segunda-feira, 20 de junho de 2016

Ministério da Defesa Negocia Criação de Duas Novas Estatais


Segue abaixo uma matéria publicada dia (19/06) no site da revista “Época Negócios” destacando que o Ministério da Defesa negocia com a Casa Civil a criação de duas novas empresas estatais.

Duda Falcão

Negócios

Ministério da Defesa Negocia
Criação de Duas Novas Estatais

Uma seria voltada para novas tecnologias aeroespaciais, inclusive satélites e radares,
e a outra irá operacionalizar parte das atividades de controle do espaço aéreo.

POR ESTADÃO CONTEÚDO
19/06/2016 - 09H28
ATUALIZADA ÀS 11H10

FOTO: WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL
O novo Ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Ministério da Defesa negocia com a Casa Civil e com a área econômica a criação de duas novas empresas públicas que ficarão sob a alçada do Comando da Aeronáutica. Uma é a Empresa de Projetos Aeroespaciais do Brasil S.A. (Alada), voltada para projetos e novas tecnologias do setor, inclusive satélites e radares. A outra, ainda sem nome, irá operacionalizar parte das atividades de controle do espaço aéreo.

Um dos objetivos das novas empresas é criar condições legais para que os recursos obtidos com as tarifas aeroportuárias entrem diretamente nos cofres da Aeronáutica, sem passar antes pelo Tesouro Nacional.

Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, a criação das duas empresas públicas é "parte de um eixo muito mais amplo para trabalhar fontes alternativas e novos modelos de financiamento". Ele lembra que é preciso "criatividade" para enfrentar dois fatores: o país convive com uma grave crise fiscal e não há recursos para investimento, mas a Aeronáutica opera com alta tecnologia, que tem uma dinâmica muito rápida e risco contínuo de obsoletismo.

O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Rossato, especifica que as duas novas empresas fazem parte do "Programa de Reestruturação Administrativa e Operacional da Aeronáutica", que tem como horizonte 2041, quando a FAB completa 100 anos. Ele disse que, "seguindo uma tendência internacional de otimização de recursos, com redução de custos e de efetivo", haverá enxugamento de estrutura e estímulo a empregos temporários, de até oito anos, concentrando o pessoal de carreira, militar e civil, nas atividades-fim, como infantaria, armamento e operador sonar.

Como exemplo, o comandante disse que as próprias bases da FAB ficarão mais enxutas, como as de Fortaleza, Recife e Florianópolis. Ele citou também o que já está ocorrendo com o Parque de Manutenção. Estão sendo fechadas as unidades de Belém, Recife e o Parque dos Afonsos, no Rio de Janeiro, deixando em atividade outras três, no Rio, em São Paulo e em Lagoa Santa (MG), mas reduzindo gastos com equipamentos próprios e fazendo parcerias com empresas da iniciativa privada, como a Embraer.

Hoje, a FAB tem um efetivo de aproximadamente 75 mil servidores da ativa, incluindo os civis, mas a intenção do Comando é reduzir o pessoal de carreira para dar vez a jovens formados nas mais diferentes áreas, como engenharia, psicologia, medicina, jornalismo, etc., que teriam um contrato de oito anos. Segundo o brigadeiro Rossato, isso reduziria os custos com pessoal em até 50%, pois os temporários não têm direito a movimentação entre Estados, residência ou aposentadoria. Em contrapartida, têm uma formação sólida e saem da FAB para o mercado com um bom currículo.

O objetivo da nova empresa é buscar "autossuficiência nacional em materiais aeronáuticos, espaciais e nos bélicos de emprego aeronáutico". A Alada poderá, por exemplo, desenvolver tecnologias de monitoramento do espaço aéreo por meio de rede de satélites; implementar projetos de sistemas, subsistemas e componentes de emprego aeroespacial, tudo isso relacionado à renovação da frota com o caça Grippen NG.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo


Fonte: Site da revista Época Negócios - 19/06/2016

Comentário: Bom leitor essa notícia não é exatamente nova, e já havia sido divulgada. Entretanto eu ainda não tenho uma opinião formada, pois é preciso entender melhor como essa empresa ligada ao setor aeroespacial realmente atuará, e quais serão os seus reais objetivos? Falou-se em satélites e radares, mas e como fica os foguetes? A empresa irá industrializar os foguetes de sondagens brasileiros? E como fica a área de lançadores de satélites? Enfim... aproveito para agradecer a todos os leitores que enviaram e-mails sobre esta notícia  e peço desculpas pela demora em postar, mas acontece que esse final de semana foi o mais triste de minha vida quando meu pai finalmente descansou e se juntou aos seus familiares no que ele costumava chamar de “VALE DO TORUGO”. É meu paizinho, o ET de Andrômeda, finalmente partiu para sua galáxia de origem para finalmente descansar ao lado dos seus entes queridos.

2 comentários:

  1. Prezado Duda, meus sinceros pêsames pelo falecimento de seu pai.

    Sobre a notícia poderá vir a ser uma boa solução para o imbróglio legal em que se meteu o setor público, mas também poderá vir a ser mais um cabide de emprego para os amigos do rei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sr. Heisemberg!

      Meu pai foi um homem de grande valor, marcou a vida de um grande número de pessoas com a sua sabedoria, compreensão, amor ao próximo e ao universo que o cercava. Vai deixar saudades, mas agora ele esta retornando a Galaxia de Andrômeda, de onde segundo o próprio saiu há 87 anos para ensinar o ser humano sobre os mistérios da vida, missão que cumpriu com exito segundo atestam aqueles que tiveram a oportunidade de conhece-lo. Foi um tremendo privilégio ser filho o desse homem que jamais será esquecido.

      Sobre a notícia creio que precisamos aguardar por maiores esclarecimentos, mas de acordo como for, pode sim se transformar em mais um cabide de emprego. Vamos aguardar.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir