INCT de Astrofísica - Novo Instituto Astronômico Brasileiro


Olá leitor!

Outro instituto de grande relevância para a Astronomia Brasileira e para o PEB que foi aprovado em 27/11/2008 através do edital 015/2008 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) foi o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Astrofísica que foi instalado na Universidade de São Paulo (USP) e tem como coordenador o pesquisador João E. Steiner (IAG/USP).

INCT de Astrofísica
Missão: Inserir a Astronomia Brasileira no
Futuro da Astronomia Mundial

Telescópios Gemini Sul (Primeiro plano) e SOAR (Segundo plano)
Localizados no Cerro Pachón, Chile

A Astronomia Brasileira, embora jovem, já teve algumas conquistas notáveis: a introdução dos primeiros programas de pós-graduação da década de 1970, o estabelecimento do primeiro laboratório nacional no país (LNA) nos anos de 1980 e a entrada nos consórcios Gemini e SOAR nos anos 1990. Para a próxima década a astronomia mundial está planejando novos passos importantes. Em todas as faixas do espectro estão sendo planejadas e construídas novas gerações de telescópios. Muitos desses equipamentos são iniciativas multinacionais, dados os elevados custos envolvidos, alguns deles na casa do bilhão de dólares e levando de 10 a 15 anos para serem concluídos. Participação direta nesses projetos está além das nossas possibilidades, mas existem nichos que podem beneficiar nossa astronomia. A forma e intensidade desses benefícios dependem de alguns novos investimentos, mas principalmente de cuidadoso planejamento e visão estratégica.

O objetivo desse Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Astrofísica tem caráter estratégico; sua missão é inserir a Astronomia Brasileira no futuro da astronomia mundial. O INCT-A reúne 144 cientistas com doutorado, de 27 instituições consolidadas e emergentes que formam uma rede para planejar e implementar ações, tendo em vista o futuro da Astronomia Brasileira. Somos cientistas de diversas instituições e especialidades, mas todos nós necessitamos da mesma infra-estrutura científica e, principalmente, de estratégias coletivas. Essas são as características que dão unidade à rede. Essas estratégias são cada vez mais necessárias, dados os elevados custos dos novos equipamentos de pesquisa e das escalas de tempo envolvidos na sua construção.

O instituto tem 5 objetivos estratégicos:

1 - Maximização do retorno dos investimentos feitos nos telescópios Gemini e SOAR. Esse retorno deve ser de natureza múltipla:

a) Retorno científico.
- consolidar a presença brasileira na operação do SOAR, com bolsas de mais longa duração e contratação de pessoas para longa permanência.

Meta: manter o Brasil na dianteira da produtividade científica nos telescópios Gemini e SOAR nos próximos três anos.

b) Formação de recursos humanos
- realizar workshops e escolas avançadas em instrumentação para grandes telescópios.
- ênfase nos programas de PG mal avaliados pela CAPES.

Meta: dobrar o número de papers com autoria de estudantes brasileiros com dados dos telescópios Gemini e SOAR nos próximos 3 anos.

c) Apoio a grupos emergentes.
Meta: dobrar o número de papers de grupos emergentes com dados dos telescópios Gemini e SOAR nos próximos três anos.

d) Incentivo ao desenvolvimento de instrumentação para os telescópios Gemini e SOAR
- ênfase na criação da cultura da instrumentação
- valorização da carreira dos pesquisadores e técnicos envolvidos na instrumentação, por exemplo, com bolsas de produtividade científica e técnica.

Meta: concluir e comissionar os três instrumentos em construção (SIFS, Steles e BTFI) e iniciar mais um instrumento brasileiro nos próximos três anos.

2 - Preparar a astronomia brasileira para a era do LSST

4 objetivos científicos abrangentes:

A natureza da energia e matéria escuras;
O céu transiente;
A estrutura da Galáxia
A estrutura do Sistema Solar, inclusive a detecção de asteróides que podem colidir com a Terra.

Meta: financiar, nos próximos três anos, a elaboração de recursos computacionais eficazes de extração de informação dos dados do LSST. Propomos o VISTA como projeto piloto.

3 - Implantação de Observatórios Virtuais

Meta: Estruturar e implantar a rede de Observatórios Virtuais Brasileiros (BRAVO)

4 - Estruturação de projetos de infra-estrutura

Meta: Seleção, elaboração e estruturação de pelo menos um projeto nas seguintes áreas:
pelo menos um em rádio-astronomia
pelo menos um satélite científico
pelo menos um na área de astronomia óptica e infravermelha.

5 - Ensino e divulgação científica

Metas:

Estruturar um curso à distância para professores de ciências
Implementar um “Portal de Astronomia” em língua portuguesa.

Coordenação

Coordenador: João E. Steiner (IAG/USP)
Fone: (11) 3091-2713

Vice-coordenadora: Beatriz Barbuy (IAG/USP)
Fone: (11) 3091-2810

Contato

INCT - Astrofísica
Rua do Matão, 1226 - Cidade Universitária - USP
CEP 05508-900 - São Paulo - SP
Tel: (11) 3091 2800 - FAX: (11) 3091 2860

Caso o leitor queira maiores informações visite o site do instituto pelo link:
http://www.astro.iag.usp.br/~incta/

Duda Falcão


Fonte: Site do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Astrofísica (INCT Astrofísica)

Comentário: Extremamente importante a criação desse instituto para a Astronomia Brasileira. Parabenizo o CNPq e a USP pela iniciativa desejando total sucesso para essa instituição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022