é Brasil, meu amigo leitor, e no Brasil até a lei da gravidade é avacalhada, sem limites ou fronteiras ideológicas, à esquerda ou à direita!

Assim, graças a contribuição de uma rede de colaboradores, conseguimos as informações consolidadas sobre o VS-50, o veículo que servirá de base para a validação em voo do Motor-Foguete Sólido S-50 e sobre o Veículo Lançador de Microssatélites (VLM), que usará o referido motor em seus 2 primeiros estágios, conforme a tabela abaixo:
    --------------------------------------------------------------------------------------------------
    Ano         |     Mês             |  Evento
    --------------------------------------------------------------------------------------------------
    2021        |    Maio             |    Realizar o 1o tiro em banco do Motor S-50
    2021        |    Setembro     |    Realizar o 2o tiro em banco do Motor S-50
    2022        |    Junho           |    Realizar o 1o Voo do VS-50 a partir do CLA
    2023        |    Junho           |    Realizar o 2o Voo do VS-50 a partir do CLA
    2024        |    Maio             |    Realizar o 1o Voo do VLM-1 a partir do CLA
    --------------------------------------------------------------------------------------------------

Diante dessas informações, as quais extraímos de documentos oficiais emanados pela AEB, vemos que o projeto do VLM (que já tem tem mais de uma década de idealizado) ainda vai demorar 4 anos para, sem nenhum outro atraso, se tornar realidade. Por outro lado, nos questionamos que, considerando que o 1o voo do VS-50 está previsto para maio de 2022, será esse o lançamento a partir do Centro Espacial de Alcântara que o presidente da AEB anunciou (ou insinuou) na mídia, cerca de 1 mês atrás? Tendo em conta que o VS-50 não é um veículo lançador, será que vão seguir em frente com o projeto Montenegro da startup Acrux para cumprir com essa meta de lançar algo ao espaço em 2 anos (veja aqui)?
 
Bem, ficamos aqui na torcida para que, de um jeito ou de outro consigamos lançar algo ao espaço em breve, antes que a humanidade volte a Lua e chegue em Marte, mantendo a promessa que fiz na AEB em 2017, na qual ofereço meu aparelho celular pessoal como carga dummy para o primeiro voo de validação de um veículo (micro/nano)lançador que o Brasil fizer.

Saudações,

Rui Botelho
Brazilian Space



Comentários

  1. Ola leitores do BS!

    Pois então, olha aí senhores o resultado da 'cagada' da Avibras com motor S-50 que o pífio orador presidente dessa piada chamada AEB tentou meses atrás amenizar desastrosamente em uma das lives em que participou. Anos atrás quando foi anunciado o contrato da Avibras pra o desenvolvimento desse motor-foguete eu avisei que essa empresa não tinha condições de conduzir esse projeto, mesmo tendo o apoio de técnicos do IAE. Não era a empresa certa pra ficar a frente desse projeto, mas enfim... esqueçam esse prazo de 2024, pois não vai dá em nada, há não ser na torragem de mais recursos públicos nesta incompetente e descompromissada empresa sangue-suga, e tomara mesmo que a suspeita levantada aqui pelo Prof. Rui Botelho sobre o possivel apoio do Governo Bolsonaro e de seu Ministro Estrela ao projeto Motenegro da startup Acrux Aerospace Technologies, tenha realmete algum fundamento ou a vaca irá definitivamente pro brejo.

    Saudações a todos,

    Duda Falcão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Duda esse cronograma até que seria razoável se o projeto estivesse recém começado. Mas não é o caso, a continuar assim irá demorar mais que o VLS, mesmo contando com a experiência adquirida. Isso mostra que, no mínimo, a experiência adquirida foi perdida. Outra coisa é que a explicação da trinca do motor teria sido erro nos componentes da resina. E depois mais de um ano pra fazer outro ??? Se o Brasil quer realmente um programa espacial terá de contratar a iniciativa privada e sem a burocracia absurda que existe hoje. Além de acompanhar de perto e com competência o que estiver sendo contratado.

      Excluir
    2. Olá Sr. Heisenberg!

      Exatamente isso, o projeto do motor sequer chegou ao final de sua primeira fase quatro anos após ter sido assinado, e isto pela Cagada dessa empresa, seja qual tenha sido o motivo. Esse foi um desastre pre-anunciado e persistir no erro é burrice é torrar recursos do povo brasileiro. O senhor está certo com a sua avaliação o governo precisa contratar uma empresa ou um consórcio de empresas privadas (startups) e cobrar resultados. Afastando de uma vez por todas essas empresas sangue sugas e incompetentes das atividades espaciais do país.

      Fonte Abs

      Duda Falcão

      Excluir
  2. "o contribuinte pode se informar nos sites dos institutos e parceiros da AEB sobre os projetos".... ". O governo poderia editar um decreto extinguindo a AEB e seus cargos respectivos. Os "ex-gestores" poderão se atualizar no DOU e em sites dos institutos e ex-parceiros.

    ResponderExcluir
  3. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    Ano | Mês | Evento
    ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    2022 | Junho | Realizar o 1o Voo do VS-50 a partir do CLA
    -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    2023 | Junho | Realizar o 1o Voo do VS-50 a partir do CLA

    isso foi um " ERRO de Digitação " ou o PEB já tem uma Máquina do TEMPO e Fez apenas um Lançamento , e viajou no Tempo e relançou o mesmo Foguete " VS-5O " duas Vezes em dois anos Seguidos , o mesmo Lançamento !!!

    gostaria por gentileza de uma explicação sobre o gráfico com os Dados de Lançamento !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PEB, é o segundo vôo do VS 50. Todavia, dada a falta de transparência dessa Agência, diria que parece só jogo de cena de um amontoado de cargos e salários mesmo. Até julho de 2023 qual seria o custeio da AEB para os cofres públicos?

      Excluir
    2. Ok , beleza !!! , o nosso PEB é muitíssimo lento , esses 6 anos para lançar o VLM-1 , dava para fazer tudo em apenas em 1 anos.

      Excluir
  4. Japão tem, Itália tambèm, Canada tem, ISRAEL TEM, NOVA ZELANDIA TEM, ARGENTINA logo terá, URSS, India , china , Alemanha , Austria,, EUA, inglaterra, França, EAU, Portugal logo terá, quando chegarmos lá o Paradigma já será outro, talvez...mais eficiente , moderno e barato... muito triste!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Portugal faz parte da ESA e tem um centro de lançamento centenas de vezes mais funcional q Alcântara

      Excluir
  5. Ao ler uma notícia dessas é de partir o coração e o desânimo toma conta.

    ResponderExcluir
  6. Concordo em parte com Duda, a AEB precisa ser uma fomentadora, buscar empresas que atendam seus pedidos. Porém nosso país não tem demanda e nem mercado para isso, os engenheiros da área aeroespacial acabam indo muito para entes públicos porque não há empresas no ramo.

    Além disso, se não houver um fluxo contínuo de recursos independente de governos, os quais entram e saem, startups morrerão, pessoas ficarão desempregadas e ninguém vai querer empreender. De que adianta o cara gastar anos da sua vida e dinheiro se depois de quatro anos o outro governo não quer nem saber de investir no setor ?

    O ideal é seguir o modelo americano atual, mas será que estamos preparados para isso ?

    ResponderExcluir
  7. No fim vão comprar a transferência de tecnologia de alguém, é bem mais cômodo para o funcionalismo publico.

    ResponderExcluir
  8. Vamos repetir a história do VLS? Com a engenharia genética não será surpresa se aparecer uma galinha com dente no bico antes desse V alcançar o espaço. Quando, daqui há décadas, cancelarem o VLM proporão o VLN. Com N de nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por aí...
      E a gestão do PEB pode se especializar em fantasias e adereços. Vai ser sempre nota 10, nota 10!

      Excluir
  9. Eu tenho a impressão de que se eu começasse hoje, do zero e sozinho, conseguiria fabricar pelo menos um pequeno motor a alcool funcional antes do Brasil lançar um desses prometidos foguetes oficiais. Eu acho até que conseguiria lançar algo, ainda que sem sucesso.

    ResponderExcluir
  10. Em 1975 fiz um pedido para deus que eu so morre-se apos o Brasil lançar seu próprio foguete, ja estou com 60 anos ....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Benito. As custas do programa espacial brasileiro, infelizmente você descobriu o segredo para a longevidade.

      Excluir
  11. Acredito que o PEB só vai dar certo quando o orçamento deles aumentarem.

    ResponderExcluir
  12. As empresas privadas tem mais chances de conseguir algo, mas ainda sim sem investimentos não vão longe

    ResponderExcluir
  13. Será q o DLR tem mais informações sobre, eles tão fazendo a parte dos computadores de bordo e "financiando" o VLM, mesmo estando em alemão não custa nada pesquisar sobre

    ResponderExcluir

Postar um comentário