quinta-feira, 28 de julho de 2016

Elon Musk Pousará em Marte Por 10% do Custo do Foguete Brasileiro Que Não Existe

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante matéria postada ontem (27/07) no site “meiobit.com”, destacando que o empresário americano Elon Musk da SpaceX pousará em Marte por 10% do custo do foguete brasileiro que sequer existe.

Duda Falcão

ENGENHARIA E ESPAÇO

Elon Musk Pousará em Marte Por 10% do
Custo do Foguete Brasileiro Que Não Existe

Por Carlos Cardoso
27/07/2016
Fonte: Space News


Quando a NASA planejou o processo de certificação da nave Dragon eles queriam fazer um lançamento orbital para testar se a nave era capaz de, bem, decolar e pousar sob comando. Depois fariam um lançamento de testes até a Estação Espacial, onde ela chegaria perto e voltaria pra Terra. Só então fariam um terceiro lançamento, onde testariam a capacidade da nave de atracar.

Elon Musk subiu nas tamancas, o primeiro lançamento faz sentido mas ele não comanda uma estatal com dinheiro ilimitado, não há lógica em mandar uma nave perfeitamente funcional até a porta da Estação, virar de costas e ir embora. Relutantemente a NASA aceitou, e no segundo vôo da Dragon ela foi até a Estação, realizou todas as manobras e testes possíveis, e então efetuou a atracagem.

Essa mentalidade comercial, de dono de empresa e não gerente de repartição é o que diferencia a SpaceX da NASA e da concorrência, acostumada a fazer o mínimo possível pelo custo mais alto possível no maior tempo possível.


Agora Musk vai a Marte por conta própria. Seu plano é lançar na janela orbital de 2018, e alguns meses depois pousar uma Red Dragon no planeta vermelho mas que não vota no Lula. Mais uma vez, mentalidade prática. A NASA mandaria um orbitador, testaria, testaria, testaria e por isso só vão chegar lá no final da década de 2030.

O custo também é um diferencial. A sonda MAVEN foi lançada para Marte em um Atlas V da ULA. Só o foguete custou US$ 187 milhões. Como Musk quer que o Falcon Heavy tenha os 3 núcleos do primeiro estágio pousando em segurança, um lançamento do Falcon Heavy Reutilizável custará menos que um lançamento de um Falcon 9 com primeiro estágio descartado.

Ele nunca fala de custos diretamente mas um diretor da NASA revelou que o participação da NASA na missão de 2018 da SpaceX custará US$ 30 milhões, e que a proposta de Musk foi na faixa de 10:1. O que significa que a SpaceX colocará US$ 300 milhões no projeto.


Isso mesmo. Ele vai pousar uma nave (não-tripulada, calma) de 10 toneladas em Marte, por US$ 330 milhões. Provavelmente um pouco mais, mas beeeem abaixo dos custos que a NASA está acostumada.

Musk quer tornar Marte barato, ele quer ser a Viação Cometa levando gente e equipamento a custo baixo, o único jeito de viabilizar uma colônia. É um projeto ambicioso e lógico, pois ao invés de bancar toda uma iniciativa que nem ele tem dinheiro pra tudo, a ponte aérea espacial Terra-Marte vira fonte de renda.

Colocando em perspectiva, esses US$ 300 milhões que Musk gastará para ir a Marte são o mesmo que o Brasil enterrou naquele programa de satélites com a China, onde um caiu na Antártica, e outro subiu sem ter software pra processar as imagens. Pior ainda. US$ 300 milhões são menos de 10% dos US$ 3,2 bilhões que Brasil e Ucrânia iam gastar no programa do foguete Cyclone-4, dos quais o Brasil afundou R$ 1 bilhão sem ter nada para mostrar, e então foi tudo cancelado.

Resultado de 14 anos de trabalho de gente competente.

Claro, falar isso é complexo de vira-lata, né? Errado está o Musk, quando os três primeiros lançamentos do Falcon 1 falharam ele deveria ter desistido e chorado pitangas como fez o Brasil, que aparentemente só tinha 21 cientistas espaciais e nenhum se formou desde 2003.


Fonte: Site Meio Bit - http://meiobit.com

Comentário: Rsrsrsrsrs, comparação polêmica esta do jornalista Carlos Cardoso que pode até gerar um debate aqui no Blog. Quem gostaria de opinar????

5 comentários:

  1. Gostei muito da matéria, principalmente do comentário final, que resume de forma correta nosso PEB com a total falta de profissionalismo (por não serem cobrados e principalmente pelo fato de não saber claramente o que tem de ser feito, pois não experiência para transformar a teoria em prática), uma péssima gestão de recursos, aliada uma ética duvidosa na utilização do dinheiro público disponibilizado para o projeto.

    ResponderExcluir
  2. Excelente matéria. É preciso ter visão empreendedora para fazermos projetos avançar com qualidade e objetivos claros. Eu admiro muito os grandes desenvolvimentos que a SpaceX tem feito nos últimos anos. Se aqui pelo menos parássemos com esse complexo de vira lata já teríamos feito muito com o que temos. Temos bons foguetes de sondagens que são utilizados por outros países, mas não por nós. Poderíamos ter uma visão de futuro e industrializarmos foguetes pequenos que baixaria o custo e poderia ser utilizado nas pesquisas de nossas universidades que tem parcos recursos. Mas infelizmente vejo isso muito longe de nossa realidade nacional pois aqui temos uma Agencia Espacial que não funciona. Uma cópia muito mal feita da NASA (diga-se muuuuuuito mesmo). Um programa de foguetes conduzidos por militares que quase nunca temos informações claras sobre os reais objetivos. Projetos e mais projetos que nunca saem do papel. Já desisti de olhar cornogramas dos projetos brasileiros. Porque o brasil não mandar um nano satélite com uma pequena camêra e alguns sensores para a Lua? para Marte? pousar um cubosat na lua? Não importa que para conseguir isso que tenhamos diversos fracassos e falhas. Precisamos tentar e tentar até conseguir. Parabéns a SpaceX pois nos mostra qual o caminho que temos que seguir.

    ResponderExcluir
  3. O Brasil não é um país sério,dai não cabe comparar nada com ninguém,muito menos nesta área.

    ResponderExcluir
  4. O Brasil necessita ousar e não ter medo de errar, mas o errar seria de forma "coerente" e não errar pelo jeitinho brasileiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hummmm!

      Bom recado este seu Brehme.

      Parabéns jovem amigo.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian n Space)

      Excluir