País Diz que Lançará Satélite Brasil-China em 2012

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (23/08) no site do jornal “O Estado de São Paulo” destacando que o Brasil terá de lançar o CBERS-3 até novembro de 2012, pois se assim não for novos atrasos poderão “implodir” o relacionamento com os asiáticos.

Duda Falcão

País Diz que Lançará Satélite
Brasil-China em 2012

Presidente da Agência Espacial Brasileira afirma
que novos atrasos poderão ''implodir'' relacionamento
com os asiáticos; prazo inicial era 2007

Cláudia Trevisan
O Estado de S.Paulo
CORRESPONDENTE / PEQUIM
23 de agosto de 2011 | 0h 00

Lucas Lacaz Ruiz-11/11/2008
Dificuldade. Área de construção
do Cbers-3 e Cbers-4
O Brasil assumiu ontem o compromisso de lançar em novembro de 2012 a nova versão do satélite que desenvolve em conjunto com a China e um atraso poderá "implodir" o relacionamento com o país asiático, afirmou o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Marco Antonio Raupp.

"Temos de cumprir nosso cronograma porque estamos cinco anos atrasados", declarou Raupp, depois de reunião, em Pequim, do grupo bilateral responsável pela cooperação espacial.

Iniciado em 1988, o programa é o mais sólido pilar da relação Brasil-China e levou ao lançamento de três Satélites Sino-Brasileiros de Recursos Terrestres, chamados de CBERS (sigla em inglês) e numerados como 1, 2 e 2-B. O quarto, o CBERS-3, deveria ter entrado em órbita em 2007, mas o Brasil não cumpriu os prazos de entrega de equipamentos previstos no acordo.

Ontem, os brasileiros ouviram dos chineses cobranças para definição de um cronograma detalhado que permita o lançamento do CBERS-3 em novembro de 2012 e do CBERS-4 em 2013.

Segundo o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Gilberto Câmara, uma das razões para o atraso é a dificuldade da indústria nacional em desenvolver e produzir os equipamentos que deverão ser entregues pelo Brasil. Nos três primeiros satélites, a China era responsável por 70% dos componentes. Agora, a divisão é de 50% para cada país. "Aumentou a complexidade e a parcela que cabe ao Brasil", disse.

Agora, o principal desafio é de pessoal. A montagem do satélite começará em novembro e exigirá a contratação pelo INPE de 60 funcionários para trabalharem na China pelo período de um ano, em esquema de rodízio.

Na semana passada, Câmara anunciou que deixará o cargo em dezembro, dois anos antes do término de seu mandato. "Estou frustrado porque o INPE não recebeu do Ministério os recursos humanos necessários para renovar sua equipe", disse.

Segundo ele, um eventual novo atraso no cronograma colocará em xeque não só o programa, mas a capacidade do País de cumprir acordos internacionais.

Integrante da missão que negociou o acordo de satélites com os chineses há 25 anos, Raupp afirmou que é "incomparável" a velocidade de desenvolvimento dos programas espaciais. "A China lançará 19 satélites até 2015 e o Brasil, 3", exemplificou, citando números que incluem os dois satélites conjuntos previstos.

Cooperação - Apesar do atraso, Brasil e China ampliaram a cooperação na área espacial, com o uso da base de Alcântara, no Maranhão, para o monitoramento da nave chinesa Shenzhou-8 quando ela passar sobre a região, em outubro. Os dois países pretendem ainda elaborar um plano espacial para dez anos e identificar projetos de cooperação no setor. Se depender do Brasil, o programa incluirá o lançamento de mais três satélites até 2020.


Fonte: Site do Jornal O Estado de São Paulo

Comentário: Parabéns aos chineses, pois agora esse satélite tem grandes possibilidades de sair do papel, já que o rompimento com os chineses poderá afetar perigosamente outros acordos em curso de real interesse do governo DILMA. Note leitor que o governo brasileiro já estava tentando ensaiar outro atraso, quando os chineses deram um basta, fundamental para dar um fim a essa novela mais que desgastada. Começo entender agora a desistência do ministro Aloizio Mercadante em chefiar a comitiva nas negociações, pois assim se pouparia de um possível desgaste de imagem caso houvesse uma reação desfavorável a essa idéia como houve. Infelizmente a política no Brasil não é feita para os brasileiros e sim para os interesses políticos e outros que não valem nem a pena comentar. Uma vergonha, mas valeu, os chineses tomaram uma posição, pena que com vários anos de atraso. Well done CHINA and keep your eyes open.

Comentários

  1. Os pliticos Brasileiros tem que ajilizar,sem enrolar muito isso vale para todos os assuntos.

    ResponderExcluir
  2. Olá 5555!

    O problema é que enrolar é uma prática diária de grande parte da classe política desse país, e quando as coisas andam, é porque houve outros interesses que não necessariamente são benéficos a nação brasileira. Projetos sérios e necessários para o país, só são levados com seriedade quando tem grande apelo popular, pois esses tipos de projetos são os que redem votos, coisa que infelizmente não acontece com os projetos do Programa Espacial Brasileiro.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Tenho inveja dos chineses, enquanto o governo ficar preocupado em exportar só soja e suquinho de laranja as coisas vão ficar mal

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial