INPE Desenvolve Combustível Espacial Limpo

Olá leitor!

Segue abaixo uma grande notícia postada hoje (15/03) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que o “Laboratório Associado de Combustão e Propulsão (LCP)” do instituto desenvolveu um combustível limpo e mais barato para foguetes e motores de satélites.

Duda Falcão

INPE Desenvolve Combustível Espacial Limpo

Quarta-feira, 15 de Março de 2017

Um combustível limpo e mais barato para foguetes e motores de satélites foi desenvolvido no Laboratório Associado de Combustão e Propulsão (LCP) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

À base de etanol e etanolamina, o novo combustível é combinado ao peróxido de hidrogênio concentrado e começa a queimar espontaneamente, sem a necessidade de uma fonte de ignição externa (confira no vídeo disponível aqui).

Localizado no INPE de Cachoeira Paulista, o LCP é o único laboratório no Brasil que concentra peróxido de hidrogênio (popularmente conhecido como água oxigenada) para uso aeroespacial.

"A eficiência é próxima a dos propelentes tradicionalmente utilizados em propulsão, a hidrazina e o tetróxido de nitrogênio. Porém, os nossos propelentes não são nocivos a saúde, ao contrário da hidrazina que é cancerígena e do tetróxido que é fatal a uma exposição de 10 minutos a uma concentração de 200 ppm no ar", explica Ricardo Vieira, chefe do LCP/INPE.

O novo combustível pode ser usado em motores de apogeu, ou seja, de transferência de órbita de satélites ou, ainda, em últimos estágios de veículos lançadores. O peróxido de hidrogênio é cedido ao INPE pela Empresa Peróxidos do Brasil e concentrado no LCP até 90% em peso.

"O mais interessante é comparar o custo destes propelentes. A importação de hidrazina e de tetróxido de nitrogênio custa, respectivamente, R$ 712,00/kg e R$ 1.340,00/kg. Já o peróxido de hidrogênio 90% é preparado no LCP a um custo aproximado de R$ 15,00/kg e o combustível à base de etanol/etanolamina de R$35,00/kg", completa Vieira.

O vídeo disponível aqui mostra teste de um motor-foguete de 50 N, que emprega água oxigenada 90% como oxidante e etanol/etanolamina como combustível, adicionando sais de cobre como catalisador para a reação.

O desenvolvimento tecnológico contou com financiamento da Fapesp, como parte da tese de doutorado de Leandro José Maschio (USP), orientada pelo chefe do LCP/INPE Ricardo Vieira.

Saiba mais sobre o LCP/INPE: www.lcp.inpe.br


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Olha aí leitor, apesar do caos, uma boa notícia, e note que quando isso acontece não tem como origem a nossa Agencia Espacial de Brinquedo (AEB), agência esta que só sabe divulgar notícias e conquistas dos outros, além de mentiras e fantasias. Parabéns ao LCP do INPE.

Comentários

  1. Excelente notícia. Quanto a nossa AEB, acredito que precisamos primeiro descobrir qual a sua real finalidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Pe. Paulo Giovanni!

      Já havia passado da hora de termos uma notícia desta. Porém é ainda muito pouco para um Programa Espacial de 56 anos de idade.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial