País Domina 80% da Produção de Satélite

Olá leitor!

Segue abaixo uma pequena matéria publicada dia (28/11) no Jornal Valor Econômico e postada no mesmo dia no site “Investe São Paulo” tendo como destaque a declaração do diretor do INPE, Dr. Leonel Perondi, de que o Brasil já domina 80% da produção de satélites.

Duda Falcão

Últimas Notícias

País Domina 80% da Produção de Satélite

Valor Econômico
28/11/14 - 11h37

A indústria espacial brasileira já domina cerca de 80% da produção de um satélite, segundo o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Leonel Perondi. O último grande gargalo do programa espacial, segundo ele, é o domínio completo do sistema de controle de atitude (orientação no espaço) e órbita de satélites.

O presidente da Visiona, joint venture entre a Embraer (51%) e a Telebrás (49%), Eduardo Bonini, informou que este será o primeiro grande projeto a ser lançado pela empresa dentro da estratégia de desenvolvimento de tecnologias críticas utilizadas em satélites.

Considerando o caráter estratégico e sensível desse tipo de tecnologia, o governo investiu R$ 40 milhões no desenvolvimento do projeto que ficou conhecido como Sistema de Navegação Inercial para Aplicação Aeroespacial (SIA). A plataforma inercial também localiza e orienta um foguete durante seu lançamento, indicando, inclusive, os desvios de rota que possam ocorrer nessa trajetória.

No DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Espacial) o SIA será testado em voo pelo foguete VSISNAV (veículo lançador de sistema de navegação do VLS). Segundo o diretor do DCTA, brigadeiro do ar Alvani Adão da Silva, a expectativa é que o lançamento do VSISNAV aconteça em 2015.

O Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), segundo Alvani, aguarda a entrega das redes elétricas de serviço e de controle do foguete pela empresa MECTRON para realizar o lançamento. Em 2014, o projeto do VLS recebeu um investimento de R$ 15 milhões e para 2015 estão previstos mais R$ 5 milhões.

Para suportar as atividades de desenvolvimento do SIA, com aplicação tanto em satélites quanto em foguetes, foi montado um laboratório com capacidade para testar sensores em um nível de precisão de 0,1 grau por hora, o equivalente a medição de movimentos 100 vezes menores que o movimento de rotação da Terra.


Fonte: Jornal Valor Econômico via site “Investe São Paulo” – 28/11/2014

Comentário: Bom leitor, quanto aos irrisórios R$ 5 milhões para o lançamento do VSISNAV eu não vou comentar porque já estou cheio desta palhaçada, agora quanto ao que disse do Dr. Perondi, eu creio que não seja bem assim, já que parte da tecnologia desses supostos 80% está dividida com empresas que não são brasileiras, como por exemplo, a AEL Sistemas. Então Dr. Perondi não é bem assim, e talvez o Brasil não chegue nem mesmo a dominar 50% e pode cair ainda mais este percentual se a Opto Eletrônica for vendida.

Comentários

  1. O nível de cara de pau desses caras é espantoso.

    Então o Brasil domina 80% do processo de produção de satélites, e vai importar um completinho da Thales. E no CBERS só faz 50% (isso segundo eles dizem).

    Cadê o meu kit palhaço?

    ResponderExcluir
  2. Não é possível, 5 milhões pro VLS. É uma piada de mal gosto.
    Nunca vai sair se for assim

    ResponderExcluir
  3. Só falta o sistema de controle de atitude, só a parte fácil acelerômetros, girômetros (Optsensys) e computador de bordo (Mectron). Coisas fáceis de se fazer com especificação espacial ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Operação CRUZEIRO: Primeiro Ensaio em Voo de um Motor Aeronáutico Hipersônico Brasileiro

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite